UM QUILOMBO URBANO: A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA NA COMUNIDADE DA VILA ÁFRICA COMO PRÁTICA DE RESISTÊNCIA, CULTURA E ALTERIDADE

Palavras-chave: Palavras-Chave: quilombo urbano, quilombismo, comunidade, educação, Vila África.

Resumo

Este trabalho reflete as ações sócio-educativas desenvolvidas pela comunidade negra urbana conhecida como Vila África, localizada no município de Piracicaba-SP para preservar a memória e cultura baseada na ancestralidade africana. Para pensarmos esse território como um quilombo urbano recorremos ao conceito proposto por Abdias do Nascimento (2002; 2014) referente ao quilombismo. De acordo com a análise do autor todas as comunidades negras que pautam a sua organização na herança epistêmica oriunda do continente africano podem ser reconhecidas como parte de uma unidade quilombola. Embora haja algumas diferenças entre essas organizações quilombolas e as comunidades de remanescentes de quilombos nas áreas mais distantes, existe entre elas muitos pontos de proximidade. Alguns desses aspectos são: a busca pela cidadania, o combate ao racismo e o reconhecimento do território. A preocupação com as culturas afro-brasileiras e seus métodos de ensino-aprendizagem em diálogo com a educação escolar contribuem na preservação da memória e identificação com o território, seja urbano ou rural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Filogenio de Paula Junior, Universidade Metodista de Piracicaba (UMP)

Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Metodista de Piracicaba (UMP). Membro do Grupo de Pesquisa: Perspectivas Críticas da Modernidade UNIMEP/UFS. Colaborador do CEPIMA - Centro de Ensino e Pesquisa Interdisciplinar de Matriz Africana, sediado na Fazenda Roseira/Comunidade Jongo Dito Ribeiro em Campinas-SP, responsável pela Pós-Graduação em Matriz Africana. Foi coordenador do Programa Difusão Cultural Afro-brasileira na Biblioteca Pública Municipal de Piracicaba de 2006 até 2016.

Referências

ALENCAR, José de. Til. 3ed. São Paulo: Ática, 2012.

AMÉRICO, Marcia Cristina. Práticas coletivas na constituição da vida quilombola: história da comunidade tradicional de Ivaporunduva. São Carlos-SP: Pedro e João Editores, 2013.
ANTONIO, Marcia Maria; FERREIRA, Fernanda. Quilombo Urbano Vila África: Dança, tranças e amarrações. Disponível em https://www.sescsp.org.br/comunidade-vila-africa-um-quilombo-urbano/. Acesso em 17 de fevereiro de 2022.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 17ed. São Paulo: Edusp, 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CNE). Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e Cultura afro-brasileira e africana. Brasília, 2004. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/diversas/temas_interdisciplinares/diretrizes_curriculares_nacionais_para_a_educacao_das_relacoes_etnico_raciais_e_para_o_ensino_de_historia_e_cultura_afro_brasileira_e_africana.pdf

FU-KIAU, Kimbwandende Kia Bunseki. African cosmology of the bantu-kongo: principles of life and living. 2ed. Nova York: Athelia Henrietta Press, 2001.

GONÇALVES E SILVA, Petronilha Beatriz. Aprendizagem e ensino das africanidades brasileiras. In: Kabengele Munanga (org). 2ed. Superando o racismo na escola. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Brasília: 2005.

HABTE, Aklilu; WAGAW, Teshome; AJAYI, Ade. Educação e mudança social. In: MAZRUI, Ali. História Geral da África 8. 2ed. Rev. Brasília: UNESCO, 2010.

SANTOS, José. Bairro Vila Independência e a sua tradicional Vila África. Disponível em https://www.vozdosbairrospiracicaba.com.br/2021/05/o-bairro-vila-independencia-e-rica-vila.html. Consulta em 17 de fevereiro de 2022.
MAESTRI, Mário. Uma defesa do quilombo. In: FIABANI, Adelmir. Mato, palhoça e pilão: o quilombo, da escravidão às comunidades remanescentes (1532-2004).2ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

MAGALHÃES, Ana Flávia; SANTOS, José Eduardo Ferreira dos; SANTANA; Tiganá, et alli.; SANTANA, Bianca; CARNEIRO, Natália (Organizadoras). Insumos para ancoragem de memórias negras. São Paulo: Oralituras, Casa Sueli Carneiro, Fundação Rosa Luxemburgo, 2021.

MONTEIRO, Noedi. “Campos de Araraquara e quilombo Corumbatahy: extremos da capitania de São Paulo à expansão oeste do Brasil-Colônia (1700-1804)”. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba. Piracicaba-SP, ano 26, n. 24, 2018, pp. 103-171.

MUNANGA, Kabengele. Origem e histórico do quilombo na África. In: Revista USP, ed. 28, São Paulo-SP, dez\fev. 1995\1996, pp.56-63.

NASCIMENTO, Abdias do. O quilombismo. 2.ed. Brasília/Rio de Janeiro: Fundação Palmares/OR Editor produtor, 2002.

_______________________. Quilombismo: um conceito emergente do prcesso histórico-cultural da população afro-brasileira. In: NASCIMENTO, Elisa Larkin (Org). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. 1ed. São Paulo: Selo Negro, 2014.

NASCIMENTO, Beatriz. O conceito de quilombo e a resistência cultural negra. In: Afrodiáspora n.6-7, 1985, pp. 41-49.

NUNES, Georgina Helena Lima. Educação quilombola. In: Orientações e ações para a educação das relações étnico-raciais. Brasília: SECAD, 2006.

OLIVEIRA, Fernando Bueno; D´Abadia, Maria Idelma Vieira. Territórios quilombolas em contextos rurais e urbanos brasileiros. In: Elisée, Rev. Geo, UEG-Anapólis, V.4, N.2, jul/dez de 2015, p.257-275.

PAULA JUNIOR, Antonio Filogenio de. Educação e oralidade no oeste africano pela representação de Amadou Hampaté Bâ. Dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Metodista de Piracicaba. Piracicaba-SP: UNIMEP, 2014.

______________________________. A Caiumba: ética e estética bantu no oeste paulista. In: ARTEFILOSOFIA, V. 15, Nº28, Abril de 2020, p. 46-65.

PIRES, Cornélio. Conversas ao pé do fogo: estudinhos – costumes – contos – anedotas – cenas da escravidão. Itus-SP: Ottoni editora, 2002.

SACRITÁN, J. Gimeno. O Currículo: uma Reflexão sobre a Prática. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2000.

LUIZ, Viviane Marinho. O quilombo Ivaporunduva e o enunciado das gerações. São Carlos-SP: Pedro e João editores, 2013.
Publicado
2022-09-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 58
  • Pdf downloads: 34
Como Citar
Paula Junior, A. F. de. (2022). UM QUILOMBO URBANO: A EXPERIÊNCIA EDUCATIVA NA COMUNIDADE DA VILA ÁFRICA COMO PRÁTICA DE RESISTÊNCIA, CULTURA E ALTERIDADE. Diálogos E Diversidade, 2, e13898. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/rdd/article/view/13898
Seção
Dossiê temático: Educação indígena e quilombola