POR UMA EDUCAÇÃO DECOLONIAL: A CAPOEIRA EM JOGO- APLICAÇÃO DE UM JOGO DE MEMÓRIA PARA SURDOS

Palavras-chave: Surdo; Aprendizagem; Metodologia pedagógica.

Resumo

Os dados do Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE) divulgados em 2020 pontuam que mais de 10 milhões de pessoas tem algum problema relacionado à surdez, ou seja, 5% da população brasileira é surda. Objetiva-se com esse relato de experiência  apresentar informações acerca da aplicação de um jogo de memória para surdos. No jogo de memória, tomamos como temática a Capoeira, pretende-se também atender as discussões estabelecidas na Lei nº 10.639,  isto é, o relato procura contemplar a duas frentes caras para a sociedade contemporânea, o preconceito à pessoa com necessidade especial e raça. A base teórica principal assenta-se nos estudos postulados por Paulo Freire. Essa proposta foi desenvolvida na disciplina de Libras, em aulas curriculares do curso de Educação Física da Universidade do Estado da Bahia- UNEB/Campus X-DEDCX, situado na cidade de Teixeira de Freitas, durante o semestre letivo 2021.1. A metodológico, adotamos estratégias das metodologias ativas e da pesquisa-ação. Os resultados apontam para a importância das intervenções lúdicas, as quais contribuem para a formação de uma aprendizagem significativa, despertam nos educandos sentimentos de pertença, identificação social e cultural e proporcionam a reflexão das várias condições que os educandos vivem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ivalda Kimberlly Portela, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física - Universidade do Estado da Bahia-UNEB/Campus X

Magno Santos Batista, Universidade Federal da Bahia (UFBA)

Licenciado em Biologia pela Faculdade de Tecnologia e Ciências (2008) e em Letras pela Universidade Estadual de Santa Cruz (2010). Especialista em Língua Portuguesa - (UESB). Especialista em Leitura e Produção de Texto na Escola (UESC). Mestre em Letras: Linguagens e Representações (UESC). Doutorando em Língua e Cultura - UFBA.

Referências

Brasil, Lei Federal nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Reconhecimento da Língua Brasileira de Sinais e dá outras providencias, Brasília, 2002.

DARIDO, S. C.; RANGEL, I. C. A. Educação Física na escola. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

FERREIRA, Larissa. “Entrevista”. In: BRITO, Débora. Mulheres usam roda de capoeira como espaço de luta pela igualdade: Prática pode incentivar resgate da identidade racial. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-07/mulheres-usam-roda-de-capoeira-como-espaco-de-luta-pela-igualdade. Acesso em: 6 nov. 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 17ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Freire, paulo. alfabetização: leitura do mundo, leitura da palavra. editora paz e terra, 2011.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2020. Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio Contínuas. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-mensal.html?=&t=o-que-e. Acesso em 20 de nov.2020.

MARTINS, L.; “Performances do tempo espiralar”. In: RAVETTI, Graciela; ARBEX, Márcia. Performance, exílio, fronteiras: errâncias, territoriais e textuais. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

O POVO Brasileiro. Direção de Isa Grinspum Ferraz; Rafic Farah. Produção de Carolina Vendramini. Intérpretes: Darcy Ribeiro. Roteiro: Antônio Risério, Isa Grispum Ferraz, Marcos Pompéia. 2000. Disponível em: . Acesso em: 15 nov. 2020.

SILVA, Silane Maria, et al. Educando Com a Capoeira. Universidade Federal de Lavras. Lavras. 2008.
Publicado
2022-09-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 99
  • Pdf downloads: 40
Como Citar
Portela, I. K., & Batista, M. S. (2022). POR UMA EDUCAÇÃO DECOLONIAL: A CAPOEIRA EM JOGO- APLICAÇÃO DE UM JOGO DE MEMÓRIA PARA SURDOS. Diálogos E Diversidade, 2, e13690. Recuperado de https://revistas.uneb.br/index.php/rdd/article/view/13690
Seção
Dossiê temático: Educação indígena e quilombola