Alfabetização intercultural: os memoriais indígenas como fontes de saberes para a educação

Palavras-chave: Alfabetização intercultural, Povos indígenas, Gavião Ikolen, Cultura escrita

Resumo

A Alfabetização Intercultural constitui um recurso teórico para a compreensão do ingresso na cultura escrita em contextos indígenas considerando seus históricos de longa tradição ágrafa e as atuais demandas comunicativas que se apresentam em suportes de textos impressos e/ou eletrônicos. Nesta direção o objetivo deste texto é apresentar alguns elementos conceituais que orientam e constituem a Alfabetização Intercultural, dentre os quais, a Pesquisa Auto (biográfica) possibilidade metodológica para conhecer as experiências indígenas no âmbito das aprendizagens iniciais da escrita. A elaboração deste trabalho contemplou a pesquisa bibliográfica tendo como texto central, o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) de Daniel Gavião. Os resultados autorizam inferir que nos anos oitenta as escolas indígenas mantidas pela Fundação Nacional do Índio (FUNAI) em Rondônia apresentavam um sistema dual de educação chamado de ensino bilíngue. Neste período, os Gavião enfrentavam os efeitos da colonização que se concretizava através da invasão em seu território, entretanto, estas tensões estavam ausentes no currículo escolar. Concluímos que a retomada dos aspectos historiográficos das aprendizagens da leitura e escrita em perspectiva crítica e autobiográfica pela Alfabetização Intercultural pode representar uma importante fonte de saberes para o campo da História da Educação Escolar Indígena, Didática, Infância e Direitos Humanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josélia Gomes Neves, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Doutora em Educação Escolar. Docente e Pesquisadora da Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Campus Urupá de Ji-Paraná, Departamento de Educação Intercultural (DEINTER). Líder do Grupo de Pesquisa em Educação na Amazônia (GPEA). Professora do Programa de Pós-Graduação Mestrado e Doutorado em Educação Escolar.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Memória, narrativas e pesquisa autobiográfica. História da Educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, n. 14, p. 79-95, set. 2003. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/asphe/article/viewFile/30223/pdf. Acesso em: 10 set. 2020.

ALI, Ayaan Hirsi. Infiel: a história de uma mulher que desafiou o islã. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

BARROS, Maria Cândida Drumond Mendes. Educação Bilíngue, Linguística e Missionários. Em Aberto. Brasília, MEC/INEP, v. 14, n. 63, p.18-37, jul./set., 1994. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2281. Acesso em: 10 set. 2020.

BARROS, Manoel. Tratado Geral das Grandezas do Ínfimo. Rio de Janeiro: Editora Record, 2007.

BRASIL. Brasília. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394. Diário Oficial da União, Brasília, p. 27833- 6544 de 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. MEC. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília, MEC: 1998.

BRASIL. CNE. Parecer CNE/CEB nº 14/99. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Escolar Indígena. Brasília, 1999.

CAMARGO, Maria Rosa Rodrigues Martins de. Sobre leitura e escritos autobiográficos: apontamentos teóricos. In: CAMARGO, Maria Rosa Rodrigues Martins de (org.); SANTOS, Vivian Carla Calixto dos (colab.). Leitura e escrita como espaços autobiográficos de formação. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p. 13-29.

CUNHA, Maria Isabel da. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Rev. Fac. Educ. São Paulo, v. 23, n. 1-2, p. 185-195, jan./dec., 1997. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-25551997000100010. Acesso em: 10 set. 2020.

D’ANGELIS, Wilmar da Rocha; VEIGA, Juracilda. (orgs.). Leitura e escrita em sociedades indígenas. Campinas-SP: Mercado de Letras, 1997.

EMIRI, Loretta; MONSERRAT, Ruth (orgs.). A conquista da escrita: encontros de educação indígena. São Paulo: Iluminuras, Operação Anchieta, 1989.

FRANCHETTO, Bruna. O papel da educação escolar no processo de domesticação das línguas indígenas pela escrita. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 75, n. 179/180/181, jan./dez. 1994. Disponível em: http://rbepold.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/1174. Acesso em: 10 set. 2020.

FRANK, A. O diário de Anne Frank. Rio de Janeiro: Record, 2005.

FRISON, Lourdes Maria Bragagnolo; SIMÃO, Ana Margarida da Veiga. Abordagem (auto) biográfica – narrativas de formação e de autorregulação da aprendizagem reveladas em portfólios reflexivos. Educação, Porto Alegre, v. 34, n. 2, p. 198-206, maio/ago. 2011. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/8705. Acesso em: 10 set. 2020.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Artmed. Porto Alegre. 1999.

FERREIRO, Emília. PALÁCIOS, Margarida Gomes. Os processos de leitura e escrita. Artes Médicas, 1987.

FERREIRO, Emília. Com Todas As Letras. Ed. Cortez, 4. ed. 1993.

FERREIRO, Emília. O ingresso nas culturas da escrita. São Paulo: Cortez. Ed. 2007.

FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. 25. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

FERREIRO, Emília. Cultura Escrita e Educação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 49. ed. São Paulo: Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Esperança: um reencontro com a Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 1993.

FREIRE, Paulo. Cartas a Cristina: reflexões sobre minha vida e minha práxis. 4. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1994.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GAVIÃO, Daniel Cegue Ahv. Búvehj Axo Ikolen – A Infância Indígena Gavião. 2017. 38f. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação). Licenciatura em Educação Básica Intercultural. Universidade Federal de Rondônia, Ji-Paraná. 2017.

GUSDORF, Georges. Professores para quê: para uma pedagogia da pedagogia. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

KNAPP, Cassio. O ensino bilíngue e educação escolar indígena para os Guarani e Kaiowá de MS. 2016. 423f. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal Grande Dourados. Dourados, 2016.

LEONEL JR., Mauro. Relatório de Avaliação da Situação dos Gavião (DIGUT) – P.I. Lourdes. Ministério do Interior. SUDECO. Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas. Novembro, 1983.

LEONEL JR., Mauro. Relatório Complementar de Avaliação das invasões no Posto Indígena Lourdes – PIL dos índios Gavião e Arara (Karo). Ji-Paraná, agosto, 1984.

LOPES DA SILVA, Aracy. A questão da Educação Indígena. São Paulo: Brasiliense,

MACEDO, Ana Vera Lopes da Silva. A alegria da descoberta: uma experiência construtivista de alfabetização. In: LOPES DA SILVA, Aracy; FERREIRA, Mariana Kawall Leal. (orgs.). Práticas Pedagógicas na escola indígena. São Paulo: Global, 2001. p. 136-146.

MELIÁ, Bartomeu. Educação Indígena e Alfabetização. São Paulo: Edições Loyola, 1979.

MINDLIN, Betty. Aprendiz de origens. Revista Estudos Avançados. São Paulo, 1994. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141994000100022&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 10 set. 2020.

MOORE, Denny. Relatório sobre o Posto Indígena Lourdes. Oitava Delegacia Regional segundo as Diretrizes de levantamento de dados para elaboração de projetos. Brasília, UnB, 1978.

MOORE, Denny. Relatório de Pesquisa de Campo na Reserva dos Índios Gavião e Arara em Rondônia. Maio e Junho de 1987. Museu Goeldi. DCH. Linguística. Belém-PA: outubro, 1987.

MONSERRAT, Rute Maria Fonini. O que é o ensino bilíngüe: a metodologia da gramática contrastiva. Em Aberto, MEC-INEP: Brasília, ano 14, n. 63, julho, 1994. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2280 Acesso em: 10 set. 2020.

MONTE, Nietta Lindemberg. Alfabetização e Pós-Alfabetização: uma experiência de autoria. Em aberto, Brasília, ano 3, n. 21, (abr./jun)1984a. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/1880/1619. Acesso em: 10 set. 2020.

MONTE, Nietta Lindemberg. Entre o silêncio em língua portuguesa e a página branca da escrita indígena. Em aberto, Brasília, ano 3, n. 21, (abr./jun)1984b. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2283. Acesso em: 10 set. 2020.

MONTE, Nietta Lindemberg. Escolas da floresta: entre o passado oral e o presente letrado. Rio de Janeiro: Multiletra, 1996.

NEVES, Josélia Gomes. A Psicogênese na Aldeia: refletindo o processo de alfabetização com professores e professoras indígenas. Revista P@rtes, São Paulo, out., 2005. Disponível em: https://www.partes.com.br/2005/10/25/a-psicogenese-na-aldeia-refletindo-o-processo-de-alfabetizacao-com-professores-e-professoras-indigenas/. Acesso em: 10 set. 2020.

NEVES, Josélia Gomes. Cultura escrita em contextos indígenas. 2009. 369f. Tese (Doutorado em Educação Escolar) – Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar, Universidade Estadual Paulista, Araraquara–SP, 2009.

RIBEIRO, Darcy. Confissões. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

SILVA, Marcio Ferreira da. A conquista da escola: educação escolar e movimento de professores indígenas no Brasil. Em Aberto, Brasília, ano 14, n. 63, p. 38-53, jul./set. 1994. Disponível em: http://www.emaberto.inep.gov.br/ojs3/index.php/emaberto/article/view/2282. Acesso em: 10 set. 2020.

SURUI, Joaton. Metar Et Ah: uma proposta de educação escolar indígena diferenciada para o Povo Surui Paiter de Rondônia. 2015. 67f. Trabalho de Conclusão de Curso (Monografia). Universidade Federal de Rondônia. Ji-Paraná, 2015.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis: Vozes, 2002.

Publicado
2021-09-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 85
  • pdf downloads: 50
Como Citar
NEVES, J. G. Alfabetização intercultural: os memoriais indígenas como fontes de saberes para a educação. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 6, n. 18, p. 790-806, 7 set. 2021.