Narrativas de resiliências: implicações da pandemia na prática docente de mulheres

Palavras-chave: Gênero e Educação, Ensino Remoto, Trabalho Feminino.

Resumo

Durante a pandemia do novo Coronavírus e as demandas educacionais derivadas, professores e professoras assumiram os desafios do ensino remoto e dos tensionamentos advindos das circunstâncias emergentes. Para algumas professoras, a realização das atividades profissionais acrescidas às responsabilidades maternas e domésticas trouxe implicações relacionadas à dinâmica de gênero no âmbito da docência. Focalizando este aporte, o texto busca examinar as condições de polivalência e sobrecarga de trabalho de cinco professoras pesquisadas. A estratégia metodológica articula dados obtidos de um questionário semiestruturado para embasar uma análise qualitativa da problemática. Constatou-se que o processo de subjetivação de gênero emergiu nos tempos e espaços docentes impactando de modo expressivo o desenvolvimento das aulas remotas, mas, ao mesmo tempo, evidenciando a capacidade de resiliência das professoras em suas reinvenções cotidianas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Lima Arruda, Universidade Estadual da Paraíba

Mestrando em Formação de Professores pela Universidade Estadual da Paraíba, é Graduado em Pedagogia pela Universidade Estadual da Paraíba (2009), Mestre em Psicanálise Aplicada à Saúde e Educação pela UNIDERC/ABEPE (2015), Especialista em Psicanálise Aplicada à Educação e Saúde pela ANCHIETA (2014) e Especialista em Educação Básica pelo Centro Universitário de João Pessoa - UNIPÊ (2011). Integrante dos Grupos de Pesquisa Comunicação, Cultura e Desenvolvimento e Comunicação (DECOM/UEPB) e Tecnologias, Culturas e Linguagens (TECLIN/UEPB). Professor dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental na rede municipal de ensino de Vertente do Lério - PE e Analista Educacional na rede Estadual de Pernambuco.

Robéria Nádia Araújo Nascimento, Universidade Estadual da Paraíba.

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (2007). Professora Associada do Departamento de Comunicação Social (UEPB). Professora e Coordenadora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores (PPGFP/UEPB), com atuação na Linha de Pesquisa Ciências, Tecnologias e Formação Docente. Integrante dos Grupos de Pesquisa: TECLIN- Tecnologias, Culturas e Linguagens (PPGFP/UEPB), Comunicação, Cultura e Desenvolvimento e Comunicação, Memória e Cultura Popular (DECOM/UEPB). 

Referências

ALMEIDA, Jane Soares. Indícios do sistema coeducativo na formação de professores pelas escolas normais durante o regime republicano em São Paulo (1890/1930). Revista Educar, Curitiba, n. 35, p. 139-152, 2009. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/er/n35/n35a11>. Acesso em: 13 jun. 2020.

ALMEIDA, Jane Soares. Mulher e educação: a paixão pelo possível. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

APPLE, Michel. Ensino e trabalho feminino: uma análise comparativa da história e ideologia. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, n.64, p. 14-26, fev.1988. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1180>. Acesso em: 21 jun. 2020.

ARAGÃO, Cristina Milena; KREUTZ, Lúcio. A mulher é naturalmente educadora. Representações de professoras sobre a docência: entre discursos históricos e atuais. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia-MG, v. 25, n. 1 - Jan./Jun. 2012. Disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/neguem/article/view/7395>. Acesso em: 14 jun. 2020.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo I: fatos e mitos. 4.ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970.

BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo II: a experiência vivida. 2.ed. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1967.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Berthand Brasil, 2009.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Trabalho e gênero no Brasil nos últimos dez anos. Cadernos de Pesquisa, v.37, n.132, set/dez. 2007. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010015742007000300003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Mulher e trabalho: engenheiras, enfermeiras e professoras. Cadernos de Pesquisa, 27, p.3-18, 1978. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ ojs/index.php/cp/article/view/1726/1710>. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha. Trabalho doméstico: inatividade econômica ou trabalho não-remunerado? Revista brasileira de Estudos Populares, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 331-353, jul./dez. 2006. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-30982006000200009&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 10 jun. 2020.

BRUSCHINI, Maria Cristina Aranha; AMADO, Tina. Estudos sobre mulher e educação: algumas questões sobre o magistério. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, 64, p. 4-13, fev.1988. Disponível em: <http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index. php/cp/article/view/1179>. Acesso em: 19 jun. 2020.

CARVALHO, Marília Pinto de. Entre a casa e a escola: educadoras de 1º grau na periferia de São Paulo. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v.76, n.184, p.407-444, set/dez, 1995. Disponível em: <http://rbep.inep.gov.br/ojs3/ index.php/rbep/article/view/1177/916>. Acesso em: 19 jun. 2020.

CARVALHO, Marília Pinto de. Trabalho e relações de gênero: algumas indagações. Revista Brasileira de Educação, n.2, p.77-84, mai./ago. 1996. Disponível em: <http://anped.tempsite. ws/novo_portal/rbe/rbedigital/RBDE02/RBDE02_08_MARILIA_PINTO_DE_CARVALHO.pdf>. Acesso em: 8 jun. 2020.

CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de. Modos de educação, gênero e relações escola–família. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 121, jan./abr. 2004. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/cp/v34n121 /a03n121>. Acesso em: 13 jun. 2020.

CAVENAGHI, Suzana; ALVES, José Esutáquio. Mulheres chefes de família no Brasil: avanços e desafios. Rio de Janeiro: ENS-CPES, 2018. 120p.

COSTA, Fabiana Alves da. Mulher, trabalho e família: os impactos do trabalho na subjetividade da mulher e em suas relações familiares. Pretextos, Minhas Gerais, v.3, n.6, jul./dez. 2018. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/ pretextos/article/view/15986>. Acesso em: 19 jun. 2020.

COUTO, Maria Joana de Brito. A psicanálise escuta a educação. Estilos da Clínica, [S.l.], v.4, n.6, p.165-173, 1999. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v4i6p165-173>. Acesso em: 17 jun. 2020.

DAMETTO, J.; ESQUINSANI, R. S. S. Mãe, mulher... professora! questões de gênero e trabalho docente na agenda educacional contemporânea. Acta Scientiarum. Human and Social Sciences, v. 37, n. 2, p. 149-155, 1 jul. 2015. Disponível em: < https://doi.org/10.4025/actascihumansoc.v37i2.27127>. Acesso em: 17 jun. 2020.

DOWLING, Colette. Complexo de Cinderela. 2.ed São Paulo: Melhoramentos, 2012. FRANÇA, Ana Letícia; SCHIMANSKI, Édina. Mulher, trabalho e família: uma análise sobre a dupla jornada feminina e seus reflexos no âmbito familiar. Revista Emancipação, Ponta Grossa, v.9, n.1, p. 65-78, 2009. Disponível em: <https://revistas2.uepg.br/index.php/emancipacao/article/view/687>. Acesso em: 17 jun. 2020.

GIL, A. C.. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

LAVILLE, Christian; DIONNE, Jean. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed; Belo Horizonte: Editora UFMG, 1999.

LOURO, Guacira. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2010a.

LOURO, Guacira. Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Vozes, 2010b.

PAIS, José Machado. Vida cotidiana: enigmas e revelações. São Paulo: Cortez, 2003.

PRADNOV, Cleber; FREITAS, Ernani. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2ª ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A Cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: Almedina, 2020.

SILVA, Edna Lúcia, MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 20, p. 71-100, jul./dez. 1995. Disponível em: <https://seer.ufrgs .br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71721>. Acesso em: 23 maio 2020.

SIQUEIRA, M. J. T; FERREIRA, E. S. Saúde das professoras das Séries Iniciais: o que o gênero tem a ver com isso? Psicologia, Ciência e Profissão, v. 23, n. 3, p. 76-83, 2003. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-9893200 3000300011&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 23 maio 2020.

TAVARES, José. Resiliência e educação. São Paulo: Cortez, 2001.

TOSTES, et al. Sofrimento mental de professores do ensino público. Revista Saúde Debate, v. 42, n. 116, p.87-99, jan./mar. 2018. Disponível em: <. https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010311042018000100087&script=sci_abstract&tlng=pt>Acesso em: 5 jun. 2020.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré, 2013. p. 159-180.

VIEIRA, Adriane; AMARAL, Graziele Alves. A arte de ser beija-flor na tripla jornada de trabalho da mulher. Revista Saúde e Sociedade, v.22, n.2, p.403-414, 2013. Disponível em: <https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-129020130002000 12&script=sci_abstract&tlng=pt>Acesso em: 13 jun. 2020.

VIEIRA, Juçara Dutra. Pesquisa sobre saúde e condições de trabalho dos(as) profissionais da educação básica pública. Brasília: CNTE, 2017. Disponível em: <https://www.cnte.org.br/images/stories/2018/relatorio_pesquisa_saude_completo.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2020.

Publicado
2021-09-07
Métricas
  • Visualizações do Artigo 225
  • pdf downloads: 180
Como Citar
ARRUDA, R. L.; NASCIMENTO, R. N. A. Narrativas de resiliências: implicações da pandemia na prática docente de mulheres. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 6, n. 18, p. 720-739, 7 set. 2021.