Ser criança? Ótima pergunta!

Resumo

O presente estudo se propôs ampliar a compreensão sobre os sentidos que as crianças atribuem à infância e à sua constituição como crianças. Ante inúmeras narrativas socialmente construídas em torno da infância e da criança, acreditamos ser necessário explorar aquelas produzidas pelas próprias crianças. Para tanto, foram ouvidas as narrativas de catorze crianças, com idades entre três e doze anos. Sob o aporte teórico da pesquisa (auto)biográfica em Educação e da Sociologia da Infância, os dados foram produzidos a partir da realização de entrevistas narrativas. Considerando o período de isolamento social, devido à pandemia causada pelo COVID-19, os encontros presenciais foram substituídos por encontros virtuais, mediante a utilização de mensagens de áudio, vídeo ou texto, elaboradas pelas crianças. Os resultados indicaram três temáticas de análise: o caráter intrínseco que o brincar assume na constituição de suas subjetividades; a escola como espaço onde mais fortemente se percebem como crianças; e as relações de negociação que estabelecem com os adultos. Verificou-se que ser criança, implica para esse grupo, processos de interação com os adultos nem sempre de dão de forma dialógica, sobretudo, quando indicam as negociações que são estabelecidas sobre seus espaços e o brincar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ecleide Cunico Furlanetto, Universidade Cidade de São Paulo (UNICID)

Pedagoga, mestre e doutora em Educação (Psicologia da Educação) pela PUCSP e Pós-Doutora pela Universidade de Barcelona. Professora e vice coordenadora do Programa de pós-graduação em Educação da UNICID.

Karina Alves Biasoli, Universidade Cidade de São Paulo - UNICID

Pedagoga, mestre e doutora em Educação (Psicologia da Educação) pela PUCSP e pós doutoranda pela Universidade Cidade de São Paulo.

Referências

ANDRADE, Daniela de Barros da Silva Freire. Espaço como objeto e objetivação de representações sociais: elementos para pensar a formação de professores na educação infantil. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (EDUCERE), XI, 2013, Curitiba. Formação para mudanças no contexto da educação: políticas, representações sociais e práticas (Anais). Curitiba: PUCPR, 2013. p. 12.793-12.810.

ANDRADE, Daniela de Barros da Silva Freire. O potencial narrativo dos lugares destinados às crianças: incursões do grupo de pesquisa em psicologia da infância GPPIN. Fractal: Revista de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 16-21, abr. 2015.

ARIÈS, Philippe. História social da criança e da família. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BYINGTON, Carlos Amadeu. A construção amorosa do saber; o fundamento e a finalidade da pedagogia simbólica junguiana. São Paulo: Linear, 2011.

LARROSA, Jorge. Nietzsche e a educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

BRANDÃO, Junito. Mitologia Grega. Vol.II. Petrópolis: Vozes, 1987

BRANDÃO, Junito. Mitologia Grega. Vol. III. Petrópolis: Vozes, 1999

BRASIL. Senado Federal. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 05 out 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 30 mai. 2020.

BRASIL. Presidência da República Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto n. 99.710, de 21 de novembro de 1990. Promulga a Convenção sobre os Direitos da Criança. Diário Oficial da União. Brasília, DF: 22 nov. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d99710.htm. Acesso em: 30 mai. 2020.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 30 mai. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases para a educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: www.mec.gov.br. Acesso em: 10 jun. 2015.

BROUGÈRE, Gilles. Brinquedo e cultura. São Paulo: Cortez, 2001.

CHARLOT, Bernard. A mistificação pedagógica: realidades sociais e processos ideológicos na teoria da realidade. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

CHEVALIER, Jean; GHEEBRANT, Alain. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1998.

CIRLOT, Juan Eduardo. Dicionário de símbolos. Lisboa: Dom Quixote, 1973.

CORSARO, William A. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

DELORY-MOMBGERGER, C. Abordagens metodológicas na a pesquisa biográfica. Revista

Brasileira de Educação. v. 17, n. 51, p. 523-536, set.- dez. 2012.

DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri. Infância, pesquisa e relatos orais. In: FARIA, Ana Lucia Goulart de; DEMARTINI, Zeila de Brito Fabri; PRADO, Patricia Dias. (org.). Por uma cultura da infância: metodologia de pesquisa com crianças. Campinas: Autores Associados, 2002, p. 1-17.

FERRAROTTI, Franco. Sobre a autonomia do método autobiográfico. In: NÓVOA, António. O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN, 2014, p. 29-55.

FOUREZ, Gérard. Educar: docentes, alunos, escolas, éticas, sociedades. Aparecia SP: Ideias & Letras, 2008.

FURLANETTO E. C. HERRERA M. A. MEDEIROS, A. de S. As crianças narram e desnaturalizam experiências vividas nas escolas de infância. In (Orgs.) PASSEGGI, M. da C. LANI-BAYLE, M. FURLANETTO, ROCHA, S.M. Pesquisa auto (biográfica) em educação: infâncias e adolescências em espaços escolares e não-escolares. [recurso eletrônico Natal, RN: EDUFRN, 2018, p. 261-288

Modo de acesso: https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/25263

FREITAS, Marcos Cezar de (org.). História social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2016.

FROTA, Ana Maria Monte Coelho. Diferentes concepções da infância e adolescência: a importância da historicidade para sua construção. Estud. pesqui. psicol., Rio de Janeiro , v. 7, n. 1, p. 144 - 157, jun. 2007 .

GENEBRA. Geneva Declaration of the Rights of the Child. Adotada em 26 de setembro de 1924 pela Liga das Nações. O.J. Spec. Supp. 21, at, 1924. Disponível em: http://hrlibrary.umn.edu/instree/childrights.html. Acesso em: 30 mai. 2020.

HONNETH, Axel. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2009.

JODELET, Denise. A cidade e a memória, In: DEL RIO, Vicente; DUARTE, Cristiane Rose; RHEINGANTZ, Paulo Afonso. (Org.). Projeto do lugar: colaboração entre Psicologia, Arquitetura e Urbanismo. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria, 2002. p.31 - 43.

JOVCHELOVITCH, Sandra. Os contextos do saber: representações, comunidade e cultura. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKEL, George. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002, p. 90 - 113.

JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Petrópolis: Vozes, 2000.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O brincar e suas teorias. São Paulo: Cengage, 2011a.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. (Org). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. São Paulo: Cortez, 2011b.

KRAMER, Sonia. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 41-59, jul. 2002.

MARKOVÁ, Ivana. Mente dialógica: senso comum e ética. Cambridge: Cambridge University Press; São Paulo: Fundação Carlos Chagas; Curitiba: PUCPress, 2017.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Hrizonte: Autêntica, 2013.

MORIN, Edgar. Meus demônios. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1997.

MÜLLER, Fernanda; HASSEN, Maria de Nazareth Agra. A infância pesquisada. Psicologia USP, São Paulo, v. 20, n. 3, p. 465-480, 2009.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra. São Paulo: Hemus, 1979.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas n.º 1386 (XIV), de 20 de novembro de 1959. Declaração Universal dos Direitos da Criança. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/ECidadania/Docs_referencia/declaracao_universal_direitos_crianca.pdf. Acesso em: 30 mai. 2020.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Convenção sobre os Direitos da Criança. Adotada pela Assembleia Geral nas Nações Unidas em 20 de novembro de 1989. Disponível em: https://www.unicef.pt/media/2792/unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf. Acesso em: 30 mai. 2020.

ORGANICAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS (OEA). Convenção Americana sobre Direitos Humanos. Assinada na Conferência Especializada Interamericana sobre Direitos Humanos, San José, Costa Rica, em 22 de novembro de 1969. Disponível em: https://www.cidh.oas.org/basicos/portugues/c.convencao_americana.htm. Acesso em: 30 mai. 2020.

PASSEGGI, Maria da Conceição; et al. Narrativas de crianças sobre as escolas da infância: cenários e desafios da pesquisa (auto)biográfica. Educação, Santa Maria, v. 39, n. 1, p. 85-104, jan./abr. 2014.

PASSEGGI, Maria da Conceição; NASCIMENTO, Gilcilene; RODRIGUES, Senadaht. Narrativas de crianças sobre a escola: desafios das análises. Revista Lusófona de Educação, n. 40, p. 155-169, 2018.

PÉREZ GÓMEZ, Angel I. La cultura escolar em la sociedade neoliberal. Madrid: Morata, 2004.

PIERI, Paolo Francesco. Dicionário junguiano. São Paulo: Paulus, 2002.

QVORTRUP, Jens. Crescer na Europa: horizontes atuais dos estudos sobre infância e juventude. CEDIC (Centro de Documentação e Informação sobre a Criança). Universidade do Minho, 1999.

QVORTRUP, Jens. Visibilidade das crianças e da infância. Linhas Críticas, Brasília, DF, v. 20, n. 41, p. 23-42, jan.-abr. 2014.

QVORTRUP, Jens. A volta do papel das crianças no contrato geracional. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 47, p. 323 – 332, mai. – ago. 2011.

ROSEMBERG, Fúlvia; MARIANO, Carmem Lúcia Sussel. A Convenção Internacional sobre os Direitos da Criança: debates e tensões. Cadernos de Pesquisa, v. 40, n. 141, p. 693 - 728, set.- dez. 2010.

SANTOS, Santa Marli Pires dos. Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

SARMENTO, Manuel Jacinto. A reinvenção do ofício de criança e de aluno. Atos de Pesquisa em Educação. v. 6, n. 3, p. 581 - 602, set. - dez. 2011.

SARMENTO, Manuel Jacinto. As culturas da infância nas encruzilhadas da 2ª modernidade. In Crianças e miúdos: perspectivas sócio-pedagógicas da infância e educação. Porto: Asa, p. 9-34, 2004.

SKLIAR, Carlos. Desobedecer a linguagem: educar. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

TUAN, Y.-F. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.

VON FRANZ, Marie-Louise. A individuação nos contos de fada. São Paulo: Paulinas, 1985.

WINNICOTT, Donald W. A família e desenvolvimento individual. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

WINNICOTT, Donald W. O brincar e a realidade, Rio de janeiro: Imago,1975.

Publicado
2020-10-11
Métricas
  • Visualizações do Artigo 61
  • pdf downloads: 81
Como Citar
FURLANETTO, E. C.; BIASOLI, K. A. Ser criança? Ótima pergunta!. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 15, p. 1136-1153, 11 out. 2020.