Investigar com as crianças: das narrativas à construção de conhecimento sobre si e sobre o outro

Resumo

A imagem ocidental da criança contemporânea que subscrevemos – ativa, competente, com agência própria – desafia as concepções e as práticas das educadoras de infância. O propósito que nos move na escrita deste texto reside na análise de modos de participação das crianças em contextos educativos e na relevância das narrativas (auto)biográficas na organização do trabalho pedagógico. Neste artigo, procuraremos desconstruir como atender às narrativas (auto)biográficas que os meninos e as meninas constantemente produzem pode permitir um processo educativo bem sustentado e significativo no desenvolvimento pessoal de cada uma e no desenvolvimento profissional do educador. A base de análise aqui mobilizada foi constituída pela observação de um grupo de crianças entre três e cinco anos de idade que frequentam um jardim de infância de uma localidade da região norte de Portugal. De forma mais específica, procuraremos discutir a relevância das investigações com as crianças em três cenários: 1) partindo das narrativas das crianças como reconhecimento do direito a serem ouvidas e respeitadas em seus interesses, necessidades e modos próprios de participação; 2) como princípio básico na planificação e organização da ação educativa em uma perspectiva de trabalho com projetos; 3) como elemento essencial para (re)pensar a formação de professores partindo da ideia de que a investigação no cotidiano das práticas permite o desenvolvimento da capacidade investigativa e reflexiva de crianças e adultos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Teresa Sarmento, Universidade do Minho, Braga

Professora e investigadora no Instituto de Educação, integrada no Departamento de Ciências Sociais da Educação e no Centro de Investigação em Estudos da Criança. Iniciou a sua formação como educadora de infância tendo posteriormente realizado a licenciatura em Ensino de História e Ciências Sociais. Em 2000 doutorou-se em Estudos da Criança com uma tese sobre identidades profissionais de educadoras de infância. A sua investigação centra-se na formação de professores, identidades profissionais, crianças e seus contextos, situando-se metodologicamente no campo dos estudos qualitativos, com foco especial em narrativas biográficas, com número elevado de publicações nacionais e internacionais.

Milena Oliveira, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Professora da Universidade Federal do Semi-àrido e doutoranda da Universidade do Minho.

Referências

BARBIER, R. Escuta sensível na formação de profissionais de saúde. Conferência na Escola Superior de Ciências da Saúde - FEPECS - SES-GDF, Brasília, julho de 2002. Disponível em http://www.barbier-rd.nom.fr/ESCUTASENSIVEL.PDF (acessado em 10.03.2020).

BARBOSA, Maria Carmem Silveira; HORN, Maria da Graça Souza. Projetos pedagógicos na educação infantil. Porto Alegre: Artmed, 2008.

CORSARO, W.A. We're friends, right?: inside kids' cultures. Washington, dc: Joseph Henry Press, 2003.

COSTA, C.L. e SARMENTO, T. Escutar as crianças e (re) configurar identidades – interações com voz. Educação e Análise, Londrina, v.3, nº.2, p.72-94, 2018

DALHLBERG, Gunilla; MOSS, Peter; PENCE, Alan. Qualidade na educação da primeira infância: perspectivas pós-modernas. Porto Alegre: Artmed. 2003.

FERNANDES, Natália. Ética na pesquisa com crianças: ausências e desafios. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 21, n. 66, p. 759-779, set. 2016. Disponível em:http://www.scielo.br/scielo.php(Acesso em: 10 jan. 2020).

FOLQUE, Maria Assunção. O aprender a aprender no pré-escolar: o modelo pedagógico do Movimento da Escola Moderna. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 2018.

FORMOSINHO, João. Prefácio. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. (org.) Modelos curriculares para a educação de infância: construindo uma práxis de participação. 3.ed. Porto: Editora Porto. p. 9-24. 2013.

KRAMER, Sonia. Autoria e autorização: questões éticas na pesquisa com crianças. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n.116, p. 41-49, jul., 2002.

KRAMER, Sonia. Profissionais de educação infantil: gestão e formação. São Paulo: Ática, 2005.

LARROSA, Jorge. O enigma da infância. In Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. 4ª edição. Belo Horizonte: Ed. Autêntica. 2006. p. 183-198.

LOPES, Denise Maria de Carvalho. Falar e ser ouvido verdadeiramente. Revista letra A. v. 12, n. 47, p. 13-15, 2016.

MALAVASI, Laura; ZOCCATELLI, Barbara. Documentar os projetos nos serviços educativos. 4. ed. Lisboa: APEI – Associação de profissionais de educação de infância. 2019.

MOITA, Maria da Conceição. Percursos de formação e de trans-formação. In: NÓVOA, António. Vida de professores. 2. ed. Porto: Editora Porto. 2007. p. 111-140.

NIZA, Sérgio. Escritos sobre educação. 2. Ed. Lisboa: Tinta da china. 2015.

NIZA, Sérgio. O Modelo Curricular de Educação Pré-escolar da Escola Moderna Portuguesa. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia. (org.) Modelos curriculares para a educação de infância: construindo uma práxis de participação. 3.ed. Porto: Editora Porto, 2013. p. 141 -160.

PASSEGGI, Maria da Conceição. Nada para a criança, sem a criança: o reconhecimento de sua palavra para a pesquisa (auto)biográfica. In Narrativas (auto)biográficas de crianças. In Mignot, A. Sampaio,C. e Passeggi, MªC. (Orgs), Infância, aprendizagem e exercício da escrita. Curitiba: Editora CRV, 2014. p. 133-147.

PASSEGGI, Maria da.; NASCIMENTO, G.; OLIVEIRA, Roberta. As narrativas autobiográficas como fonte e método de pesquisa qualitativa em Educação. Revista Lusófona de Educação. Lisboa, v. 33, n. 33, p. 111-125, 2016.

PASSEGGI, Mª da Conceição. Narrativas da experiência na pesquisa formação: do sujeito epistêmico ao sujeito biográfico. Roteiro. Joaçaba, v. 41, n. 1, p. 67-86, 2016.

SARMENTO, Teresa. Narrativas (auto)biográficas de crianças alguns pontos em análise. In: PASSEGI, M. [et.al.]. Pesquisa auto (biográfica) em educação: infâncias e adolescências em espaços escolares e não-escolares. Natal, RN: EDUFRN, 2018. 792 p.

VASCONCELOS, Teresa. Trabalho por projetos na Educação de infância: mapear aprendizagens/integrar metodologias. Lisboa: Direção-Geral da Educação (DGE), 2012. 144p.

VYGOTSKY, Lev. S. A formação social da mente. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

Publicado
2020-10-11
Métricas
  • Visualizações do Artigo 395
  • pdf downloads: 401
Como Citar
SARMENTO, T.; OLIVEIRA, M. Investigar com as crianças: das narrativas à construção de conhecimento sobre si e sobre o outro . Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 15, p. 1121-1135, 11 out. 2020.