O discurso político do autorretrato em Oriana Duarte

Palavras-chave: Gênero, Arte Contemporânea, Autorretrato, Corpo, Oriana Duarte

Resumo

O trabalho propõe analisar um discurso político presente no trabalho de Oriana Duarte partindo da compreensão de seu corpo como híbrido ao transmutar-se constantemente em identidades instáveis e desterritorializadas, configurando uma identidade ciborgue que contraria as elaborações tradicionais e normativas do que é um corpo feminino na arte e na sociedade. Para tanto, toma-se como referência Butler (2000; 2003) e a ideia de gênero como categoria socialmente construída e, portanto, portadora de certas expectativas de performatividade em sociedade. Destarte, constrói-se uma diretriz que promove diálogo entre escrita de si como prática de liberdade diante das estruturas de poder e o autorretrato. A partir de entrevista com a artista e mergulho em sua poética, adotando como eixo de análise o autorretrato fotográfico A Selvagem Sabedoria, foi desenhada uma cartografia que identifica os contornos das estruturas sociais envolvidas na problemática da pesquisa e que percorre a subjetividade e corpo desejante da artista. Assim, esse corpo desobediente a regras expressa um fazer político na prática de artistas mulheres, que ocuparam tradicionalmente na História da Arte eurocêntrica hegemônica uma posição de objeto de desejo atrelado ao olhar masculino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Magalhães Salvi, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UFPE, na linha de História, Teoria e Processos de Criação em Artes Visuais. Pesquisas na área de gênero e sexualidade, artes e sociedade.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena. Memórias, narrativas e pesquisa autobiográfica. In: História da educação (ASPHE). Pelotas: Editora da UFPel.v.14, n1, p. 79-95, 2003. Disponível em: https://www.seer.ufrgs.br/asphe/article/viewFile/30223/pdf . Acessado em: 30/03/2020.

ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

BARROS, Regina Benevides; PASSOS, Eduardo. A cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PASSOS, Eduardo. KASTRUP, Virgínia. ESCÓSSIA, Liliana da. (Org). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p. 17-32.

BOTTI, Mariana Meloni. Espelho, Espelho meu?: auto-retratos fotográficos de artistas brasileiras na contemporaneidade. 2005. 153 p. Dissertação. (Mestrado em) Multimeios, UNICAMP, Campinas, 2005.

BORDO, Susan. O corpo e a reprodução da feminidade: uma apropriação feminista de Foucault. In: JAGGAR, Alison M.; BORDO, Susan R (orgs.). Gênero, corpo, conhecimento. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1997. p. 19-42.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do ‘sexo’. In: LOURO, G. L. (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2000. p. 110-127.

______. Problemas de gênero. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DIDI-HUBERMAN, Georges. O que vemos, o que nos olha. 2ª ed., 3ª reimpressão. São Paulo: Editora 34, 2018.

DUARTE, Oriana. Dos heteróclitos como categoria de ação. São Paulo: Bienal, 2002.

______. Usei meu corpo: das vísceras fiz sopa, dos membros fiz pontes. In: Associação Brasileira De Pesquisa E Pós-Graduação Em Artes Cênicas (Congresso), 5ª ed., 2008. Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, ABRACE, 2008. p. 1-4

______. Oriana Duarte. In: Cristiana Tejo (Org.). Salto no Escuro: curadoria de arte como experimento. Recife: Funcultura, 2011. p.66-81.

______. Plus Ultra: o corpo no limite da comunicação. 2012. 317p. Tese (Doutorado) Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Cat´locia de São Paulo, São Paulo, 2012.

______. Nós, errantes: as travessias plus ultra de uma Artista Atleta. Parte I. Recife: Editora Universitária UFPE, 2013.

______. O entre arte e filosofia: um pensar sobre estilo de existência e vida de artista. In: Associação Nacional De Pesquisadores Em Artes Plasticas - Ecossistemas Artisticos (Simpósio), 23ª ed, 2014, Belo Horizonte, Anais... Belo Horizonte, ANPAP, 2014. p. 3409-3417.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização e tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

______. A escrita de si. In: FAUCAUL, Michel. O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992. p. 129-160

______. História da sexualidade. 13 ed. Rio de Janeiro: Graal, 1999a.

______. As palavras e as coisas. 8 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999b.

GARCIA, Carolina; SCHUCK, Elena. O feminismo de Ana Mendieta no campo das artes visuaus. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero & Mundos De Mulheres. (Seminário), 11 & 13, 2017. Florianópolis. Anais eletrônicos... Florianópolis, UFSC, 2017. p. 1-11.

GATTI, Fábio Luiz. Auto-retrato: A expressão fotográfica e o desenho simbólico. In: Associação Nacional De Pesquisadores Em Artes Plásticas, Transversalidades Nas Artes Visuais (Simpósio), 18ªed, 2009, Salvador. Anais... Salvador, EDUFBA,2009. p. 411-425

GOLDMAN, Emma. O indivíduo, a sociedade e o estado. São Paulo: Hedra, 2007.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva patriarcal. Cadernos Pagu. Campinas, v. 5, p. 07-41, 1995. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1773 Acessado em: 20 agost. 2018.

HARAWAY, Donna; TADEU, Tomaz; KUNZRU, Hari. Antropologia Ciborgue: As Vertigens do Pós-Humano. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009

KERGOAT, Danielle. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: TEIXEIRA, M. (org.). Trabalho e Cidadania Ativa para Mulheres: desafios para as políticas públicas. São Paulo: Coordenadoria Especial da Mulher, 2003. p. 55-65.

LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

NOCHLIN, Linda. Why Have There Been No Great Women Artists? In. NICHOLIN, Linda. (Ed.). Women, Art and Power and Other Essays. New York: Westview Press, 1988. P. 25-40.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

POLLOCK, Griselda. Vision y diferencia: feminismo, feminilidad y historias del arte. Buenos Aires: Fiordo, 2013.

RAGO, Margareth. A aventura de contar-se: feminismos, escrita de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

ROLNIK, Suely. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. 2ª ed. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2016.

ZACCARA, Madalena. De sinhá prendada a artista visual: os caminhos da mulher artista em Pernambuco. Recife: Ed. do organizador. 2017.

Publicado
2020-06-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 329
  • PDF downloads: 190
Como Citar
SALVI, A. C. M. O discurso político do autorretrato em Oriana Duarte. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 5, n. 13, p. 389-402, 28 jun. 2020.