Desenho animado, gênero e sexualidades: “A hora da aventura” e as narrativas dissidentes na escola

Palavras-chave: Gênero, Desenho animado, Narrativas, Orientação sexual

Resumo

Neste artigo, refletimos sobre as possibilidades presentes no desenho animado “A Hora de Aventura”, como artefato cultural potente para pensar as representações de gênero e sexualidade, a partir de narrativas de alunos e alunas do ensino médio de uma escola localizada na Baixada Fluminense. As narrativas produzidas pelos alunos e alunas esquadrinham suas percepções e a recepção do desenho como potência para a discussão de gênero e sexualidade na escola, configurando os significados que podem indicar subversões acerca dos conhecimentos que perpassam tais temáticas. As identidades de gênero e das orientações sexuais são tomadas em perspectiva não heterossexual, ao problematizarmos as representações de corpos e práticas que fogem à norma e desestabilizam as noções do suposto universo masculino e feminino, provocando novos saberes. Suas personagens fissuram as fronteiras e ensejam reconhecimento e identificação nas vivências e práticas das/os discentes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Luiz Bernardo Storino, Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro
Professor da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro. Mestre em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas – FEBF/UERJ (Faculdade de Educação da Baixada Fluminense – Universidade do Estado do Rio de Janeiro).
Ivan Amaro, UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Doutor em Educação (UNICAMP). Professor Adjunto do Departamento de Formação de Professores da FEBF (Faculdade de Educação da Baixada Fluminense). Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias Urbanas - PPGECC/UERJ.

Referências

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myrian Avila; Eliane Lourenço de Lima Reis; Gláucia Renate Gonçalves. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução de Maria Helena Kühner. 9. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, n. 26, p. 329-376, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cpa/n26/30396.pdf>. Acesso em: 13 mai. 2016.

BRASIL. Gênero e diversidade sexual na escola: reconhecer diferenças e superar preconceitos. Cadernos SECAD 4, MEC: Brasília, 2007.

BRASIL. Lei nº 13.005 de 25 de junho de 2014. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>. Acesso em: 05 jul. 2017.

BRASIL. Projeto de Lei nº 867, de 2015. Câmara dos Deputados: Brasília, 2015. Disponível em: <http://camara.gov.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=1050668>. Acesso em: 05 jul. 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. 8. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015. (Coleção Sujeito e História).

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

GALLO, Silvio. Diferença, multiplicidade, transversalidade: para além da lógica identitária da diversidade. In: RODRIGUES, Alexsandro; DALLAICULA, Catarina; FERREIRA, Sérgio Rodrigo da S. (Orgs.). Transposições: lugares e fronteiras em sexualidade e educação. Espírito Santo: EDUFES, 2014. p. 187-202.

GIROUX, Henry A. A disneyzação da cultura infantil. In: SILVA, Tomaz Tadeu da.; MOREIRA, Antonio Flávio. (Orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p. 49-81.

______; MCLAREN, Peter L. Por uma pedagogia crítica da representação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da.; MOREIRA, Antonio Flávio. (Orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. p. 144-158.

______. Memória e pedagogia no maravilhoso mundo da Disney. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Alienígenas na sala de aula. 11. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. p. 129-154. (Coleção Estudos Culturais).

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio; Apicuri, 2016.

LÉVI-STRAUSS, Claude. As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis, RJ: Vozes: 1982.

LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilondre. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

______. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista, 16. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

MARTÍN-BARBERO, Jesús. Dos meios às mediações: comunicação, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

MISKOLCI, Richard. (Org.). Marcas da diferença no ensino escolar. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

RAMOS, Rebecca Costa. FERNANDES, Kamila Bossato. Análise do desenho animado “Hora da Aventura”: as diferentes leituras da mesma mensagem. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 39., 2016, São Paulo. Anais... São Paulo: Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2016. p. 01- 12.

RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre a “economia política” do sexo. Recife: SOS Corpo, 1993. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/1919?show=full>. Acesso em: 19 dez. 2016.

SILVA, Tomaz Tadeu da. A produção social da identidade e da diferença. In. SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 73-102.

SILVA, Bruna Tairine. A representação social da infância veiculada no desenho animado Hora da Aventura. 2016. 135 f. Dissertação (Mestrado em Educação) –Programa de Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Ciências e Tecnologia, UNESP/Campus de Presidente Prudente, Presidente Prudente, 2016. CAPES 33004129044P6, 2016.

WOODWARD, Kathrny. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. p. 7-72.

Publicado
2017-12-15
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1413
  • PDF downloads: 4675
Como Citar
STORINO, A. L. B.; AMARO, I. Desenho animado, gênero e sexualidades: “A hora da aventura” e as narrativas dissidentes na escola. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 2, n. 6, p. 596-614, 15 dez. 2017.