SUJEITOS EM CONSTRUÇÃO: A LEITURA E A ESCRITA DE SI

Autores

  • Eliana Yunes

DOI:

https://doi.org/10.31892/rbpab2525-426X.2016.v1.n3.p618-625

Palavras-chave:

Leitura ficcional, Reconstrução de identidade, Reinserção social

Resumo

O artigo trata de construção do eu em (auto)biografias de presos comuns, a partir de oficinas de leitura, realizadas com a mediação de leitores experientes, que se desdobram em (auto)escritas de si ou relatos de vida em depoimentos e entrevistas (biografias). O processo de ressubjetivação pela palavra ficcional alcança a construção de uma identidade potencial desconhecida no avesso da vida de exclusão que experimentam. No encontro com as personagens da literatura desenha-se uma compreensão crítica do mundo em que se veem inseridos e uma compreensão distinta das possiblidades alternativas de reinserção social. A experiência realizada em diversas prisões durante a etapa inicial do Proler, disseminou-se em outras iniciativas pelo país, e diverge em quase tudo da proposta oficial do Judiciário, que confunde leitura para a vida com leitura para a remissão de pena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, G. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

ARENDT, H. Entre o passado e futuro: seis estudos sobre pensamento político. Tradução de Mauro W. Barbosa de Almeida. São Paulo: Perspectiva, 1979.

BAKHTIN, M. The bakhtin reader. London: Pam Morris, 1994.

BANDEIRA, M. Estrela da vida inteira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2007.

BARCELOS, C. Abusado: dono do morro D. Marta. Rio de Janeiro: Record, 2012.

Central do Brasil, de Walter Salles, 1998.

BENJAMIN, W. O anjo da História. Tradução de João Barrento. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.DELEUZE, G. Mil platôs. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 2000.

FREUD, S. Psicopatologia da vida cotidiana. Madrid: Alianza, 1972.

GLENNY, M. O dono do morro: um homem e a batalha pelo Rio. São Paulo: Cia. das Letras, 2016.

GUATTARI, F.; ROLNIK, S. Cartografias do desejo. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

MENDES, Luiz Alberto. Memórias de um sobrevivente. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

NUSSBAUM, M. C. Cultivating Humanity: a classical defense of reform in liberal education. London: Harvard University Press, 1997.

RICOEUR, P. Percursos do reconhecimento. Tradução de Nicolas Nyimi Campanario. São Paulo: Loyola, 2007.

RICOUER, P. O si-mesmo como outro. Tradução de Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. Tradução de José Carlos Bruni. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

YUNES, E. Pensar a palavra: complexidades. Rio de Janeiro: Editora PUCRJ; São Paulo: Loyola, 2002.

YUNES, E. Oralidade, escrita e pensamento. In: AVZARADEL, J. R. Sobre a linguagem e o pensar. Rio de Janeiro: Casa do Psicólogo, 2006. p. 131-146.

Downloads

Publicado

2016-12-13

Como Citar

YUNES, E. SUJEITOS EM CONSTRUÇÃO: A LEITURA E A ESCRITA DE SI. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, [S. l.], v. 1, n. 3, p. 618–625, 2016. DOI: 10.31892/rbpab2525-426X.2016.v1.n3.p618-625. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/rbpab/article/view/3010. Acesso em: 15 jun. 2024.