A CRIANÇA E SUAS NARRATIVAS: A (AUTO)BIOGRAFIA NO ESPELHO

  • Sandra Maia-Vasconcelos
Palavras-chave: Narrativas infantis, História de vida, Autorreflexividade

Resumo

Os estudos sobre narrativas produzidas por crianças ainda são incipientes, no campo da Linguística, embora já encontrem uma efetiva difusão nas áreas da Sociologia, da Psicologia e da Pedagogia. Nossa pesquisa pretendeu contribuir com a ciência, trazendo para o campo da Linguística essa abordagem que pode apoiar a formação docente, nas áreas de línguas, em particular no ensino da língua materna, quando busca, pela valorização da criação verbal, entreter uma relação entre o universo lexical da criança e sua disposição à descoberta da narrativa, como gênero de intuito criador É importante que ressaltemos o que vêm a ser narrativas infantis: ora, nós precisaremos narrativas infantis como sendo narrativas contadas por crianças, histórias narradas por crianças; ora, histórias contadas para crianças por algum adulto presente; ora, histórias universais criadas para o público infantil em geral. Deste modo, diferenciaremos narrativas infantis como histórias universais contadas para crianças, e as histórias narradas pelas crianças, como sendo suas histórias, serão as narrativas das crianças, suas próprias vidas ou adaptações que elas fazem de suas próprias vidas, a partir de histórias populares, ficcionais ou não. Para esse intuito, traremos à tona os detalhes que as crianças elaboram em seus discursos narrados, incluindo o imperfeito lúdico, nas narrativas tradicionais, e retomadas intuitivamente pelas crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARTHES, R. O efeito de real. In: BARTHES, R. O rumor da língua. Tradução de Mario Laranjeira. Lisboa: Edições 70, 1984. p.131-136.

BERGSON, Henri. O que Aristóteles pensou sobre o lugar. Tradução de Anna Lia A. de Almeida Prado. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

BONDIOLI, A.; MANTOVANI, S. Manual de educação infantil de 0 a 3 anos. 9. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

BOURDIEU, Pierre. “A ilusão biográfica” In: AMADO, Janaína; FERREIRA, Marieta de Moraes (org.) Usos e abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 1996. p. 183-191.

BOWLBY, J. Formação e rompimento dos laços afetivos. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1982. (The making and breaking of affections bonds, 1979)

CRUZ, C.; PEREIRA, C.; FERREIRA, C.; SANTOS, H.; RIBEIRO, M. Criança autista: pais e professores – uma parceria de sucesso no desenvolvimento de competências. Millenium, n. 39, p. 89-107, 2010.

CRUZ, S. H. V. Ouvindo crianças: considerações sobre o desejo de captar a perspectiva da criança acerca da sua experiência educativa. 27reuniao.anped.org.br. Cadernos de Pesquisa Fundação Carlos Chagas, v. 39, n. 139, p. 1-18, 2009. Disponível em: <http://www.publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/289/300>. Acesso em: 12 jan. 2016.

CRUZ. S. H. V. (Org.). A criança fala: a escuta de crianças em pesquisas. 1ª. ed. 1ª reimpressão. São Paulo: Cortez, 2008.

DILTHEY, W. Introdução às ciências humanas: tentativa de uma fundamentação para o estudo da sociedade e da história. Tradução de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010a.

DILTHEY, W. A construção do mundo histórico nas ciências humanas. Tradução de Marco Casanova. São Paulo: Editora UNESP, 2010b. (Coleção Clássicos UNESP).

FRANÇOIS, F. Morale et mise en mots. Paris: L’Harmattan, 1994.

FRANÇOIS, F. Enfants et récits: mise en mots et “reste”.

Lille: Presses Universitaires du Septentrion, 2004.

FRANÇOIS, F.; HUDELOT, C.; SABEAU-JOUANNET, E. Conduites linguistiques chez le jeune enfant. Paris: PUF, 1984.

HAVELOCK. E. A. A equação oralidade – cultura escrita: uma fórmula para a mente moderna. In: OLSON, D. R.; TORRANCE, N. Cultura, escrita e oralidade. 2 ed. São Paulo: Ática, 1995. p. 141-161. (Coleção Múltiplas Escritas).

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Tradução de Maria Sá Cavalcante Schuback. 12. ed. Editora Vozes: Universidade São Francisco, 2002.

JONAS, H. Le principe de responsabilité: une éthique pour la civilisation technologique. Tradução de Jean Greisch, do título original: «Das Prinzip Verantwortung: Versuch einer Ethik fur die technologische Zivilisation (1979)». Paris: Les Éditions du Cerf, 1997.

LAINÉ, A. Faire de sa vie une histoire: théories et pratiques de l’histoires de vie en formation. Paris: Desclée de Brouwer, 1998.

LUNA, J. C. O. História e pensamento hermenêutico na Alemanha do século XX. Revista Crítica Histórica, ano I, n. 1, p. 208-225, jun. 2010.

MACEDO, H. O. O processo de refacção textual na linguagem escrita de sujeitos afásicos. 2004. 227f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP, 2004.

MAIA-VASCONCELOS, S. Educação em âmbito hospitalar: o mito da descontinuidade. In: Encontro Nacional Sobre Atendimento Escolar Hospitalar, 1., 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: UERJ, 2000. p. 35-47.

MAIA-VASCONCELOS, S. Penser l’école et la construction des savoirs: une étude menée auprès d’adolescents cancéreux. 2003. 500f. Tese (Doutorado em Sciences de l’Éducation) – Université de Nantes, Nantes, 2003.

MAIA-VASCONCELOS, S. Fazer-se autor em situação traumática na construção de um depoimento de si a partir do olhar sobre o outro. In: PASSEGGI, Maria da Conceição. (Org.). Tendências da pesquisa (auto)biográfica. São Paulo: Paulus; Natal: EDUFRN, 2008. v. 3. p. 231-247.

MAIA-VASCONCELOS, S. La clinique du discours dans la ronde des mots: parler pour se refaire la vie. Chemins de Formation, v. 12, p. 101-135, 2009.

MAIA-VASCONCELOS, S. Penser l’école et la construction des savoirs. Berlim: Editions Universitaires Européennes, 2010. v. 1. 454p.

MAIA-VASCONCELOS, S.; VASCONCELOS, Fabio Perdigão; FREITAS, M. L. T.; REBOUCAS, R. B. M. Estudo semiótico da paisagem: as histórias dos moradores da praia do Titãzinho (FORTALEZA/CE). Intersecções, Jundiaí, v. 3, p. 154-169, 2013.

MARCUSCHI, L. A. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

MATÊNCIO, M. L. M. Referenciação e retextualização de textos acadêmicos: um estudo do resumo e da resenha. In: III Congresso Internacional da Abralin. Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2003. p. 109-122.

MARTINS, A. F. A autoficção na literatura contemporânea (resumo expandido). In: Mostra De Pesquisa Da Pós-GraduaçÃo, 5., Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: PUCRS, 2010. p. 848-850.

PASSEGGI, M. C. Pierre Bourdieu: da “ilusão” à “conversão” autobiográfica. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 23, n. 41, p. 223-235, jan./jun. 2014.

PASSEGGI, L. el al. A análise textual dos discursos: para uma teoria da produção co(n)textual de sentido. In: BENTES, A. C.; LEITE, M. Q. (Orgs.). Linguística de texto e análise da conversação: panorama de pesquisas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010. p. 262- 312.

PASSEGGI, M. C. (Org.). Tendências da pesquisa (auto)biográfica. São Paulo: Paulus; Natal: EDUFRN, 2008. v. 3.

PIAGET, J. O pensamento e a linguagem na criança. Tradução de Manuel Campos.

São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PINEAU, G. (Dir.). Accompagnements et histoires de vie. Paris: L’Harmattan, 1998.

PINEAU, G.; LE GRAND, J. L. Les histoires de vie. 2. ed. 8a mille. Paris: PUF, 1996.

RABATEL, A. 2008. Homo Narrans, pour une analyse énonciative et interactionnelle du récit. Limoges: Lambert-Lucas, 2008. (Coll. Linguistique). vol. 2.

RICOEUR, Paul. Temps et récit: l’intrigue et le récit historique. Paris: Éditions du Seuil, Tome I, 1991. (Collection Points Essais).

RICOEUR, Paul. Soi-même comme un autre. Paris: Seuil, 1990.

SÁ, R. N. de. As contribuições de Dilthey para uma fundamentação hermenêutica das ciências humanas. Boletim Interfaces da Psicologia da UFRuralRJ, p. 38-43. Disponível em: <http://www.ufrrj.br/seminariopsi/2009/boletim2009-1/novaes.pdf>. Acesso em 01 nov. 2016.

SCHLEIERMACHER, F. D. E. Hermenêutica: arte e técnica da interpretação. Tradução de Celso Reni Braida. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999.

SCHOPENHAUER, A. A arte de escrever. Tradução de Pedro Süssekind. Porto Alegre: L&PM, 2009.

SIQUEIRA, K. A. Ortodoxia e heterodoxia nos relatos de mulheres vítimas de violência conjugal: amar a si mesmo como ao próximo. 2014. 167f. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Pensamento e Linguagem. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. rev. téc. José Copolla Neto. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes. 1998. (Tit. original Thought and language)

Publicado
2016-12-13
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1629
  • PDF downloads: 907
Como Citar
MAIA-VASCONCELOS, S. A CRIANÇA E SUAS NARRATIVAS: A (AUTO)BIOGRAFIA NO ESPELHO. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 3, p. 584-602, 13 dez. 2016.