AS HISTÓRIAS DE VIDA COMO TRAMAS DE FIOS NA COMPOSIÇÃO DA PROFESSORALIDADE

  • Jussara Midlej
  • Marcos Villela Pereira
Palavras-chave: Ateliês (auto)biográficos, Histórias de vida, Narrativas de formação, Experiências

Resumo

Este texto trata de uma investigação-formação realizada numa abordagem (auto)biográfica, entre 2013 e 2014, numa turma de Pedagogia, integrada ao Plano Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (PARFOR), em colaboração com a Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), no campus de Jequié. As escritas de si, concretizadas nos memoriais, e as ações realizadas nos ateliês deram-se num plano extensional de recolha de informações, em diferentes circunstâncias e contextos, com a finalidade de expandir o campo dos possíveis, com retornos aos materiais produzidos no processo profissional e formativo. As conversações, como ações de reciprocidade, foram relacionadas à triangulação formativa e às histórias de vida, em contextos de pesquisa e formação. Os agrupamentos, com repetidas análises compreensivas das informações produzidas, demonstraram alargar as perspectivas docentes e ampliar as características formativas dos atos de narrar-se e às práticas educacionais cotidianas. Nos partícipes, o acréscimo das percepções de si e o aguçamento de seus entendimentos acerca das situações e das experiências ficaram patentes; contribuíram para a concepção da formação como autoformação, demonstrando que o ser humano, ao viver experiências de si rearranja, atualiza-se, diferencia-se continuamente, produz forças vitais criadoras de estados inéditos de ser professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARANHA, M. L. A. História da educação: geral e Brasil. São Paulo: Moderna, 2006.

BAHKTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução de Maria Ermantina Galvão G. Pereira. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado da sociologia do conhecimento. 23. ed. Tradução de Floriano de Souza Fernandes. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

BRASIL. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Política Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica. CAPES, Ministério da Educação, 2009.

CHAVES, S. N. Memória e auto-biografia: nos subterrâneos da formação docente. In: SOUZA, E. C. (Org.). Autobiografias, histórias de vida e formação. Porto Alegre: EDPUCRS; Salvador: EDUNEB, 2006. p. 161-176.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Tradução de Luiz B. L. Orlandi e Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

______. Foucault. Tradução de Claudia Sant’Anna. Martins. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

DELEUZE, G; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. v. 1. Tradução de Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995.

DELORY-MOMBERGER, C. Formação e socialização: os ateliês biográficos de projeto. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 357-371, mai./ago. 2006.

______. Biografia e educação. Figuras de indivíduo-projeto. Tradução de M. C. Passeggi, João Gomes Neto e Luis Passeggi, São Paulo: Paulus; Natal: EDUFRN, 2008.

DILTHEY, W. A construção do mundo histórico nas ciências humanas. Tradução de Marco Casanova. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

DOMINICÉ, P. O processo de formação e alguns de seus componentes relacionais. In: NÓVOA, A. E FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, [1988] 2010. p. 83-95.

FERRAROTTI, F. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, [1988] 2010. p. 34-57.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Roberto Machado. 11. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

______. A ética do cuidado de si como pratica da liberdade. In: FOUCAULT, M. Ética, sexualidade e política. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004a. p. 99-116

______. Uma estética da existência. In: FOUCAULT, M. Ética, sexualidade, política. Organização e seleção de textos de Manoel Barros da Motta. Tradução de Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004b. p. 264-287

______. L’Écriture de soi, dits et écrits. 1954-1988, Volume II (1976-1988). Paris: Gallimard, 2001. p. 1234-1249.

GADAMER, H-G. Verdade e método I e II. Tradução de Flávio Paulo Meirer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

HERMANN, N. Ética: a aprendizagem da arte de viver. Educação e Sociedade, Campinas, v. 29, n. 102, p. 15-32, jan./abr. 2008.

______. Ética & educação. Outra sensibilidade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

JOSSO, C. Da formação do sujeito ao sujeito da formação. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. (Org.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2010. p. 59-79.

JOUTARD, P. Desafios à história oral no século XXI. In: FERREIRA, M. M. FERNANDES, T. M.; ALBERTI, V. (Orgs.). História oral: desafios para o século XXI. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/Casa de Osvaldo Cruz; CPDOC/FGV, 2000. p. 33-34.

MEC/CNE/CES. Ministério da Educação. Parecer 05/2005 – Diretrizes Curriculares do Curso de Pedagogia. Artigo 8º § III. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pcp05_05.pdf>. Acesso em: 08 abr. 2016.

MIDLEJ, J. A poética do cotidiano e a profissão docente. Práxis Educacional, Revista do Departamento de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, Vitória da Conquista, Edições UESB, n. 3, p. 279-298, 2007.

______. Percursos de constituição da professoralidade: tramas subjetivas. Revista de Educação PUC-Campinas, Campinas, v. 27, p. 33-42, 2009.

______. Nos Ateliês (Auto)biográficos, a arte dos movimentos de professoralização. In: ABRAHÃO, M. H. M. B.; BRAGANÇA, I. F. S.; ARAÚJO, M. S. (Orgs.). Pesquisa (auto)biográfica, fontes e questões. Curitiba: CRV, 2014. p. 31-45.

MIDLEJ, J.; PEREIRA, M. V. Nas tramas da memória, os fios da professoralização. In: ENCONTRO NACIONAL DE DIDÁTICA E PRÁTICA DE ENSINO – ENDIPE, 17., 2014, Fotaleza. Anais... Fortaleza: EDUECE, 2014. V. único. p. 510-528.

NÓVOA, A. Prefácio à segunda edição. In: ______. (Org.). Vidas de professores. 2. ed. Porto: Porto Editora, 1995. p. 7-8.

NÓVOA, A.; FINGER, M. (Orgs.). O método (auto)biográfico e a formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, [1988] 2010.

PASSEGGI, M. C. Mediação biográfica: figuras antropológicas do narrador e do formador. In: PASSEGGI, M. C. E BARBOSA, T. (Orgs.). Memórias, memoriais: pesquisa e formação. Natal: EDUFRN; São Paulo: Paulus, 2008. p. 43-59.

______. Memoriais autobiográficos: escritas de si como arte. De (re)conhecimento. In.: CORDEIRO, V. M. R; SOUZA, E. C. (Orgs.). Memoriais, literatura e práticas culturais de leitura. Salvador: EDUFBA, 2010. p. 19-42.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia. Porto Alegre: Sulina, 2010.

PEREIRA M. V. A Estética da professoralidade: um estudo interdisciplinar sobre a subjetividade do professor. 1996. 293 f. Tese (Doutorado em Supervisão e Currículo) –Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1996.

______. Nos supostos para pensar formação e autoformação: a professoralidade produzida no caminho da subjetivação. In: FRAZÃO, Célia et al. Ensinar e aprender: sujeitos, saberes e pesquisa. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2001. p. 23-41.

______. Pesquisa em educação e arte: a consolidação de um campo interminável. Revista Ibero Americana de Educação, n. 52, p. 61-80, 2010a.

______. Sobre histórias de vida e autoformação: um enfoque ético e estético. In: ABRAHÃO, M. H. M. B. (Org.). (Auto)biografia e formação humana. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010b. p. 123-136.

______. Estética da professoralidade: um estudo sobre a formação do professor. Santa Maria: Editora UFSM, 2013.

PINEAU, G. Temporalidades na formação: rumo a novos sincronizadores. Tradução de Lúcia P. de Souza. São Paulo: Triom, 2004.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. Tradução de Mônica Costa Netto. São Paulo: EXO Experimental org.; Ed. 34, 2005.

RICOEUR, P. Soi-même comme un autre. Paris: Seuil, 1990.

______. Tempo e narrativa. Tradução de Roberto Leal Ferreira. São Paulo: Papirus, 1995.

______. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François. Campinas, SP: Unicamp, 2007.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 1989.

______. Pensamento, corpo e devir: uma perspectiva ético/estético/política no trabalho acadêmico. Cadernos de subjetividade, Núcleo de Estudos e Pesquisas da Subjetividade do Programa de Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC-SP, v. 1, n. 2, p. 241-251, 1993.

SCHÜTZ, A. Fenomenologia e relações sociais. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

______. Sur les realitès multiples. In: SCHÜTZ, A. Le chercheur et le quotidien. Paris: Meridièns, 1987. p. 103-167.

SIMONDON, G. L’individu et sa gênese physico-biologique. Paris: PUF, 1989.

SOUSA, J. M. O professor como pessoa. Porto: Edições Asa, 2000.

SOUZA, E. C. O conhecimento de si: narrativas do itinerário escolar e formação de professores. 2004. 344 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

______. Diálogos cruzados sobre pesquisa (auto)biográfica: análise compreensiva-interpretativa e prática de sentido. Revista Educação, Santa Maria, RS, v. 39, n. 1, p. 39-50, jan./abr. 2014.

WELSCH, W. Estetização e estetização profunda ou: a respeito da atualidade do estético. Tradução de Álvaro Valls. Porto Arte, Porto Alegre, v. 6, n. 9, p. 7-22, mai. 1995.

______. Mudança estrutural nas ciências humanas: diagnóstico e sugestões. Educação, Porto Alegre, RS, ano XXX, n. 2 (62), p. 237-258, mai./ago. 2007.

Publicado
2016-12-13
Métricas
  • Visualizações do Artigo 980
  • PDF downloads: 654
Como Citar
MIDLEJ, J.; PEREIRA, M. V. AS HISTÓRIAS DE VIDA COMO TRAMAS DE FIOS NA COMPOSIÇÃO DA PROFESSORALIDADE. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 1, n. 3, p. 551-563, 13 dez. 2016.