As facetas de Victório Caneppa: narrativas sobre a trajetória de um diretor penitenciário (1930-1955)

Palavras-chave: Victória Caneppa, A Estrêla, Sistema penitenciário, Narrativas (auto)biográficas

Resumo

Examinar e compreender a série de discursos que trazem a trajetória de Victório Caneppa, diretor penitenciário entre as décadas de 1930 e 1950, é objetivo do presente trabalho. O gestor criou a revista A Estrêla – Órgão da Penitenciária Central do Distrito Federal e a utilizou como lugar de memória. Em seu periódico, ele buscou criar sua identidade profissional e exaltou a sua trajetória enquanto grande referência na área. Nesse sentido, a referida revista se configura como uma fonte (auto)biográfica, na medida em que nela Caneppa escreve sobre si mesmo e outros sujeitos escrevem sobre ele. Diante do exposto, suscito as seguintes questões: quem foi Victório Caneppa? Que representações acerca do diretor perpassam o impresso mencionado? O que a imprensa, autoridades e especialistas falam a respeito do diretor? Quais foram suas contribuições para o sistema prisional? Para tanto, busco trazer à tona a série de discursos que envolvem a construção da memória de si do gestor e as contradições e ambiguidades que perpassam os trajetos e a vida desse sujeito. Interpretar as facetas de Caneppa por meio da revista A Estrêla e de outras fontes pesquisadas possibilitou-me, ainda, levantar hipóteses acerca do silenciamento de sua trajetória em âmbito acadêmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daiane de Oliveira Tavares, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Pós-doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) na Linha de Pesquisa Instituições, Práticas Educativas e História. Possui graduação em Pedagogia, mestrado e doutorado em educação pela UERJ e realizou doutorado sanduíche na Universidade de Alcalá, Espanha. Dedica-se à pesquisa na área de História das prisões e Educação de Jovens e Adultos em espaços de privação de liberdade.

Referências

ABREU, Regina. A fabricação do imortal: memória, história e estratégias de consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1996.

ARTIÉRES, Philippe. Arquivar a própria vida. Revista Estudos Históricos, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil - CPDOC/FGV, v. 11, n. 21, p. 9-33, 1998. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/2061 Acesso em: 15 dez. 2021.

BOURDIEU, Pierre. Sociologia. São Paulo: Ática, 1983.

CAIMARI, Lila. Apenas un delincuente: crimen, castigo y cultura em la Argentina (1880-1955). Buenos Aires: Siglo XXI Editores Argentina, 2004.

CARDOSO, Silmara de Fátima; MORAES, Dislane Zerbinatti. Viajar é inventar o futuro: narrativas de formação e o ideário educacional brasileiro nos diários e relatório de Anísio Teixeira em viagem à Europa e aos Estados Unidos (1925-1927). Jundiaí: Paco Editorial, 2014.

CATANI, Denice Barbara; BASTOS, Maria Helena Camara (Orgs). Educação em Revista: a imprensa periódica e a história da Educação. São Paulo: Escrituras, 2002.

CHARTIER, Roger. A história cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 2002.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras: 2007.

GOMES, Angela de Castro Gomes. Introdução. In: GOMES, Angela de Castro. Olhando para dentro: 1930-1964 – História do Brasil nação – V. 4. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013. p. 23-40.

HEYMANN, Luciana Quillet. As obrigações do poder: relações pessoais e vida pública na correspondência de Filinto Muller, 1997. 182 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Sicial, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1997.

MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio. Artesãos da palavra: cartas a um prisioneiro político tecem redes de idéias e afetos. In: BASTOS, Maria Helena Câmara; CUNHA, Maria Teresa Santos; MIGNOT, Ana Chrystina Venâncio (Orgs.). Destinos das letras: história, educação e escrita epistolar. Passo Fundo: Ed. UFP, 2002. p. 115-136.

MORAES, Dênis de; VIANA, Francisco. Prestes: lutas e autocríticas. Petrópolis: Vozes, 1982.

NEVES, Luis Felipe Baêta. As máscaras da totalidade totalitária: memória e produção sociais. Rio de Janeiro: Forense- Universitária: 1998.

PINTO, Sobral. Por que defendo os comunistas. Belo Horizonte: Comunicações, 1979.

RAMOS, Graciliano. Memórias do Cárcere. Volume 3. Rio de Janeiro: José Olympio, 1953.

ROCHA, Inês de Almeida. Canções de amigo: redes de sociabilidade na correspondência de Liddy Chiaffarelli Mignone para Mário de Andrade. Rio de Janeiro: Quartet, 2012.

SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. Os porões da república: a barbárie nas prisões da Ilha Grande: 1894- 1945. Rio de Janeiro: Garamound, 2009.

SERRA, Carlos Henrique Aguiar. Cultura punitiva e sociedade escópica: algumas considerações. XXVI Simpósio Nacional de História ANPUH. Anais... São Paulo, 2011.

ALVAREZ, Marcos César, SALLA, Fernando, ALVES, Kelly Ludkiewicz. Medicina legal, criminologia e punição: aspectos da trajetória intelectual e profissional de Flamíneo Fávero (1895-1982). Revista Saúde, Ética e Justiça. Volume 17 , p. 57-65, 2012. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/sej/article/view/57252. Acesso em 18 de dez 2021

Publicado
2022-05-14
Métricas
  • Visualizações do Artigo 89
  • pdf downloads: 198
Como Citar
TAVARES, D. DE O. As facetas de Victório Caneppa: narrativas sobre a trajetória de um diretor penitenciário (1930-1955). Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 7, n. 20, p. 110-128, 14 maio 2022.