As mulheres no Ensino Técnico: reflexões sobre as relações de gênero e a formação profissional

Palavras-chave: Gênero, Mulheres, Educação Sexista, Ensino Técnico, Instituto Federal

Resumo

Este estudo problematiza as relações de gênero no campo da área técnica da Agropecuária, com o objetivo de tensionar como docentes do Curso Técnico em Agropecuária de um Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia localizado na região Sul do Brasil compreendem as relações de gênero que se estabelecem durante o processo de ensino. O processo metodológico perpassou a realização de Grupos de Discussão, proposto por Weller (2005, 2006, 2021) e o Método Documentário, proposto por Mannheim (1964). Para a produção de dados foram organizados três Grupos de Discussão, focando a problemática central em como ensinar jovens no curso técnico em agropecuária e levando em consideração a formação técnica de quem ensina no curso. Participaram do estudo 12 docentes com formação inicial na área técnica e que atuam no Curso Técnico em Agropecuária. Os resultados apontam que a educação se apresenta de forma sexista no modo como o ensino técnico é encarado no curso pesquisado nesta instituição e ainda se faz presente a visão naturalizada dos gêneros, em que as meninas/mulheres são descritas como atenciosas, organizadas e concentradas, numa relação oposta à compreensão de que os meninos/homens são fortes e determinados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edson Carpes Camargo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Licenciado em Pedagogia pela URCAMP – campus São Borja; Mestre em Educação nas Ciências pela UNIJUÍ; Doutor em Educação pela UNISINOS – São Leopoldo. Atualmente é professor do Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Sul – campus Bento Gonçalves. É líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Educação e Formação de Professores – GEFor.   Tem experiência na área de formação de professores, atuando principalmente nos seguintes temas: formação inicial e continuada; estudos sobre as infâncias e a identidade docente; docência e educação infantil.

Referências

BANDEIRA, Lourdes. A contribuição da crítica feminista à ciência. Estudos Feministas, v. 16, n. 1, p. 207-228, 2008.

BECKER, Márcia Regina. A gestão dos processos no artesanato por meio da formação de mulheres artesãs. 149 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2014.

BOHNSACK, Ralf. A interpretação de imagens e o Método Documentário. Sociologias, n. 18, p. 286-311, 2007.

BOHNSACK, Ralf; WELLER, Wivian. O método documentário na análise de grupos de discussão. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle (org.). Metodologia da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2013, p. 67-86.

BRASIL. Constituição Federal. Brasília, 1988.

CARVALHO, Marília Gomes de; TORTATO, Cíntia de Souza Batista. Gênero: considerações sobre o conceito. In: LUZ, Nanci Stancki et all (org). Construindo a igualdade na diversidade: gênero e sexualidade na escola. Curitiba: UTFPR, 2009.

CARVALHO, Nivaldo Moreira. Ensino médio integrado, representações de gênero e perspectivas profissionais: um estudo com jovens dos cursos de Agropecuária e Agroindústria em Guanambi/BA. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília, 2010.

CERQUEIRA, P.C.; PONTES, E.A.S.; MELO, B.M. de. Mulheres no mundo do trabalho: escolhendo o curso “masculino” e entrando no estágio. Pesquisa, Sociedade e Desenvolvimento , [S. l.] , v. 10, n. 13, pág. e209101321046, 2021. Disponível em: https://rsdjournal.org/index.php/rsd/article/view/21046 . Acesso em: 01 mar. 2022.

DEL PRIORI, Mary. Ao sul do corpo: condição feminina, maternidade e mentalidades no Brasil Colônia. São Paulo: Editora UNESP, 2009.

DELPHY, Christine. Teorias do Patriarcado. In: HIRATA, Helena et al (orgs.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: UNESP, 2009.

EGGERT, Edla. Supremacia da masculinidade: questões iniciais para um debate sobre violência contra mulheres e educação. Cadernos de Educação I FaE/UFPel, Pelotas, p. 223-232, jan-jun 2006.

EGGERT, Edla. Narrar processos: tramas da violência doméstica e possibilidades para a Educação. Florianópolis: Mulheres, 2009.

EGGERT, Edla; DA SILVA, Márcia Alves. Observações Sobre Pesquisa Autobiográfica na Perspectiva da Educação Popular nos Estudos de Gênero, Revista Contexto & Educação, v. 26, n. 85, p. 51-68, 2011.

FERNANDES, Marinalva Nunes. Educação e trabalho: interfaces entre ensino técnico agropecuário e desenvolvimento sociopolítico regional. Dissertação (Mestrado em Educação) – PUC-GO, Goiás, 2011.

FIGUEIREDO, Luiz Carlos de. O gênero na educação tecnológica: uma análise de relações de gênero na socialização de conhecimentos da Área de Construção Civil do Centro Federal de Educação Tecnológica de Mato Grosso. 2008. Dissertação. (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Política Científica e Tecnológica. Universidade Estadual de Campinas, 2008.

GARCIA, B. R. Z.; PESCE, M. K. de; MUNHOZ, E. M. B. As práticas extensionistas na formação inicial e a autonomia docente. INTERFACES DA EDUCAÇÃO, [S. l.], v. 12, n. 35, p. 942–959, 2021. DOI: 10.26514/inter.v12i35.6057. Disponível em: https://periodicosonline.uems.br/index.php/interfaces/article/view/6057. Acesso em: 04 mar. 2022.

GEBARA, Ivone. Rompendo o silêncio: uma fenomenologia feminista do mal. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2000.

GIFFIN, Karen Mary. Produção do conhecimento em produção do conhecimento em um mundo “problemático”: contribuições de um feminismo dialético e relacional. Revista Estudos Feministas, v.14, n. 3, p. 635-653, 2006.

GUERRA, Oldênia Fonseca; BOMFIM, Maria do Carmo Alves do. O ensino agrícola e a inserção de mulheres e homens no mundo do agronegócio. In: Ivana Maria Lopes de Melo Ibiapina; Maria Vilani Cosme de Carvalho. (Org.). A pesquisa como mediação de práticas socioeducativas. Teresina: EDUFPI, 2007, v. 1, p. 197-206.

JOSSO, Marie-Christine. A transformação de si a partir da narração de histórias de vida. Tradução de Maria do Carmo Monteiro Pagano. Educação, Porto Alegre, PUCRS, ano XXX, n. 3 (63), p. 413-438, set./dez. 2007.

JOSSO, Marie-Christine. Caminhar para si. Tradução de Albino Pozzer. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010.

JOSSO, Marie-Christine. O corpo biográfico: corpo falado e corpo que fala. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 37, n. 1, p. 19-31, jan./abr. 2012

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Estudos Feministas, v. 16, n. 2, p. 333-357, 2008.

MOTA, Karla Rodrigues; ARAÚJO, Cláudia Helena dos Santos; SANTOS, Bruno Gonçalves dos. A formação para o trabalho: o papel dos institutos federais na produção dos novos intelectuais. Holos, v. 2, p. 351-364, 2018.

PACHECO, Eliezer. Desvendando os Institutos Federais: identidade e objetivos. Educação Profissional e Tecnológica em Revista, v. 4, n. 1, p. 4-22, 2020.

PAIXÃO, Marcus Vinícius Sandoval; PAIXAO, Michelle Pulcheira. Importância da Orientação Escolar para a formação do hábito de estudo dos alunos da Escola Agrotécnica Federal de Santa Teresa, E.S., Brasil. IRUNDÚ - Revista Internacional de Investigación en Ciencias Sociales, v. 2, p. 213-244, 2009.

PISANO, Margarita. El triunfo de la masculinidad. Santiago de Chile: Surada, 2001.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violência. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

___. O poder do macho. 3. ed. São Paulo: Editora Moderna, 1990.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul./dez. 1995.

WELLER, Wivian et al. A contribuição de Karl Mannheim para a pesquisa qualitativa: aspectos teóricos e metodológicos. Sociologias, v. 7, n. 13, p. 260-300, 2005.

WELLER, Wivian. Grupos de discussão na pesquisa com adolescentes e jovens: aportes teórico-metodológicos e análise de uma experiência com o método. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 241-260, maio/ago. 2006.

WELLER, Wivian; PFAFF, Nicolle (org.). Metodologia da pesquisa qualitativa em educação: teoria e prática. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

WELLER, Wivian; SILVA, Cilene Vilarins Cardoso da. Ensino médio público no passado e no presente: visões de docentes de distintas gerações do Distrito Federal. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos [online]. 2021, v. 102, n. 260, pp. 63-81. Disponível em: https://doi.org/10.24109/2176-6681.rbep.102.i260.4451 Acesso em: 04 mar. 2022.

Publicado
2022-05-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 41
  • PDF downloads: 29
Como Citar
Carpes Camargo, E. (2022). As mulheres no Ensino Técnico: reflexões sobre as relações de gênero e a formação profissional. Plurais Revista Multidisciplinar, 7, 1-14. https://doi.org/10.29378/plurais.2447-9373.2022.v7.n.13939
Seção
Dossiê Temático: Mulheres na Educação Profissional e Tecnológica