Ensino de Libras como L2 para ouvintes no formato remoto

um relato de experiência durante a pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30620/gz.v9n1.p153

Palavras-chave:

Libras, Ensino remoto, Segunda língua, Alunos ouvintes, Pandemia

Resumo

O presente trabalho apresenta um breve relato de experiência segundo os trabalhos desenvolvidos no ensino de Libras como segunda língua para alunos ouvintes pela empresa Moreno Libras, de São Luís/MA. O texto se insere na realidade da pandemia do coronavírus, que tornou a educação a distância e o ensino remoto formas de prosseguir com a educação. O estudo está dividido em cinco seções: na primeira seção, abordar-se-á brevemente os objetivos e a contextualização da pesquisa; o referencial teórico permitirá o resgate da temática, explorando o ensino de Libras como L2, as bases da EAD e como essas duas categorias se entrelaçam; a metodologia, elenca os passos seguidos pelos autores, unindo-se aos resultados e discussões, que apresentam a experiência propriamente. Por fim, far-se-ão as considerações finais, de modo a sintetizar o que foi abordado no artigo.

[Recebido: 31 jul. 2021 – Aceito: 23 ago. 2021]

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus da Silva Lopes, Universidade Federal do Maranhão - UFMA

Professor, tradutor e intérprete de Libras. Mestrando em Letras pela Universidade Federal do Maranhão. Membro do Conselho Diretor da Moreno Libras.

João Emanuel Moreno Bezerra, Centro Universitário Leonardo da Vinci - UNIASSELVI

Instrutor, tradutor e intérprete de Libras e Língua Portuguesa. Presidente e fundador da Moreno Libras, Tradução e Acessibilidade.

Referências

AUSUBEL, D. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982.

ARAÚJO, H. de L. M.; BRAGA, A. C. C. O professor de Libras para ouvintes. Revista Expressão Católica, Quixadá, v. 9, n. 2; Jul-dez, 2021. ISSN: 2357-8483. Disponível em: http://dx.doi.org/10.25190/rec.v9i2. Acesso em: jul. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as bases e diretrizes da educação nacional. Brasília, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.html. Acesso em: jul. 2021.

BRASIL. Decreto n. 2.494, de 10 de fevereiro de 1998. Regulamenta o artigo 80 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e dá outras providências. Brasília, 1998. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2494.htm. Acesso em: jul. 2021.

BRASIL. Portaria Ministerial n. 301, de 7 de abril de 1998. Brasília, 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/nova/acs_portaria301.pdf. Acesso em: jul. 2021.

BRASIL. Lei n. 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 25 abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: jul. 2021.

BRASIL. Decreto n. 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o artigo 80 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5622.htm#art37. Acesso em: jul. 2021.

BRASIL. Decreto n. 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Lex: coletânea de legislação: edição federal, Brasília, 2005.

BRASIL. Decreto n. 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o artigo 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9057.htm#art24. Acesso em: jul. 2021.

CAPOVILLA, F. C. Filosofias educacionais em relação ao surdo: do oralismo à comunicação total ao bilinguismo. Revista Brasileira de Educação Especial, São Paulo, v. 6, p. 99-116.

CARVALHO, A. V. G.; CUNHA, M. R.; QUIALA, R. F.; O ensino remoto a partir da pandemia, solução para o momento, ou veio para ficar? Revista Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. Ano 06, Ed. 05, Vol. 10, p. 77-96. Maio 2021. Disponível em: https://www.nucleodoconhecimento.com.br/educacao/partir-da-pandemia. Acesso em: ago. 2021.

CLAUDIO, D. P.; VELLO, M.; CORAIOLA, S. M. A educação à distância e a mídia jornalística como agente impulsionador na aceitação e transição para novos modelos de ensino. In: R. Transmutare, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 34-53, jan./jun. 2017. Disponível em: https://periodicos.utfpr.edu.br/rtr/article/view/5143/4526. Acesso em: jul. 2021.

FIGUEIREDO, F. J. Q. de. Vygotsky: a interação no ensino/aprendizagem de línguas. São Paulo: Parábola Editorial, 2019.

GESSER, A. O ouvinte a surdez: sobre ensinar e aprender a Libras. São Paulo: Parábola Editorial, 2012.

GESSER, A. Libras? Que língua é essa?: crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. – São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

KLAUSEN, L. dos S. Aprendizagem significativa: um desafio. XII Congresso Nacional de Educação. Curitiba, 2017. Disponível em: https://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2017/25702_12706.pdf. Acesso em: jul. 2021.

NEVES, S. L. G. Um estudo dos recursos didáticos nas aulas de Língua Brasileira de Sinais para ouvintes. Anais do III Congresso Nacional de Pesquisas em Tradução e Interpretação de Libras e Língua Portuguesa. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2012. Disponível em: http://congressotils.com.br/anais/anais/tils2012_formacao_neves.pdf. Acesso em: jul. 2021.

SANTOS, L. F. dos.; CAMPOS, M. de L. I. L.; LACERDA, C. B. F. de.; GOES, A. M. Desafios tecnológicos para o ensino de Libras na educação a distância. In: Comunicações, ano 22, n. 3, p. 203-219. Piracicaba, 2015.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.

SLOMSKI, V. G. Educação Bilíngue para surdos: concepções e implicações práticas. Curitiba: Juruá, 2010.

Publicado

2021-10-30

Como Citar

LOPES, M. da S.; BEZERRA, J. E. M. Ensino de Libras como L2 para ouvintes no formato remoto: um relato de experiência durante a pandemia. Grau Zero – Revista de Crítica Cultural, Alagoinhas-BA: Fábrica de Letras - UNEB, v. 9, n. 1, p. 153–181, 2021. DOI: 10.30620/gz.v9n1.p153. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/grauzero/article/view/12415. Acesso em: 26 maio. 2024.