EPISTEMOLOGIAS DA GAMIFICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: TEORIAS DE APRENDIZAGEM EM EVIDÊNCIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p236-250

Palavras-chave:

Gamificação, Teorias de aprendizagem, Epistemologia

Resumo

O artigo está vinculado à pesquisa Gamificação na Perspectiva dos Multiletramentos, desenvolvida nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Tem como objetivo analisar as epistemologias presentes na literatura sobre gamificação. A pesquisa foi realizada com base em revisão sistemática de literatura, conforme os princípios propostos por Yin (2016). O presente trabalho baseou-se no tema de estudo, problema da pesquisa, resumo, palavras-chave, introdução, principais resultados e considerações para análise de dados das dissertações, e como critério de seleção a gamificação na educação. Nesse contexto, as questões epistemológicas são relevantes, na medida em que são elas que estabelecem os critérios que são levados em consideração nas estratégias de gamificação na educação para justificar o caminho proposto para o desenvolvimento da aprendizagem do estudante. Todavia, nem sempre estão alicerçadas em fundamentos que vão além do sendo comum, ou ainda são baseadas em uma perspectiva que contempla a gamificação como ferramenta, instrumento para utilização. Esta pesquisa foi realizada com o apoio financeiro da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABDI, A. Process of gamification: gamifying a tourism concept. 2016. Disponível em: https://www.theseus.fi/bitstream/handle/10024/106171/Abdi_Amir.pdf?sequence=2. Acesso em: 20 out. 2018.

ACHTERBOSCH, L. et al. Massively multiplayer online role-playing games: the past, present, and future. 2008. Disponível em: https://www.cs.vu.nl/~eliens/stud/local/cie/a9-achterbosch.pdf. Acesso em: 20 out. 2018.

ALVES, F. P. O planejamento de atividades gamificadas a partir de uma abordagem participativa do design instrucional em ambientes virtuais e aprendizagem. 2015. 102f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá, 2015.

BOGOST, I. Gamification is bullshit. 2011. Disponível em: https://www.theatlantic.com/technology/archive/2011/08/gamification-isbullshit/243338/. Acesso em: 20 out. 2018.

BUSARELLO, R. I. Gamification: princípios e estratégias. São Paulo: Pimenta Cultural, 2016.

CAVALCANTE, M. D. L. Gamificação na educação: uma proposta de framework para práticas pedagógicas gamificadas baseada na teoria da autodeterminação. 2017. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), Santarém, PA, 2017.

EMILIO, T. C. Metodologias ativas no ensino fundamental anos finais e ensino médio: teóricos e estratégias. 2018. 70f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Itajaí, SC, 2018.

EUFRÁSIO JUNIOR, N. L. Do design instrucional ao design thinking – desafios e possibilidades para a inovação na educação corporativa na modalidade online: o caso Senacrs. 2015. 123f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, RS, 2015.

FARDO, M. L. A gamificação como estratégia pedagógica: estudo de elementos dos games aplicados em processos de ensino e aprendizagem. 2013. 104f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Caxias do Sul (UCS), Caxias do Sul, RS, 2013.

FERREIRA, B. S. O uso da gamificação como estratégia didática na capacitação de professores para o uso de softwares educativos. 2015. 94f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2015.

FIGUEIREDO, M. V. C. Gamificação e formação docente: análise de uma vivência crítico-reflexiva dos professores. 2016. 140f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Ceará (UFC), Fortaleza, 2016.

FILATRO, A; CAVALCANTI, C. Metodologias inov-ativas na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva, 2018.

HAMARI, J.; KOIVISTO, J. Measuring flow in gamification: dispositional flow scale-2. computers in human behavior. 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/264637700_Measuring_flow_in_gamification_Dispositional_Flow_Scale-2. Acesso em: 20 out. 2018.

JENKINS, H. A cultura da convergência. Tradução Suzana Alexandria. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

KAPP, K. Bandura’s social learning theory. Intelligent fusing learning, technology e business. 2011. Disponível em: http://karlkapp.com/banduras-social-learning-theory/. Acesso em: 15 set. 2018.

KAPP, K. The gamification of learning and instruction: game-based methods and strategies for training and education. San Francisco: Pfeiffer, 2012.

KAPP, K. M.; BLAIR, L.; MESCH, R. The gamification of learning and instruction fieldbook – ideas into practice. EUA: Wiley, 2014.

KELLER, J. M. Development and use of the ARCS model of instructional design. Department of Educational Research/Florida State University, 2017. Disponível em: https://yuripavlov.ru/wp-content/uploads/2017/07/KellerMotivatsiya1987.pdf. Acesso em: 20 out. 2018.

KLEIMAN, A. B. Letramento e suas implicações para o ensino de língua materna. Signo, Santa Cruz do Sul, RS, v. 32, n. 53, p. 1-25, dez. 2007.

KLEIMAN, A. B. (org.). Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1995. (Coleção Letramento, Educação e Sociedade).

LAKOMY, A. M. Teorias cognitivas de aprendizagem. Curitiba: Intersaberes, 2014.

MARTINS, C. Gamificação nas práticas pedagógicas: um desafio para a formação de professores em tempos de cibercultura. 2015. 112 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, PUCRS. Porto Alegre, 2015.

MIZUKAMI, M. G. N. Ensino: as abordagens do processo. São Paulo: EPU, 1986.

NASCIMENTO, C. M. O jogo como interface de aprendizagem da ciência no ensino médio. 2016. 99f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Tiradentes (UNIT), Aracaju, 2016.

PAVIANI, Jayme. Epistemologia prática: ensino e conhecimento cientifico. Caxias do Sul, RS: Educs, 2009.

PIMENTEL, F. S. C. Conceituando gamificação na educação. 2018. Disponível em: http://fernandoscpimentel.blogspot.com/2018/. Acesso em: 20 out. 2018.

PORTAL, C. Estratégias para minimizar a evasão e potencializar a permanência em EAD a partir de sistema que utiliza mineração de dados educacionais e learning analytics. 2016. 163f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo, RS, 2016.

REZENDE, B. A. C. Gamificação como prática docente: possibilidades e dificuldades. 2018. 125f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVAS), Pouso Alegre, MG, 2018.

RIBEIRO, F. O. A escrita na “Idade Mídia”: aprendizagem e aprimoramento por meio da gamificação. 2018. 123f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Alfenas (UNIFAL), Alfenas, MG, 2018.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia de pesquisa. 5. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SCHLEMMER, E. Gamificação em espaços de convivência híbridos e multimodais: design e cognição em discussão. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 23, n. 42, p. 73-89, jul./dez. 2014.

SHI, L.; CRISTEA, A. I. Motivational gamification strategies rooted in selfdetermination theory for social adaptive e-learning. 2016. Disponível em: https://www.dcs.warwick.ac.uk/~acristea/HTML/ITS16/SL-ITS2016aic.pdf. Acesso em: 20 out. 2018.

SILVA, R. S. Ambientes virtuais e multiplataformas online na EAD. São Paulo: Novatec, 2015.

SOUZA, F. M. G. Gamificação na educação: aproximações, estratégias e potencialidades. 2018. 97f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, 2018.

TESSER, G. J. Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Educar, Curitiba, n. 10, p. 91-98, 1995.

VALENTE, J. A. et al. Metodologias ativas: das concepções às práticas em distintos níveis de ensino. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 17, n. 52, p. 455-478, 2017. Disponível em: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416x.17.052.ds07. Acesso em: 15 out. 2018.

VICENTE, E. M. Apropriações e táticas de estudantes em processo de ensino com gamificação. 2017. 80f. Dissertação (Mestrado em Educação Tecnológica) – Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG), Belo Horizonte, 2017.

VIEIRA, F. K. O ensino de línguas estrangeiras em aplicativos para telefones celulares: a aprendizagem como um game. 2018. 101f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Canoas, RS, 2018.

YIN, R. Métodos de pesquisa: pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

ZICHERMANN, G.; CUNNINGHAM, C. Gamification by design: implementing game mechanics in web and mobile apps. Sebastopol: O’Reilly Media, 2011.

Publicado

2020-04-03

Como Citar

OLIVEIRA, J. K. C. de; PIMENTEL, F. S. C. EPISTEMOLOGIAS DA GAMIFICAÇÃO NA EDUCAÇÃO: TEORIAS DE APRENDIZAGEM EM EVIDÊNCIA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 57, p. 236–250, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p236-250. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8286. Acesso em: 15 jun. 2024.