AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA E SEUS EFEITOS NA GESTÃO ESCOLAR: A CONCEPÇÃO DOS DIRETORES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p251-268

Palavras-chave:

Avaliação em larga escala, Gestor escolar, Política de mérito, Qualidade do ensino

Resumo

No contexto das políticas de avaliação em larga escala, este artigo apresenta os resultados de um estudo que investigou as concepções de gestores escolares acerca do uso dos resultados dessa avaliação na rede pública paulista de ensino. Os dados foram coletados por meio de um questionário estruturado e tratados pelo método da Análise Fatorial. As concepções dos gestores mostram a importância das avaliações em larga escala no desenvolvimento de práticas de gestão que estão atreladas às dimensões pedagógica e de monitoramento do currículo, sendo o pagamento do bônus um incentivo à melhoria dos resultados educacionais. Conclui-se que essas concepções apontam para o alinhamento entre o preconizado pelas políticas educativas paulistas e um modelo de avaliação que se tornou um instrumento de auditoria orientado para a obtenção de dados com vistas à definição de políticas e orientação da gestão escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AFONSO, A. J. Políticas educativas e avaliação educacional: para uma análise sociológica da reforma educativa em Portugal (1985-1995). Minho: Centro de Estudos em Educação e Psicologia/Universidade do Minho, 1998.

AFONSO, A. J. Estado, globalização e políticas educacionais: elementos para uma agenda de investigação. Revista Brasileira de Educação (RBE), nº 22, p. 35-46, jan./abr. 2003.

ALAVARSE, O. M.; BRAVO, M. H.; MACHADO, C. Avaliações externas e qualidade na educação básica: articulações e tendências. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 54, p. 12-31, jan./abr. 2013.

ALMEIDA, J. G.; NHOQUE, J. R. Avaliação em larga escala na escola: repercussões e desdobramentos no trabalho escolar. Revista de Estudos Aplicados em Educação (REAE), v. 2, n. 4, p. 84-95, jul./dez. 2017.

BARRETO, E. S. S.; PINTO, R. P. Avaliação na Educação Básica: 1990-1998. Cadernos de Pesquisa, v. 114, p. 49-88, nov. 2001.

BAUER, A. Usos dos resultados do Saresp: o papel da avaliação nas políticas de formação docente. 2006. 366f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2006.

BAUER, A. Et al. Avaliação em larga escala em municípios brasileiros: o que dizem os números? Estudos em Avaliação Educacional, v. 26, p. 326-352, 2015.

BONAMINO, A.; SOUSA, S. Z. Três gerações de avaliação da educação básica no Brasil: interfaces com o currículo da/na escola. Educação e Pesquisa, v. 38, p. 373-388, 2012.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. A reforma do aparelho do Estado e as mudanças constitucionais: síntese & respostas a dúvidas mais comuns. Brasília, DF, 1997.

CALDERÓN, A. I.; OLIVEIRA JÚNIOR, R. G. Sistema de avaliação e rendimento escolar do estado de São Paulo: uma abordagem na linha do tempo. In: CONGRESSO IBERO AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 3., 2012, Zaragoza. Anais eletrônicos [...]. Zaragoza: Fórum Europeu de administração Educacional da Espanha (FEAE-ESP)/Associação Nacional de Política e Administração da Educação (ANPAE), 2012. Disponível em: http://www.anpae.org.br/iberoamericano2012/. Acesso em: 21 out. 2018.

CALDERÓN, A. I.; OLIVEIRA JÚNIOR, R. G. Sistema de avaliação de rendimento escolar do Estado de São Paulo: mapeamento e tendências temáticas da produção científica brasileira (1996-2011). Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 22, n. 85, p. 939-976, out./dez. 2014.

CASTRO, M. H. G. Sistema de avaliação da educação no Brasil: avanços e novos desafios. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 23, n. 1, p. 5-18, jan./jun. 2009.

CRUZ, K. S. L.; CARNEIRO, I. M. S. P.; ARRAIS NETO, E. A. Meritocracia escolar e educação profissional: um estudo sobre o Pronatec. Revista Labor, v. 1, n. 11, p. 73-89, 2014.

DALE, R. Os diferentes papeis, propósitos e resultados dos modelos nacionais e regionais de educação. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 30, n. 108, p. 867-890, out. 2009.

DOURADO, L. F.; OLIVEIRA, J. F; SANTOS, C. A. A qualidade da educação: conceitos e definições. Brasília, DF: Inep, 2007. p. 5-34. (Série Documental Textos para Discussão, n. 24).

FILIPE, F. A.; BERTAGNA, R. H. A concepção de qualidade educacional impulsionada pelas avaliações externas no estado de São Paulo. Revista Educação em Questão, Natal, v. 55, n. 46, p. 188-219, out./dez. 2017.

FREITAS, D. M. A avaliação da educação básica no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

GARCIA, P. S.; MIRANDA, N. A. A gestão escolar e a formação docente: um estudo em escolas de um município paulista. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação (RIAEE), Araraquara, SP, v. 12, n. 4, p. 2210-2230, out./dez. 2017.

GIMENES, N. Et al. Além da Prova Brasil: investimento em sistemas próprios de avaliação externa. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 24, n. 55, p. 12-32, abr./ago. 2013.

HAIR JR, J. F. Et al. Multivariate data Analysis. 5th Edition. New Jersey: Prentice Hall, 2005.

KERLINGER, F.N. Metodologia da pesquisa em ciências sociais: um tratamento conceitual. São Paulo: EPU, 1980.

KLEIN, R.; FONTANIVE, N. Avaliação em Larga Escala: uma proposta inovadora. Em Aberto, Brasília, DF, v. 15, n. 66, p. 29-34, jun. 1995. Disponível em: http://rbep.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/viewFile/995/899. Acesso em: 9 ago. 2017.

LIMA, L. C. A avaliação institucional como instrumento de racionalização e o retorno à escola como organização formal. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 41, n. especial, p. 1339-1352, dez. 2015.

MACHADO, C. Avaliação externa e gestão escolar: reflexões sobre usos dos resultados. Revista @mbienteeducação, v. 5, n. 1, p. 70-82, jan./jun. 2012. Disponível em: http://arquivos.cruzeirodosuleducacional.edu.br/principal/old/revista_educacao/pdf/volume_5_1/educacao_01_70-82.pdf. Acesso em: 09 ago. 2016.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Tradução de Laura Bocco. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MARTINS, A. M. A descentralização como eixo das reformas do ensino: uma discussão da literatura. Educação e Sociedade, ano XXII, n. 77, p. 28-48, dez. 2001.

MELLO E SILVA, L. P. P.; TORRES, J. C. Políticas de avaliação externa e seus desdobramentos para a gestão escolar. Revista Eletrônica Científica Inovação e Tecnologia, v. 1, n. 13, p. 58-67, jan./jun. 2016.

MIRANDA, N. A. Concepções de professores acerca do sistema de avaliação de rendimento escolar do Estado de São Paulo. Impulso, Piracicaba, SP, v. 23, n. 58, p. 17-29, out./dez. 2013.

NOVAES, L. C. Os impactos da avaliação externa sobre o trabalho de professores na rede estadual paulista. Roteiro, Joaçaba, SC, v. 39, n. 2, p. 283-310, jul./dez. 2014.

OLIVEIRA, D. A. Nova gestão pública e governos democrático-populares: contradições entre a busca da eficiência e a ampliação do direito à educação. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 36, n. 132, p. 625-646, jul./set. 2015.

OLIVEIRA, D. A.; DUARTE, A. W. B.; CLEMENTINO, A. M. A nova gestão pública no contexto escolar e os dilemas dos(as) diretores(as). Revista Brasileira de Política e Administração da Educação (RBPAE), v. 33, n. 3, p. 707-726, set./dez. 2017.

OLIVEIRA, R. P. Reformas educativas no Brasil na década de 90. In: OLIVEIRA, R. P.; CATANI, A. M. (ed.). Reformas educacionais em Portugal e no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2000. p. 77-94.

PALLANT, J. SPSS Survival Manual. Open University Press, 2007.

PEREIRA, J. C. R. Análise de dados qualitativos: estratégias metodológicas para as ciências da saúde, humanas e sociais. 3. ed. São Paulo: EDUSP, 2004.

PERONI, V. M. V. Avaliação institucional em tempos de redefinição do papel do Estado. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação (RBPAE), v. 25, n. 2, p. 285-300, maio/ago. 2009.

PESTANA, M. H.; GAGEIRO, J. N. Análise de dados para ciências sociais: a complementaridade do SPSS. 2. ed. Lisboa: Edições Silabo, 2000.

PIMENTA, C. O. Avaliações externas e o trabalho de coordenadores pedagógicos: um estudo em uma rede municipal paulista. 2012. 141f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2012.

PREARO, L. C. Et al. Avaliação do emprego da técnica de análise fatorial em teses e dissertações de algumas instituições de ensino superior. Revista de Gestão (REGE), São Paulo, v. 18, n. 4, p. 621-638, out./dez. 2011. Disponível em: http://www.regeusp.com.br/arquivos/979.pdf. Acesso em: 28 set. 2017.

RAMOS, G. P. Racionalidade e gerencialismo na política educacional paulista de 1995 a 2014: muito além das conjunturas. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 24, n. 92, p. 546-578, jul./set. 2016.

ROCHA, G. Avaliação externa. Disponível em: http://ceale.fae.ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/avaliacao-externa. Acesso em: 08 ago. 2015.

SANTANA, A. C. M.; ROTHEN, J. C. As avaliações externas no âmbito do modelo neoliberal: o caso do Saresp. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 3, n. 2, p. 383-401, ago./dez. 2014.

SÃO PAULO. Lei Complementar nº 891, de 28 de dezembro de 2000. Institui Bônus Mérito às classes de docentes do Quadro do Magistério, e dá outras providências. São Paulo, 2000. Disponível em: https://www.al.sp.gov.br/norma/5219. Acesso em: 03 mar. 2020.

SÃO PAULO. Lei Complementar Estadual nº 1.078, de 17 de dezembro de 2008. Institui Bonificação por Resultados – BR, no âmbito da Secretaria da Educação, e dá providências correlatas. São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/repositorio/legislacao/lei.complementar/2008/lei. complementar-1078-17.12.2008.html. Acesso em: 05 ago. 2017.

SÃO PAULO. Lei Complementar Estadual nº 1.097, de 27 de outubro de 2009. Institui o sistema de promoção para os integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação e dá outras providências. São Paulo, 2009. Disponível em: http://www.al.sp.gov.br/norma/?id=158283. Acesso em: 15 out. 2017.

SÃO PAULO. Programa de Qualidade da Escola (PQE): nota técnica sobre o Idesp - 2010. São Paulo: SEE/Idesp, 2010. Disponível em: http://Idesp.edunet.sp.gov.br/Arquivos/Nota_tecnica_2010.pdf. Acesso em: 06 ago. 2016.

SÃO PAULO. Programa de Qualidade da Escola (PQE): nota técnica sobre o Idesp - 2011. São Paulo: SEE/Idesp, 2011. Disponível em: http://Idesp.edunet.sp.gov.br/Arquivos/Nota_tecnica_2011.pdf. Acesso em: 06 ago. 2017.

SÃO PAULO. Programa de Qualidade da Escola (PQE): nota técnica sobre o Idesp - 2012. São Paulo: SEE/Idesp, 2012. Disponível em: http://idesp.edunet.sp.gov.br/Arquivos/Nota_tecnica_2012.pdf. Acesso em: 03 mar. 2020.

SÃO PAULO. Idesp. Boletim da escola 2013. Disponível em: http://idesp.edunet.sp.gov.br/boletim_escola2013.asp?ano=2013. São Paulo, 2013. Acesso em: 03 abr. 2018.

SÃO PAULO. Programa de Qualidade da Escola (PQE): nota técnica sobre o Idesp - 2014. São Paulo: SEE/Idesp, 2014. Disponível em: http://Idesp.edunet.sp.gov.br/Arquivos/NotaTecnica2014.pdf. Acesso em: 01 ago. 2017.

SÃO PAULO. Idesp. Boletim da escola 2017. São Paulo, 2017. Disponível em: http://idesp.edunet.sp.gov.br/boletim_escola2017.asp?ano=2017. Acesso em: 03 abr. 2018.

SEGATTO, C. I. Como ideias se transformam em reformas: um estudo comparativo das mudanças educacionais orientadas pelo desempenho nos estados brasileiros. 2011. 134f. Dissertação (Mestrado em Administração Pública e Governo) – Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas (FGV), São Paulo, 2011.

SOARES, K. S.; BACZINSKI, A. V. M. A meritocracia na educação escolar brasileira. Temas & Matizes, Cascavel, PR, v. 12, n. 22, p. 36-50, jan./jun. 2018.

SOLIGO, V. Possibilidades e desafios das avaliações em larga escala da educação básica na gestão escolar. Revista On Line de Política e Gestão Educacional, n. 9, segundo semestre 2010. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/9275/6152. Acesso em: 08 ago. 2015.

SOUSA, S. M. Z. Possíveis impactos das políticas de avaliação no currículo escolar. Cadernos de Pesquisa, n. 119, p. 175-190, 2003.

SOUSA, S. Z.; MAIA, M. M. V.; HAAS, C. M. Avaliação, índices e bonificação: controvérsias suscitadas por dados da rede estadual paulista. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 58, p. 188-209, maio/ago. 2014.

SOUSA, S. Z. Et al. Uso de dados de avaliações externas por redes municipais de educação paulistas. Revista Diálogo Educacional, Curitiba, v. 15, n. 44, p. 37-60, jan./abr. 2015.

SPECTOR, P. E. Summated rating scale construction: an introduction. Newbury Park: Sage University, 1992.

VALENTE, L. F.; GARCIA, L. T. S.; LOBO, G. M. O. Plano de ações articuladas: avaliação da aprendizagem e sua interface com a avaliação externa. Revista Educação em Questão, Natal, v. 56, n. 47, p. 121-150, jan./mar. 2018.

VALLE, I. R.; RUSCHEL, E. Política educacional brasileira e catarinense (1934-1996): uma inspiração meritocrática. Revista Electrónica de Investigación y Docencia (REID), n. 3, p. 73-92, Enero 2010. Disponível: http://revistaselectronicas.ujaen.es/index.php/reid/article/view/1162/984. Acesso em: 08 out. 2017.

VIANNA, H. M. Avaliações nacionais em larga escala: análises e propostas. Estudos em Avaliação Educacional, n. 27, p. 41-76, jan./jun. 2003.

VIANNA, H. M. Fundamentos de um Programa de Avaliação Educacional. Brasília, DF: Liber Livro, 2005.

VIEIRA, C. M. Et al. Reflexões sobre a meritocracia brasileira. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, RS, v. 21, n. especial, p. 316-334, jan./jun. 2013. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/article/view/3525/2905. Acesso em: 08 out. 2017.

WERLE, F. O. (org.). Avaliação em larga escala. Brasília: Liber Livro, 2010.

WIEBUSCH, E. M. Avaliação em larga escala: uma possibilidade para a melhoria da aprendizagem. In: SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO DA REGIÃO SUL, 9., 2012, Caxias do Sul, RS. Anais eletrônicos [...]. Caxias, RS: ANPED, 2012. Disponível em: http://www.ucs.br/etc/conferencias/index.php/anpedsul/9anpedsul/paper/viewFile/1599/140. Acesso em: 08 out. 2017.

ZANARDINI, I. M. S. A reforma do Estado e da educação no contexto da ideologia da pós-modernidade. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 227-244, jan./jun. 2007.

Publicado

2020-04-03

Como Citar

MIRANDA, N. A.; GARCIA, P. S.; VERASZTO, E. V. AVALIAÇÃO EM LARGA ESCALA E SEUS EFEITOS NA GESTÃO ESCOLAR: A CONCEPÇÃO DOS DIRETORES. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 57, p. 251–268, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n57.p251-268. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/8283. Acesso em: 4 jun. 2023.