(RE) VISITANDO CATEGORIAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS A PARTIR DA PESQUISA CRÍTICA DE COLABORAÇÃO

Autores

  • Ilka Schapper Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Núbia Santos Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p83-93

Palavras-chave:

Sentido, Significado, Zona de desenvolvimento proximal, Pesquisa Crítica de Colaboração

Resumo

Este artigo apresenta uma reflexão sobre a potencialidade da Pesquisa Crítica de Colaboração (PCCol) a partir da ressignificação de duas categorias teóricometodológicas – sentido e significado e zona de desenvolvimento proximal – circunscritas aos trabalhos realizados pelo grupo de pesquisa Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância (LEFoPI/CNPq/UFJF). As pesquisas desenvolvidas no interior do grupo estão fundamentadas nos princípios da perspectiva histórico-cultural, especialmente no pensamento de Lev Vygotsky, no campo da psicologia, e de Mikhail Bakhtin, no campo da filosofia da linguagem. As categorias de sentido e significado e zona de desenvolvimento proximal estão circunscritas no campo teórico e metodológico da Pesquisa Crítica de Colaboração. Teórico porque apresenta e sustenta uma visão de sujeito inscrito em determinada sociedade, história e cultura. Metodológico porque as categorias auxiliam na análise da “produção-geração” dos dados ao se filiar a uma determinada maneira de pensar a subjetividade a partir da cena discursiva. As categorias constituem-se como categorias de interpretação. A opção pelos referenciais está pautada na busca de compreender o movimento dialógico na produção do conhecimento como elemento para uma práxis revolucionária, que possibilita uma autotransformação do sujeito e uma transformação do seu espaço de ação no/com o mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ilka Schapper, Universidade Federal de Juiz de Fora

Doutora em Linguística pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora do Programa de Pós- -Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (Faced/UFJF). Líder do Grupo de Pesquisa: Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância (LEFoPI/CNPq).

Núbia Santos, Universidade Federal de Juiz de Fora

∗Doutora em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Juiz de Fora (Faced/UFJF). Integrante do Grupo de Pesquisa: Linguagem, Educação, Formação de Professores e Infância (LEFoPI/CNPq)

Referências

AGUIAR, Wanda Maria Junqueira. Reflexões a partir da Psicologia Sócio-Histórica sobre a categoria “consciência”. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 110, p. 125-142, jul. 2000.

______. A pesquisa junto a professores: fundamentos teóricos e metodológicos. In: ______ (Org.). Sentidos e significados do professor na perspectiva sócio-histórica: relatos de pesquisa. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006. p . 11-22.

AMORIM, Marília. O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas Ciências Humanas. São Paulo: Musa Editora, 2004.

ANDRADE, Carlos Drumonnd de. Antologia poética. Rio de Janeiro; Record, 2008.

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1988.

______. Estética da criação verbal. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BARRETO, Raquel Goulart. Formação de professores, tecnologias e linguagens: mapeando novos e velhos (des)encontros. São Paulo: Loyola, 2002.

BARROS, Manoel de. O livro das ignorãças. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1994.

BRAIT, Beth (Org.). Bakhtin: conceitos-chave. 4 ed. São Paulo: Contexto, 2008.

BERNSTEIN, Basil. Prefácio. In: DANIELS, Harry. (Org.). Vygotsky em foco: pressupostos e desdobramentos. Campinas: Papirus, 1998. p. 9-22.

CLOT, Yves. Vygotsky: para além da Psicologia Cognitiva. Proposições, Campinas, SP, v. 17, n. 2, p. 19-29, maio/ago. 2006.

ENGESTRÖM, Yrjö. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to development research. Helsinki: Orienta-Konsultit, 1999.

______. Non Scolae vitae discimus: como superar a encapsulação da aprendizagem escolar. In: DANIELS, Harry (Org.). Uma introdução a Vygotsky. São Paulo: Loyola, 2002.

FREITAS, Maria Teresa da Assunção. A pesquisa em educação: questões e desafios. Revista Vertentes, São João Del-Rey, MG, v. 1, n. 29, p. 28-37, jun. 2007.

FUGA, V. P. O movimento do significado de grupos de apoio na cadeia criativa de atividades no Programa Ação Cidadã. 2009. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - SP, 2009.

GONZALEZ REY, Fernando. Epistemología cualitativa ysubjetividad. La Habana, Cuba: Editorial Pueblo y Educación, 1997.

______. La categoría sentido y su significación en la construcción del pensamiento psicológico. Contrapontos, Itajai, SC, v. 1, n. 2, p. 13-28, 2000.

______. Sujeito e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

HOLZMAN, L. Schools for growth: radical alternatives to current education models. Lawrence Erlbaum, 1997.

JOBIM E SOUZA, Solange. Infância e linguagem: Bakhtin, Vygotsky e Benjamin. São Paulo: Papirus, 2003.

KUHN, Thomas. The structure of scientific revolutions. Chicago: The University of Chicago Press, 1992.

LABICA, Georges. As teses sobre Feuerbach de Karl Marx. Tradução: Arnaldo Marques. Rio de Janeiro: Zahar, 1990.

LIBERALLI, Fernando Coelho. Formação crítica de educadores: questões fundamentais. Taubaté, SP: Cabral, 2008.

LISPECTOR, Clarice. A descoberta do mundo. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

MAGALHÃES, Maria Cecília. O professor de línguas como pesquisador de sua ação: a pesquisa colaborativa. In: GIMENEZ, Telma. Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: UEL, 2002. p. 39-57.

______. A linguagem na formação de professores como profissionais reflexivos e críticos. In: ______ (Org.). A formação do professor como um profissional crítico. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004. p. 59-85.

______. Seminário de Pesquisa. Exposição Oral. PUC-SP, 2006.

______. A pesquisa colaborativa em Linguística Aplicada. In: FIDALGO, Sueli Salles.; SHIMOURA. Alzira da Silva (Org.). Pesquisa crítica de colaboração: um percurso na formação docente. São Paulo: Ductor, 2007. p. 148-157.

______ O método para Vygotsky: a zona proximal de desenvolvimento como zona de colaboração e criticidade criativas. In: SCHETTINI, Rosemary Hohlenwerger. et al.(Org.). Vygotsky: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, 2009. p. 53-58.

MATEUS, Elaine. Práxis colaborativa e as possibilidades de ser-com-o-outro. In: SCHETTINI, Rosemary Hohlenwerger. et al. Vygotsky: uma revisita no início do século XXI. São Paulo: Andross, 2009. p. 17-52.

MEIRELES, Cecília. Romanceiro da inconfidência. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1989.

SANTOS, Núbia Aparecida Schaper. Sentidos e significados sobre o choro das crianças nas creches públicas do município de Juiz de Fora/MG. 2012. 226 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012a.

______. Você não tem motivo pra chorar – conversas sobre o choro das crianças nas creches. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPEd, 35., 2012, Porto de Galinhas, PE. Anais eletrônicos... Porto de Galinhas, PE: ANPED, 2012b. Disponível em: <http://35reuniao.anped.org.br/images/stories/trabalhos/GT07%20Trabalhos/GT07-2474_int.pdf>. Acesso em: 20 jun. 2013.

SANTOS, Núbia Aparecida Schapper. et al. Entre o choro e o silêncio: a produção de saberes na creche. In: SILVA, Léa Stahlschmidt Pinto; LOPES, Jader Janer Moreira (Org.). Diálogos de pesquisas sobre crianças e infâncias. Niterói, RJ: Editora da UFF, 2010. p. 97-112.

SCHAPPER, Ilka. O fluxo do significado do brincar na cadeia criativa: argumentação e formação de pesquisadores e educadores. 2010. 237 f. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e estudos da Linguagem) Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010.

SCHAPPER, Ilka. et al. Sentidos e significados compartilhados sobre o brincar no grupo de pesquisa LEFoPI: um encontro entre educadoras de creche e pesquisadoras. In: SILVA, Léa Pinto; LOPES, Janer Moreira. Diálogos de pesquisas sobre crianças e infâncias. Niterói, RJ: Editora da UFF, 2010. p. 113-128.

SCHAPPER, Ilka; SANTOS, Núbia; ZANETTI, Alexsandra. O lugar da brincadeira e o desenvolvimento da imaginação no GP LEFoPI. In: MICARELLO, Hilda; SCHAPPER, Ilka; LOPES, Jader. Itinerários investigativos: infâncias e linguagens. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2012. p. 53-72.

VYGOTSKI, Lev Semyonovitch. Teoria e método em Psicologia. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Publicado

2019-10-16

Como Citar

SCHAPPER, I.; SANTOS, N. (RE) VISITANDO CATEGORIAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS A PARTIR DA PESQUISA CRÍTICA DE COLABORAÇÃO. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 22, n. 40, p. 83–93, 2019. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p83-93. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/7440. Acesso em: 21 jul. 2024.