Entre significar e decifrar a escrita: a alfabetização de Ivo

Autores

  • Ana Maria Esteves Bortolanza Universidade de Uberaba
  • Renata Teixeira Junqueira Freire Universidade de Uberaba

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2019.v28.n54.p139-154

Palavras-chave:

Alfabetização, Cultura escrita, Significado e sentido, Anos iniciais do ensino fundamental

Resumo

Este artigo analisa gestos da escrita de uma criança de seis anos que frequenta o primeiro ano do Ensino Fundamental, período inicial de sua alfabetização, em 2015. Os dados coletados em uma entrevista informal fazem parte de um projeto de pesquisa institucional em andamento denominado A formação da atitude autora e leitora no processo de apropriação da escrita na educação infantil, que se estendeu aos primeiros anos do ensino fundamental, tendo como objetivo compreender como as crianças se apropriam da escrita em contextos educativos formais e informais. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter etnográfico, realizada por meio de observações, entrevistas e experimentos pedagógicos. Neste artigo analisamos os resultados de uma entrevista com Ivo, uma criança de seis anos cujos registros escritos analisados evidenciam o paradoxo entre significar a escrita na vida e decifrar o código alfabético na escola. Conclui-se que, embora a escola alfabetize priorizando o ensino do código alfabético, portanto o aspecto externo da escrita, a criança busca apropriar-se de sua significação social, atribuindo-lhe sentidos que são construídos no entorno da família e de outros contextos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Maria Esteves Bortolanza, Universidade de Uberaba

Doutora em Educação pela Universidade Estadual paulista (UNESP). Docente da Universidade de Uberaba (Uniube). Docente/Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Uberaba (Uniube). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisas Infância e Contextos Educativos (GEPICE/Uniube). 

Renata Teixeira Junqueira Freire, Universidade de Uberaba

Doutora pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Docente/Pesquisadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Uberaba (Uniube). Pesquisadora do Grupo de Estudos e Pesquisas Infância e Contextos Educativos (GEPICE/Uniube). E

Referências

ARENA, D. B.; ARENA, A. P. B.; SANTOS, S. O. Escolhas das letras nas primeiras escritas infantis: função e unidade no discurso. Ensino Em Re-Vista, Uberlândia, v. 18, n. 1, p. 67-80, jan./jun. 2011.

BAJARD, E. A descoberta da língua escrita. São Paulo: Cortez, 2012.

BAKHTIN, M. M. Marxismo e filosofia da linguagem. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 1992.

CHARTIER, A. M.; CLESSE, C.; HÉBRARD, J. Ler e escrever: entrando no mundo da escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

FERREIRO, E.; TEBEROSKY, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artmed, 1999.

FOUCAMBERT, J. A leitura em questão. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

GRAUE, M. E.; WALSH, D. J. Investigação etnográficas com crianças: teorias, métodos e éticas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2003.

LEONTIEV, A. N. Actividad, conciencia, personalidad. Ciudad de la Habana: Editorial Pueblo Y Educación, 1983.

______. O desenvolvimento do psiquismo. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2004.

LURIA, A. R. O papel da linguagem na formação de conexões temporais e a regulação do comportamento em crianças normais e oligofrênicas. In: LURIA, A. R. Et al. Psicologia e Pedagogia: bases psicológicas da aprendizagem e do desenvolvimento. São Paulo: Centauro, 2005. p. 107-125.

______. O desenvolvimento da escrita na criança. In: VYGOTSKY, L. S.; LURIA, A. R.; LEONTIEV, A. N. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 5. ed. São Paulo: Ícone, 1988. p. 143-189.

MACEDO, R. S. Etnopesquisa crítica, etnopesquisa-formação. Brasília, DF: Líber Livro, 2006.

MEIRA, Luciano. Análise microgenética e videografia: ferramentas de pesquisa em psicologia cognitiva. Temas Psicológicos, Ribeirão Preto, SP, v. 2, n. 3, p. 59-71, dez. 1994. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1994000300007&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 12 fev. 2016.

MELLO, S. A. Infância e humanização: algumas considerações na perspectiva histórico-cultural. Perspectiva, Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 83-104, jan./jun. 2007.

MELLO, S. A.; FARIAS, M. A. A escola como lugar da cultura mais elaborada. Educação, Santa Maria, RS, v. 35, n. 1, p. 53-68, jan./abr. 2010.

MINAYO, M. C. de S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. de S.; DESLANDES, O. C. N.; GOMES, R. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. p. 9-29.

MOURA, M. O. de. Pesquisa colaborativa: um foco na ação formadora. In: BARBOSA, Raquel Lazzari Leite (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: UNESP, 2004. p. 257-284.

MUKHINA, V. Psicologia da idade pré-escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

NASCIMENTO, C. P. A organização do ensino e a formação do pensamento estético-artístico na teoria histórico-cultural. 2010. 250 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2010.

PIAGET, J. A. Formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

POSSENTI, S. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1996.

SCHNEUWLY, B.; DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. 3. ed. Campinas, SP: Mercado de Letras. 2004.

SILVA; A. A. C. da. ALVES, N. N. de L. A relação entre o desenvolvimento infantil e o processo de aquisição da linguagem escrita na educação infantil. ENCONTRO REGIONAL NORTE/NORDESTE/CENTRO-OESTE SOBRE FORMAÇÃO DOCENTE PARA EDUCAÇÃO BÁSICA E SUPERIOR, 6., 2015, Brasília, DF. Anais... Brasília, DF: UnB, 2015. In: Disponível em: <http://scholar.google.com/scholar_url?url=http://www.enforsupunb2015.com.br/congresso/files/artigo/1426329953.docx&hl=pt->. Acesso em: 12 dez. 2015.

SMOLKA, A. L. B. A criança na fase inicial da escrita: a alfabetização como processo discurso. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

SOARES, M. Aprendizagem da língua materna: problemas e perspectivas. Em Aberto, Brasília, DF, v. 2, n. 12, p. 3-15, jan. 1983.

SOUZA, F. L. E. Práticas de letramento na educação infantil: o caso de uma escola da rede pública do Distrito Federal. 2015. 250 f. Dissertação (Mestrado em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde) – Programa de Pós-Graduação em Processos de Desenvolvimento Humano e Saúde da Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2015.

VIANNA, H. M. Pesquisa em educação: a observação. Brasília, DF: Liber Livro, 2007.

VIÑAO FRAGO, A. Leer y escribir: historia de dos prácticas culturales. México D. F.: Fundación Educación, Voces y Vuelos, 1999.

VYGOTSKY, L. S. Obras Escogidas II. 2. ed. Madri: Visor, 2001.

______. Obras Escogidas III. 2 ed. Madri: Visor, 2000.

______. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

______. Quarta aula: a questão do meio na Pedologia. Psicologia USP, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 681-701, 2010.

Publicado

2019-04-30

Como Citar

BORTOLANZA, A. M. E.; FREIRE, R. T. J. Entre significar e decifrar a escrita: a alfabetização de Ivo. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 28, n. 54, p. 139–154, 2019. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2019.v28.n54.p139-154. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/6186. Acesso em: 15 abr. 2024.