A EQUILIBRAÇÃO MAJORANTE EM CRIANÇAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: um estudo de caso

Autores

  • Adriano Canabarro Teixeira Universidade de Passo Fundo
  • Caroline da Silva Furini Universidade de Passo Fundo
  • Flávia Eloisa Caimi Universidade de Passo Fundo

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n53.p251-270

Palavras-chave:

Equilibração majorante, Programação de computadores, Berçário de hackers, ScratchJr

Resumo

A programação de computadores é uma competência técnica com potencial para o desenvolvimento cognitivo humano. Nesse sentido, é fundamental que seja explorada sua aplicabilidade no contexto da educação infantil, tema raro na produção científica na área de Educação. Assim, o estudo objetivou identificar a relação entre o conceito de equilibração majorante de Piaget com as atividades de programação de computadores realizadas por crianças da educação infantil participantes do Projeto Berçário de Hackers. Os procedimentos metodológicos utilizados constituíram-se de pesquisa qualitativa, com abordagem de pesquisa-ação, envolvendo observação participante nas oficinas e videogravações. O trabalho de campo foi desenvolvido com 19 crianças de cinco e seis anos, sendo selecionados dois estudantes para uma análise mais detida. Os resultados apontam para a presença de indícios de equilibração majorante, manifestada
em regulações ativas e automáticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano Canabarro Teixeira, Universidade de Passo Fundo

Doutor em Informática na Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pós-doutor em Educação
pela UFRGS. Atua como pesquisador colaborador no Departamento de Ciência da Formação da Universidade de Roma Três. Pesquisador e líder do Grupo de Pesquisa em Cultura Digital na Educação e responsável pelo programa de extensão Mutirão pela Inclusão Digital, ambos da Universidade de Passo Fundo (UPF)

Caroline da Silva Furini, Universidade de Passo Fundo

Mestre em Educação pela Universidade de Passo Fundo. Integrante do Grupo de Pesquisa em Cultura Digital da Universidade de Passo Fundo (UPF).

Flávia Eloisa Caimi, Universidade de Passo Fundo

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professora titular da Universidade de
Passo Fundo (UPF). Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação (Gespe/UPF)) e membro do Grupo Oficinas de
História, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Referências

BECKER, F. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BONILLA, M. H. S. Escola aprendente: para além da sociedade da informação. Rio de Janeiro: Quartet, 2005.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: Constituição de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: MEC, 2010. Disponível em: <https://goo.gl/pEjiHV>. Acesso em: 22 fev. 2017.

______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base nacional comum curricular. 3. ed. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: <https://goo.gl/P5e5PG>. Acesso em: 21 set. 2017.

BRUNER, J. A cultura da educação. Porto Alegre: Artmed, 2001.

GOMES, E. M. Desenvolvimento de atividades pedagógicas para a educação infantil com a lousa digital interativa: uma inovação didática. 2010. 169 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas, SP, 2010. Disponível em: <https://goo.gl/w7Lijw>. Acesso em: 15 jul. 2016.

LIMA, E. S. Neurociência e aprendizagem. São Paulo: Inter Alia Comunicação e Cultura, 2007.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2015.

MACHADO, M. R. Percepção de profissionais da educação infantil: a interação de crianças com um artefato tecnológico. 2011. 117 f. Dissertação (Mestrado em Tecnologia) – Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Curitiba, 2011. Disponível em: <https://goo.gl/UgXz9f>. Acesso em: 15 jul. 2016.

MONTANGERO, J.; MAURICE-NAVILLE, D. Piaget ou a inteligência em evolução. Trad. Fernando Becker e Tânia Beatriz Iwaszko Marques. Porto Alegre: Artmed, 1998.

PAPERT, S. A máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas: problema central do desenvolvimento. Trad. Marion Merlone dos Santos Penna. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.

QUEIROZ, N. A “nova matemática”. Correio Braziliense, Brasília, p. 14, 12 mar. 2012. Disponível em: <https://goo.gl/Z8LMGT>. Acesso em: 10 jun. 2016.

RAMOS, H. A. Pensamento computacional na educação básica: uma proposta de aplicação pedagógica para alunos do quinto ano do ensino fundamental do distrito federal. 2014. 119 f. Monografia (Graduação em Computação) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2014. Disponível em: <https://goo.gl/WzgJAX>. Acesso em: 15 jul. 2016.

ROCHA, A. N. D. C. Processo de prescrição e confecção de recursos de tecnologia assistiva para educação infantil. 2010. 201 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista (Unesp), Marília, SP, 2010. Disponível em: <https://goo.gl/s6wNqt>. Acesso em: 15 jul. 2016.

SANTOS, J. A. Computador: a máquina do conhecimento na escola. 2007. 162 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2007. Disponível em: <https://goo.gl/k7c6Kv>. Acesso em: 15 jul. 2016.

SCRATCHJr. Guia de interface. Disponível em: <https://www.scratchjr.org/learn.html>. Acesso em: 15 jul. 2016.

SILVA, C. A. Crianças e computadores: um estudo exploratório sobre a informática na educação infantil no Distrito Federal. 2010. 112 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2010. Disponível em: <https://goo.gl/LYMKuu>. Acesso em: 15 jul. 2016.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 1988.

VEEN, W.; VRAKKING, B. Homo zappiens: educando na era digital. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Publicado

2018-12-29

Como Citar

TEIXEIRA, A. C.; FURINI, C. da S.; CAIMI, F. E. A EQUILIBRAÇÃO MAJORANTE EM CRIANÇAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL: um estudo de caso. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 53, p. 251–270, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n53.p251-270. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/5686. Acesso em: 5 jun. 2023.