QUEM SÃO OS ESTUDANTES DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO?

Autores

  • Paulo César Geglio Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n53.p120-140

Palavras-chave:

Avaliação da educação superior, Acesso ao ensino, Estudante, Curso de formação de professores

Resumo

Este trabalho apresenta uma análise e discussão a respeito do perfil social e econômico de estudantes concluintes dos cursos de licenciaturas das instituições de ensino superior brasileiras. Os dados foram coletados dos relatórios do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), referentes aos anos de 2005, 2008, 2011 e 2014. Trata-se de uma análise comparativa das informações de cada edição do exame no que diz respeito às características socioeconômicas dos estudantes (idade, sexo, cor, renda familiar mensal, sustentação financeira, estado civil e atividade laboral). As informações foram capturadas nos relatórios-síntese, disponíveis no site do Inep.Concluímos que houve expressivo aumento na quantidade de estudantes desses cursos, um público majoritariamente feminino, trabalhador, com idade avançada em relação à faixa de 18 a 24 anos e com baixa renda familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo César Geglio, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor Associado no Departamento
de Fundamentação da Educação da Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Membro do grupo de pesquisa sobre formação
docente do Centro de Educação da UFPB

Referências

APPLE, M. Ensino e trabalho feminino: uma análise comparativa da história e ideologia. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 64, p. 14-23, fev. 1988.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961, e dá outras providências. Brasília, DF, 1995. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9131.htm>. Acesso em: 03 dez. 2018.

______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm>. Acesso em: 03 dez. 2018.

¬¬______. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior – SINAES e dá outras providências. Brasília, DF, 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm>. Acesso em: 03 dez. 2018.

BRITO, M. R. F. de. Enade 2005: perfil, desempenho e razão da opção dos estudantes pelas Licenciaturas. Avaliação, Campinas, SP, v. 12, n. 3, p. 401-443, set. 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772007000300003&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 18 jul. 2017.

BRITTO, A. M.; WALTENBERG, F. D. É atrativo tornar-se professor do Ensino Médio no Brasil? Evidências com base em decomposições paramétricas e não paramétricas. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 44, n. 1, p. 5-44, jan./mar. 2014. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/ee/article/view/42400>. Acesso em: 28 jul. 2017.

FORACCHI, M. M. O estudante e a transformação da sociedade brasileira. 2 ed. São Paulo: Cia Editora Nacional, 1977.

GATTI, B. A. (Org.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília, DF: Unesco, 2009.

______. Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010.

GRIBOSKI, C. M. O Enade como indutor da qualidade da educação superior. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 23, n. 53, p. 178-195, set./dez. 2012. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1763/1763.pdf>. Acesso em: 28 jul. 2017.

GUIMARÃES, N. A. Laboriosas mas redundantes: gênero e mobilidade no trabalho no Brasil dos 90. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 1, p. 82-102, 2001. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2018.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça. Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 61-73. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2018.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Síntese de indicadores sociais. Uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro, 2015. (Estudos e Pesquisas. Informação Demográfica Socioeconômica, n. 35). Disponível em: <https://ndonline.com.br/files/images/2015/12/04-12-2015-02-58-43-pesquisa-ibge.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2017.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA (IPEA). Evolução do acesso de jovens à educação superior no Brasil. (1950 texto para discussão). Brasília, DF, 2014. Disponível em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/3021/1/TD_1950.pdf>. Acesso em: 20 ago. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS (INEP). Censo da Educação Superior 2000. Brasília, DF, 2000. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/download/censo/2000/Superior/sinopse_superior-2000.pdf>. Acesso em: 15 maio 2017.

______. Censo da Educação Superior 2003. Brasília, DF, 2003. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2017.

______. Enade 2005. Relatório Síntese de Área. Brasília, DF: Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, 2005. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/relatorios>. Acesso em: 18 set. 2016.

______. Enade 2008. Relatório Síntese de Área. Brasília, DF: Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, 2008. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/relatorios>. Acesso em: 18 set. 2016.

______. Enade 2011. Relatório Síntese de Área. Brasília, DF: Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, 2011. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/relatorios>. Acesso em: 18 set. 2016.

______. Enade 2014. Relatório Síntese de Área. Brasília: Ministério da Educação/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, 2014a. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/web/guest/relatorios>. Acesso em: 18 set. 2016.

______. Censo da Educação Superior 2014. Brasília, DF, 2014b. Disponível em: <http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2015/notas_sobre_o_censo_da_educacao_superior_2014.pdf>. Acesso em: 15 maio 2017.

KERGOAT, D. Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, H. Et al. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Unesp, 2009. p. 67-75.

______. Dinâmica e consubstancialidade das relações sociais. Revista Novos Estudos – CEBRAP, São Paulo, n. 86, p. 93-103, 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/nec/n86/n86a05.pdf>. Acesso em: 30 jun. 2018.

LÁZARO, A. Editorial. In: RISTOFF, D. Democratização do campus. Impacto dos programas de inclusão sobre o perfil da graduação. Rio de Janeiro: Flacso Brasil/GEA, 2016. (Cadernos do GEA, n. 9).

LOMBARDI, Maria R. Engenheiras brasileiras: inserção e limites de gênero no campo profissional. Cadernos de Pesquisa, v. 36, n. 127, p. 173-202, jan./abr. 2006.

LOUZANO, P. Et al. Quem quer ser professor? Atratividade, seleção e formação docente no Brasil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 21, n. 47, p. 543-568, set./dez. 2010. Disponível em: <http://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1608/1608.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2017.

MADALOZZO, R.; ARTES, R. Escolhas profissionais e impactos no diferencial salarial entre homens e mulheres. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 163, p. 202-221, jan./mar. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v47n163/1980-5314-cp-47-163-00202.pdf>. Acesso em: 12 ago. 2017.

MURGATROYD, Linda C. Gender and occupational stratification. The Sociological Review, v. 30, n. 4. p. 574-602, nov. 1982.

ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO (OCDE). Professores são importantes: atraindo, desenvolvendo e retendo professores eficazes. Relatório de pesquisa. São Paulo: Moderna, 2006.

ORGANISATION FOR ECONOMIC CO-OPERATION AND DEVELOPMENT (OECD). Education at a Glance 2017 – OECD indicators. Paris, 2017a. Disponível em: <http://www.oecd-ilibrary.org/education/education-at-a-glance-2017_eag-2017-en>. Acesso em: ago. 2017.

______. PISA 2015 Results (Volume III). Students’ well-being. Paris, 2017b. Disponível em: <http://www.oecd.org/pisa/publications/pisa-2015-results-volume-iii-9789264273856-en.htm>. Acesso em: ago. 2017.

RISTOFF, D. Vinte e um anos de educação superior. Expansão e democratização. Rio de Janeiro: Flacso Brasil/GEA, 2013. (Cadernos do GEA, n. 3). Disponível em: <http://flacso.org.br/?publication=caderno-gea-n3-vinte-e-um-anos-de-educacao-superior-expansao-democratizacao>. Acesso em: 10 jul. 2017.

______. O novo perfil do campus brasileiro: uma análise do perfil socioeconômico

do estudante de graduação. Avaliação, Campinas, SP, v. 19, n. 3, p. 723-747, nov. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772014000300010&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 13 jul. 2017.

______. Democratização do campus. Impacto dos programas

de inclusão sobre o perfil da graduação. Rio de Janeiro: Flacso Brasil/GEA, 2016. (Cadernos do GEA, n. 9). Disponível em: <http://flacso.org.br/?publication=caderno-gea-n9-democratizacao-do-campus-impacto-dos-programas-de-inclusao-sobre-o-perfil-da-graduacao>. Acesso em: 10 jul. 2017.

ROMANELLI, G. O significado da educação superior para duas gerações de famílias de camadas médias. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, DF, v. 76, n. 184, p. 445-476, set./dez. 1995. Disponível em: <http://rbep.inep.gov.br/index.php/rbep/article/view/1100/1074>. Acesso em: 30 jul. 2017.

RUIZ, A. I; RAMOS, M. N.; HINGEL, M. Escassez de professores no Ensino Médio: propostas estruturais e emergenciais. Relatório produzido pela Comissão Especial instituída para estudar medidas que visem a superar o déficit docente no Ensino Médio (CNE/CEB). Brasília, DF: MEC/CNE/CEB, 2007. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/escassez1.pdf>. Acesso em: 03 dez. 2018.

SILVA, M. C. R. da; VENDRAMINI, C. M. M.; LOPES, F. L. Diferenças entre gênero e perfil socioeconômico no exame nacional de desempenho do estudante. Avaliação, Campinas, SP, v. 15, n. 3, p. 185-202, nov. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1414-40772010000300010&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 28 jul. 2017.

TOSTA, T. L. D. A participação de estudantes universitários no trabalho produtivo e reprodutivo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 47, n. 165, p. 896-910, jul./set. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/v47n165/1980-5314-cp-47-165-00896.pdf>. Acesso em: 30 out. 2017.

WAINER J.; MELGUIZO, T. Políticas de inclusão no ensino superior: avaliação do

desempenho dos alunos baseado no Enade de 2012 a 2014. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 44, p. 1-15, jan. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1517-97022017005001103&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 20 jul. 2017.

Publicado

2018-12-29

Como Citar

GEGLIO, P. C. QUEM SÃO OS ESTUDANTES DA CARREIRA DO MAGISTÉRIO?. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 53, p. 120–140, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n53.p120-140. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/5665. Acesso em: 26 set. 2023.