PARTICIPAÇÃO POPULAR, PODER E FORMAÇÃO DA CIDADANIA: UM ESTUDO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

Autores

  • Danilo Romeu Streck Universidade do Vale do Rio dos Sinos (PPGE/Unisinos).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p251-263

Palavras-chave:

Orçamento participativo, Poder, Participação, Pedagogia do poder

Resumo

O artigo analisa a relação entre participação popular, poder e cidadania a partir de estudo sobre o orçamento participativo no Estado do Rio Grande do Sul (Brasil). O argumento central é que a participação na definição de projetos e prioridades é uma prática social privilegiada de formação da cidadania. O estudo está baseado numa metodologia participativa, tendo como princípio o diálogo com os diversos setores envolvidos. Como conclusão, aponta-se o potencial político-pedagógico do orçamento participativo através da leitura coletiva da realidade, e a importância de espaços públicos de discussão para a reconstrução de relações de poder.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Romeu Streck, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (PPGE/Unisinos).

Doutor em Educação pela Rutgers University (EUA). Professor/pesquisador do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (PPGE/Unisinos). Membro do grupo de pesquisa Mediações Pedagógicas e Cidadania, vinculado à Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos)

Referências

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Tradução de Marisa Corrêa. Campinas, SP: Papirus, 1997.

BRANDÃO, C. Educação popular e pesquisa participante: um falar algumas lembranças alguns silêncios e algumas sugestões. In: STRECK, D. R.; SOBOTTKA; E. A., EGGERT, E. (Org.). Conhecer e transformar: Pesquisa-ação e pesquisa participante em diálogo internacional. Curitiba: CRV, 2014. p. 39-74.

EIKELAND, O. Why should mainstream social researchers be interested in action research? International Journal of Action Research, Mering, Germany, v. 3, n. 1+2, p. 38-64, 2007.

Disponível em: <http://www.ssoar.info/ssoar/bitstream/handle/document/41288/ssoar-ijar-2007-1+2-eikeland-Why_Should_Mainstream_Social_Researchers.pdf?sequence=1>. Acesso em: 18 out. 2017.

FALS BORDA, O. Historia doble de la costa. Bogotá: Valencia Editores, 1979.

______. La investigación en convergencias disciplinarias. In: Antologia: Orlando Fals Borda. Prefácio de José Maria Rojas Guerra. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2010a. p. 359-368.

______. La investigación-acción participativa: política y epistemología. In: Antologia: Orlando Fals Borda. Prefácio de José Maria Rojas Guerra. Bogotá: Universidad Nacional de Colombia, 2010b. p. 205-225.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 7. ed. Tradução de Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

FREI BETTO. A mosca azul. São Paulo: Rocco, 2006.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. A educação na cidade. São Paulo: Cortez, 1991.

______. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados/Cortez, 1982.

FRICKE, W. Socio-political perspectives on action research. Traditions in Western Europe – especially in Germany and Scandinavia. International Journal of Action Research, Mering, Germany, v. 7, n. 3, p. 248-261, 2011. Disponível em: <https://ideas.repec.org/a/rai/ijares/doi_10.1688-1861-9916_ijar_2011_03_fricke.html>. Acesso em: 15 out. 2017.

______. A realistic View of the Participatory Utopia. Reflections on Participation. International Journal of Action Research, Mering, Germany, v. 9, n. 2, p. 168-191, 2013.

Disponível em: <http://www.budrich-journals.de/index.php/ijar/article/view/26726>. Acesso em: 15 out. 2017.

GALEANO, E. As palavras andantes. Tradução de Eric Nepomuceno. Porto Alegre: L&PM, 1994.

GAVENTA, J; CORNWALL, A. Power and knowledge. In: REASON, P.; BRADBURY, H. (Ed.). The handbook of action research. Los Angeles: Sage Publications, 2006. p. 71-82.

GUIMARÃES, J. As culturas brasileiras da participação democrática. In: AVRITZER, L. (Org.). A participação em São Paulo. São Paulo: UESP, 2004. p. 197-211.

HERBERT, S. P. Orçamento Participativo na perspectiva de Freire e Gramsci: condições para emergência e formação de lideranças. Porto Alegre: Redes, 2008.

HINDMAN, M. The myth of digital democracy. Princeton: Princeton University Press, 2009.

HORN, C. H. (Org.). Porto Alegre: o desafio da mudança. Porto Alegre: Ortiz, 1994.

HUANACUNI MAMANI, F. Vivir bien/buen vivir: filosofía, políticas, estrategias y experiencias regionales. La Paz: Instituto Internacional de Integración, 2010.

KRISTIANSEN, M; BLOCH-POULSEN, J. Participation as enactment of power in

dialogic organizational action research: reflections on conflicting interests and

actionability. International Journal of Action Research, Mering, Germany, v. 7, n. 3, p. 347-380, 2011. Disponível em: <http://www.ssoar.info/ssoar/handle/document/41430>. Acesso em: 17 out. 2017.

LEWIN, K. Action Research and Minority Problems. Journal of Social Issues, Washington DC, v. 2, n. 4, p. 34-46, 1946. Disponível em: <https://doi.org/10.1111/j.1540-4560.1946.tb02295>. Acesso em: 15 out. 2017.

MARQUES, J. L. (Org.). Rio Grande do Sul: estado e cidadania. Porto Alegre: Palmarinca, 1999.

MARQUES, J. O.; BRUM, A. Uma comunidade em busca de seu caminho. 2. ed. ampliada. Ijuí, RS: Unijuí, 2002.

PALSHAUGEN, O. Constructive practice and critical theory: the contribution of action research to organizational change and the discourse of organizations. International Journal of Action Research, Mering, Germany, v. 2, n. 3, p. 283-318, 2006. Disponível em: <http://www.ssoar.info/ssoar/handle/document/41420>. Acesso em: 17 out. 2017.

______. Discourse-democracy at work: on public spheres in private enterprises. Concepts and Transformation, Amsterdam, v. 7, n. 2, p. 141-192, 2002. Disponível em: <https://doi.org/10.1075/cat.7.2.03pal>. Acesso em: 16 out. 2017.

PIKETTI, T. Capital in the twenty-first century. Cambridge, Massachusetts: The Belknap Press of Harvard University Press, 2014.

REASON, P. Justice, sustainability and participation. Concepts and Transformations, Amsterdam, v. 7, n. 1, p. 7-29, 2002. Disponível em: <https://doi.org/10.1075/cat.7.1.03rea>. Acesso em: 16 out. 2017.

REBELLATO, J. L. Intelectual radical. Montevideo: Extensión-Eppal-Nordan, 2009.

RIO GRANDE DO SUL. Consulta popular. Porto Alegre, 2017a. Disponível em: <http://www.consultapopular.rs.gov.br/>. Acesso em: 18 out. 2017.

______. Consulta popular. Porto Alegre, 2017b. Disponível em: <http://www.participa.rs.gov.br>. Acesso em: 18 out. 2017.

ROTH, R. Bürgermacht: eine streitschrift für meher partizipation. Hamburg: Körber-Stiftung, 2011.

SIEDENBERG, D. R. Concepções de planejamento regional e a consolidações dos COREDES. In: THEIS, I. Desenvolvimento e território: questões teóricas, evidências empíricas. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2008. p. 186-207.

SOBOTTKA, E. A.; SAAVEDRA, G.; ROSA, V. da. Legalidade, legitimação e democratização no orçamento público estadual. In: STRECK, D. R.; EGGERT, E.; SOBOTTKA, E. A. (Org.). Dizer a sua palavra: educação cidadã, pesquisa participante e orçamento público. Pelotas, RS: Seiva, 2005. p. 55-84.

SOUSA SANTOS, B. de (Org.). Democratizar a democracia: os caminhos da democracia participativa. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

______. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez, 2000.

SOUZA, B. Todo o poder emana do povo. Pelotas, RS: EDUCAT, 2002.

STRECK, D. R. Educação para um novo contrato social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

______. A new social contract in a Latin American education context. New York: Palgrave McMillan, 2010.

______. Pesquisar é pronunciar o mundo: notas sobre método e metodologia. In: BRANDÃO, C. R.; STRECK, D. Pesquisa participante: o saber da partilha. São Paulo: Ideias & Letras, 2006. p. 250-276.

______. Participation in social research: “Quijotism”or construction of a world view? International Journal of Action Research, Mering, Germany, v. 9, n. 2, p. 192-208, 2013.

TRIST, E. Culture as a psyco-social process. The Social Engagement of Social Science, v. 1, p. 539-545, 1989. Disponível em: <http://www.moderntimesworkplace.com/archives/archives.html>. Acesso em: 20 jun. 2014.

WEYH, C. B. Educar pela participação: uma leitura político-pedagógica do orçamento participativo estadual no município de Salvador das Missões/RS. Santo Ângelo: FURI, 2011.

ZEMELMAN, H. El conocimiento como desafío posible. México, DF: Instituto Pensamiento y Cultura en América Latina, 2006.

Publicado

2018-04-27

Como Citar

STRECK, D. R. PARTICIPAÇÃO POPULAR, PODER E FORMAÇÃO DA CIDADANIA: UM ESTUDO POLÍTICO-PEDAGÓGICO DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 251–263, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p251-263. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4978. Acesso em: 15 abr. 2024.