A AUDIODESCRIÇÃO E A MEDIAÇÃO TEATRAL: A PALAVRA E O JOGO DIALOGANDO COM A CENA

Autores

  • Jefferson Fernandes Alves Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
  • Anna Karolina Alves do Nascimento Centro Municipal de Educação Professora Maria Cleonice Alves Pontes.

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p213-231

Palavras-chave:

Audiodescrição, Deficiência visual, Mediação teatral, Formação do espectador

Resumo

O presente artigo aborda a audiodescrição como tradução intersemiótica, interpretando-a, a partir das proposições bakhtinianas, como um posicionamento responsivo, gerador de uma contrapalavra que ocupa o entrelugar dos enunciados das obras traduzidas, sobretudo o teatro, orientando-se pela perspectiva de que a atividade espectatorial das pessoas com deficiência visual possa provocar contraimagens como (trans)figurações singulares daquilo que foi apreciado. Essa abordagem pelo viés da responsividade nos remete ao caráter mediador da audiodescrição na teia semiótica de atribuição de sentidos que nos permite uma iniciativa teórico-prática de articulação da audiodescrição com a mediação teatral, a partir do jogo improvisacional. Esse enfoque é assumido pela pesquisa realizada no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (PPGED/UFRN), a qual investigou o processo de acessibilidade do espetáculo “De Janelas e Luas”, tendo como referência o monólogo protagonizado por Mayra Montenegro, cuja apresentação acessível se deu em uma turma do 2º ano do Ensino Médio de uma escola estadual, situada na cidade de Natal-RN. Nos limites deste artigo, será ressaltada essa convergência entre a audiodescrição e a mediação teatral, assumindo como perspectiva a consideração do horizonte ético e estético da formação do espectador a partir do encontro, provocado pela cena teatral, entre jovens com e sem deficiência visual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jefferson Fernandes Alves, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professor Associado 3 da UFRN. Membro
do Grupo de Pesquisa Educação e Inclusão em Contextos Educacionais. 

Anna Karolina Alves do Nascimento, Centro Municipal de Educação Professora Maria Cleonice Alves Pontes.

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Educadora Infantil no Centro Municipal
de Educação Professora Maria Cleonice Alves Pontes. Membro do Grupo de Pesquisa: Educação e Inclusão em Contextos
Educacionais. E

Referências

BAKHTIN, Mikhail; VOLOCHINOV, V. N. Marxismo e filosofia da linguagem. 9. ed. São Paulo: Hucitec/Annablume, 2002.

______. Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

______. Teoria do romance I: a estilística. Tradução, prefácio, notas e glossário de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2015.

BARROS, Manoel de. Livro sobre nada. São Paulo: LeYa, 2013a. (Coleção Biblioteca Manoel de Barros).

______. O livro das ignorãças. São Paulo: LeYa, 2013b. (Coleção Biblioteca Manoel de Barros).

______. Ensaios fotográficos. São Paulo: LeYa, 2013c. (Coleção Biblioteca Manoel de Barros).

CARVALHO, Wilson Júnior de Araújo; MAGALHÃES, Célia Maria; ARAÚJO, Vera Lúcia Santiago. Locução em filmes audiodescritos para pessoas cegas ou com baixa visão: uma contribuição à formação de audiodescritores. In: ARAÚJO, Vera Lúcia Santiago; ADERALDO, Marisa Ferreira (Org.). Os novos rumos da pesquisa em audiodescrição no Brasil. Curitiba: CRV, 2013. p. 151-168.

CASADO ALVES, Maria da Penha. O cronotopo da sala de aula e os gêneros discursivos. In: Revista Signótica, v. 24, n. 2, p. 305-322, jul./dez. 2012.

CHACRA, Sandra. Natureza e sentido da improvisação teatral. São Paulo: Perspectiva, 1983.

COSTA, Fernando Morais da. Som no cinema, silêncio nos filmes: o inexplorado e o inaudito. 2003. 105 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Instituto de Arte e Comunicação da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, RJ, 2003.

DESGRANGES, Flávio. A pedagogia do teatro: provocação e dialogismo. 3. ed. São Paulo: Hucitec/Mandacaru, 2011.

______. A inversão da olhadela: alterações no ato do espectador teatral. São Paulo: Hucitec, 2012.

FERREIRA, Maria Salonilde. Oficina pedagógica: recurso mediador da atividade de aprender. In: RIBEIRO, Márcia Maria Gurgel; FERREIRA, Maria Salonilde (Org.). Oficina pedagógica: uma estratégia de ensino-aprendizagem. Natal: EDUFRN, 2001. p. 9-14.

GUÉNOUN, Denis. A exibição das palavras: uma ideia (política) do teatro. Tradução Fátima Saadi. Rio de Janeiro: Teatro Pequeno Gesto, 2003.

GUIMARAENS, Alphonsus de. Ismália. In: MORICONI, Ítalo (Org.). Os cem melhores poemas brasileiros do século. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001. p. 45.

GROTOWSKI, Jerzy. Em busca de um teatro pobre. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1992.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens. São Paulo: Perspectiva, 2000.

KASTRUP, Virginia; DAVID, Jéssica; HAUTEQUESTT, Felipe. Audiodescrição de filmes: experiência, objetividade e acessibilidade cultural. Fractal – Revista de Psicologia, v. 24, n. 1, p. 125-142, jan./abr. 2012.

KOUDELA, Ingrid Dormien; ALMEIDA JÚNIOR, José Simões de (Coord.). Léxico de pedagogia do teatro. São Paulo: Perspectiva, 2015.

LARROSA, Jorge. Linguagem e educação depois de Babel. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014a.

______. Tremores: escritos sobre experiência. Tradução de Cristina Antunes e João Wanderley Geraldi. Belo Horizonte: Autêntica, 2014b.

MACHADO, Regina. A arte da palavra e da escuta. São Paulo: Reviravolta, 2015.

NAVES, Sylvia Bahiense. Et al. (Org.). Guia para produções audiovisuais acessíveis. Brasília, DF: Ministério da Cultura, 2016.

NEVES, Josélia. Comunicação multi-sensorial em contexto museológico. In: SEMINÁRIO DE INVESTIGAÇÃO EM MUSEOLOGIA DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA E ESPANHOLA, 1., 2009, Porto. Actas... Porto: Universidade do Porto, 2009. Vol. 2, p. 180-192.

ORLANDI, Eni Pulcinelli. As formas do silêncio no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

PETRILLI, Susan. O paradoxo da tradução. In: PAULA, Luciane de (Org.). Vozes discursivas. São Carlos, SP: Pedro & João Editores, 2014. p. 299-319.

PIANNA, Giovanni. A filosofia da música. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

PLAZA, Julio. Tradução intersemiótica. São Paulo: Perspectiva, 2013.

PUPO, Maria Lúcia de Souza Barros. Para alimentar o desejo de teatro. São Paulo: Hucitec, 2015.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2009.

SCHAFER, R. Murray. O ouvido pensante. Tradução de Marisa Trench de O. Fonterrada, Magda R. Gomes da Silva e Maria Lúcia Pascoal. 2. ed. São Paulo: Unesp, 2011.

SOUZA, Mayra Montenegro de. O ator que canta um conto: a manipulação de parâmetros musicais na voz do ator. 2012. 125 f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2012a.

______. Sinopse do espetáculo “De Janelas e Luas”. Natal: Estúdio P, 2012b.

SPOLIN, Viola. Improvisação para o Teatro. Tradução e revisão de Ingrid Dormien Koudela e Eduardo José de Almeida Amos. São Paulo: Perspectiva, 2005. (Coleção Estudos, nº 62).

TOJAL, Amanda Pinto da Fonseca. Políticas públicas culturais de inclusão de públicos especiais em museus. 2007. 322 f. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2007.

Publicado

2018-04-27

Como Citar

ALVES, J. F.; NASCIMENTO, A. K. A. do. A AUDIODESCRIÇÃO E A MEDIAÇÃO TEATRAL: A PALAVRA E O JOGO DIALOGANDO COM A CENA. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 27, n. 51, p. 213–231, 2018. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2018.v27.n51.p213-231. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4976. Acesso em: 17 jun. 2024.