MOTIVAÇÃO E CONHECIMENTOS PRÉVIOS:FATORES CONDICIONANTES DA APRENDIZAGEM DO ADULTO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Autores

  • Pauleany Simões de Morais Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)
  • Andrezza Maria Batista Nascimento Tavares Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)
  • Márcio Adriano de Azevedo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).
  • Priscilla de Medeiros Costa Fernandes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2012.v21.n37.p%25p

Resumo

Vários são os aspectos que intervêm na aprendizagem dos adultos, dentre os quais destacamos a motivação e a exploração de conhecimentos prévios. Esta pesquisa tem
como objetivo investigar a interferência dos fatores motivação e conhecimentos prévios no processo de aprendizagem vivenciado pelos alunos do Curso Técnico Integrado em
Informática na Modalidade EJA do IFRN – Campus João Câmara. Caracterizou-se por ser de natureza descritiva, do tipo qualitativo e exploratório. Os dados analisados foram obtidos com base em um questionário semiestruturado aplicado aos 17 alunos que integraram a amostra deste estudo. Os principais fatores motivacionais citados pelos alunos foram a vontade de concluir o ensino médio para ingressar no mercado de trabalho (29%) e a busca de novos conhecimentos (23%). A maioria dos alunos (35%) citou questões relacionadas aos professores como fatores que levam a sentiremse desmotivados para estudar, seguidos de 18% que relataram sentir-se cansados para estudar após a jornada de trabalho. Sobre a importância da utilização de exemplos do cotidiano durante as aulas, 94% afirmaram que eles facilitam a aprendizagem, pois ajudam a relacionar o assunto com acontecimentos do dia a dia, facilitando esse
processo. De maneira geral, percebemos que é urgente a necessidade de redefinição da proposta pedagógica aplicada nas turmas de educação de jovens e adultos, sendo necessá-rias mudanças profundas a fim de conhecer de forma real o perfil desses alunos e adequar as práticas pedagógicas à realidade que é apresentada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pauleany Simões de Morais, Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)

Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professora do Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Andrezza Maria Batista Nascimento Tavares, Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN)

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Márcio Adriano de Azevedo, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Priscilla de Medeiros Costa Fernandes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Especialista em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na modalidade de Educação de Jovens e Adultos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN). Graduada em Fisioterapia pela UniversidadeFederal do Rio Grande do Norte (UFRN). Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Potiguar (UNP). Servidora doInstituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN).

Referências

BRASIL. Conselho Nacional de Educação (CNE). Parecer CNE/CEB nº11/2000. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília, DF, mai. 2000.

______. Decreto n° 5.840, de 13 de julho de 2006. Institui, no âmbito federal, o Programa de Integração da Educação Profis-sional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos – PROEJA e dá outras providências. Brasília, DF, 13 jul. 2006.

COELHO, Maria Inês Matos. Identidades e formação nos percursos de vida de jovens e adultos trabalhadores:desafios ao Proeja. Revista Brasileira da Educação Profissional e tecno-lógica, Brasília, v. 1, p. 83-97, 2008.

DI PIERRO, Maria Clara (Coord.). Seis anos de educação de jovens e adultos no Brasil: os compromissos e a realidade. São Paulo: Ação Educativa, v. 1, 2003.

FAVERO, Rozangela Maria Zatti. A importância da inclusão digital na turma da educação de jovens e adultos no Programa Viver. 2009. 55 f. Monografia (Especialização) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Chapecó, 2009.

FERNANDES, Andréa Paixão. O diálogo entre trabalho e educação de jovens e adultos: e a formação do cidadão? In:

REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 27., 2004, Caxambu. Anais... Caxambú: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, 2004.

LAFFIN, M. H. L. F. A constituição da docência entre profes-sores de escolarização inicial de jovens e adultos.2006. 215 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

MIRAS, Mariana. Um ponto de partida para a aprendizagem de novos conteúdos: os conhecimentos prévios. In: COLL, César. et al. O construtivismo na sala de aula. São Paulo: Ática,1999.

PALÁCIOS, Jesús. O desenvolvimento após a adolescência. In: COLL, César. et. al. Desenvolvimento psicológico e Educação. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PASETTO, Sheila Aparecida de Oliveira. Relação entre a evasão na EJA e o ensino de matemática. 2008. 86 f.

Monografia (Especialização) – Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo, São Paulo, 2008.

PEREIRA, Amarildo. A evasão de alunos oriundos da EJA no Curso Técnico em Mecânica Industrial do IFSC– Campus Joinville em 2007. 2009. 91 f. Monografia (Especialização) – Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Chapecó, 2009.

PERRENOUD, P. Dez Novas Competências para Ensinar. Porto Alegre: Artmed, 2000.

RIES, Bruno. A aprendizagem na fase adulta. Ciências e Letras – Revista da Faculdade Portoalegrense de Educação,

Porto Alegre, n. 40, p. 24-38, jul./dez. 2006. Disponível em: <http://www1.fapa.com.br/cienciaseletras/pdf/revista40/-Bruno.pdf >. Acesso em: 20 set. 2007.

ROSA, Maria Virgínia de F. P. de Couto; ARNOLDI, Marlene Aparecida G. Colombo. A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

SOLÉ, Isabel. Disponibilidade para a aprendizagem e sentido da aprendizagem. In: COLL, César. et al. O construtivismo

na sala de aula. São Paulo: Ática, 1999.

TIGRINHO, Luiz Maurício Valente. Evasão Escolar nas Instituições de Ensino Superior. Revista Gestão Universitária,

São Paulo, v. 173, p. 1-14, 2008.

VYGOTSKY, L. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1987.

Como Citar

MORAIS, P. S. de; TAVARES, A. M. B. N.; AZEVEDO, M. A. de; FERNANDES, P. de M. C. MOTIVAÇÃO E CONHECIMENTOS PRÉVIOS:FATORES CONDICIONANTES DA APRENDIZAGEM DO ADULTO NA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 21, n. 37, 2013. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2012.v21.n37.p%p. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/476. Acesso em: 12 abr. 2024.