Os limites da formação docente e a educação das pessoas com deficiência nas licenciaturas

Autores

  • Maria Cristina Dancham Simões Universidade Paulista (UNIP)
  • Carlos Antônio Giovinazzo Junior Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n50.p49-61

Palavras-chave:

Formação docente, Educação inclusiva, Políticas educacionais

Resumo

O artigo trata da formação de professores para a educação de alunos com deficiência na escola básica brasileira. Problematizou-se a formação inicial e a temática focalizada, recorrendo-se aos dados coletados em pesquisa sobre as disciplinas e projetos pedagógicos de cursos de licenciatura de universidades federais. Identificouse a ausência de conteúdo político da educação escolar, da prática pedagógica e da formação docente, o que se expressa no modo como as licenciaturas tratam a educação das pessoas com deficiência. Recorreu-se às Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica para criticar as políticas educacionais e sustentar que os cursos de licenciatura não possibilitam aos seus alunos o aprofundamento teórico sobre a educação inclusiva e os problemas enfrentados na escola. Tais diretrizes reafirmam a função docente pautada na valorização da técnica como fim em si mesma e, por isso, como técnica de adaptação e controle social. A argumentação parte de uma perspectiva crítica a respeito da educação, baseada nos escritos de T. W. Adorno e no conceito de formação do indivíduo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Cristina Dancham Simões, Universidade Paulista (UNIP)

Doutora em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora Titular do curso de Psicologia
da Universidade Paulista (UNIP).

Carlos Antônio Giovinazzo Junior, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP)

Doutor em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professor da disciplina do Programa de
Pós-Graduação em Educação – Educação: História, Política e Sociedade (PPGE/PUC/SP). Membro do grupo de pesquisa
Diretório CNPq – Teoria crítica, formação e cultura (PUC/SP)

Referências

ADORNO, Theodor W. A Filosofia e os professores. In: ______. Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 1995a. p. 51-74.

______. Educação após Auschwitz. In: ______. Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 1995b. p. 119-138.

______. Tabúes sobre la profesión de enseñar. In: ______. Educación para la emancipación. Madrid: Ediciones Morata, 1998. p. 65-78.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CP nº 2, de 09 de junho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Brasília, DF, 2015. Disponível em: <http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/parecer_cne_cp_2_2015_aprovado_9_junho_2015.pdf>. Acesso em: 01 out. 2017.

FREITAS, Luiz Carlos de. A avaliação e as reformas dos anos de 1990: novas formas de exclusão, velhas formas de subordinação. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 25, n. 86, p. 133-170, 2004.

MANNHEIM, Karl. A crise da sociedade contemporânea. In: PEREIRA, Luiz; FORACCHI, Marialice M. Educação e sociedade. São Paulo: Nacional, 1987. p. 321-342.

MORAES, Reginaldo C. Reformas neoliberais e políticas públicas: hegemonia ideológica e redefinição das relações Estado-sociedade. Educação e Sociedade, Campinas, SP, v. 23, n. 80, p. 13-24, 2002.

SADER, Emir; GENTILI, Pablo. Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

SANTOMÉ, Jurgo Torres. A educação em tempos de neoliberalismo. Porto Alegre: Artmed, 2003.

SIMÕES, Maria Cristina Dancham. Formação do indivíduo, formação docente e educação especial: o lugar do sujeito e o compromisso com a adaptação. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP), São Paulo, 2016.

STROMQUIST, Nelly P. Educação latino-americana em tempos globalizados. Sociologias, Porto Alegre, v. 14, n. 29, p. 72-99, 2012.

Publicado

2017-12-22

Como Citar

SIMÕES, M. C. D.; GIOVINAZZO JUNIOR, C. A. Os limites da formação docente e a educação das pessoas com deficiência nas licenciaturas. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 26, n. 50, p. 49–61, 2017. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n50.p49-61. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4261. Acesso em: 17 abr. 2024.