Motivações iniciais para elaboração de diretrizes da educação escolar quilombola na Bahia

Autores

  • Suely Noronha de Oliveira Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro -PUC-Rio.

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n49.p35-51

Palavras-chave:

Educação escolar quilombola, Quilombos, Políticas de diversidade, Políticas educacionais

Resumo

Para os quilombolas, a promulgação da Lei nº 10.639/2003, que torna obrigatório o ensino da história e da cultura afro-brasileira e africana nas instituições de ensino foi uma conquista, porém não o suficiente para atender demandas escolares e educativas deste grupo. Essa ausência motivou as organizações quilombolas a inserir a educação escolar quilombola como uma demanda no rol de debates sobre políticas públicas de diversidade em educação no Brasil. Este artigo apresenta uma pesquisa sobre o processo de construção de Diretrizes Curriculares para a Educação Escolar Quilombola no estado da Bahia e sua relação com a política nacional. Privilegia-se aqui uma análise
do processo local de construção da demanda no estado, focalizando as motivações iniciais e o contexto organizativo-político. A pesquisa utilizou a metodologia qualitativa, com observação participante, trabalho de campo de caráter etnográfico (Salvador-BA), análises de fontes escritas (documentos oficiais) e orais (conversações informais, participação em audiências públicas e entrevistas semiestruturadas com líderes quilombolas, gestores, consultores e investigadores). Como resultado foi produzida uma narrativa temporal analítica das motivações iniciais para a construção de Diretrizes Curriculares para a Educação Escolar Quilombola no estado da Bahia, identificando as continuidades e descontinuidades no seu desenvolvimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Suely Noronha de Oliveira, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro -PUC-Rio.

Mestre em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Membro do grupo Ciudadanía,
Educación y Diversidad de la Faculdad de Educación de la Pontificia Universidad Católica del Perú (PUC/Perú).

Referências

ALMEIDA, Alfredo W. B. de. (Org.). Terras de preto no Maranhão: quebrando o mito do isolamento. São Luís: Projeto Vida de Negro/CCN-MA, 2002.

ARRUTI, José Maurício A. Mocambo: antropologia e história do processo de formação quilombola. São Paulo: EDUSC, 2006.

ARRUTI, José Maurício A.; MAROUN, Kalyla; CARVALHO, Ediléia. Educação quilombola em debate: a escola em Campinho da Independência (RJ) e a proposta de uma Pedagogia Quilombola. In: CUNHA, Ana Stela de Almeida (Org.). Construindo Quilombos, desconstruindo mitos: a educação formal e a realidade quilombola no Brasil. São Luís: SETAGRAF, 2011. p. 29-43.

BAHIA. Secretaria da Educação. Notícias. Pacto pela Educação investe na qualidade do ensino público na Bahia. Salvador, 2011. Disponível em: <http://escolas.educacao.ba.gov.br/noticias/pacto-pela-educacao-investe-na-qualidade-do-ensino-publico-na-bahia>. Acesso em: 11 jul. 2011.

BAHIA. Decreto nº 11.850, de 23 de novembro de 2009. Institui a Política Estadual para Comunidades Remanescentes de Quilombos e dispõe sobre a identificação, delimitação e titulação das terras devolutas do Estado da Bahia por essas comunidades, de que tratam o art. 51 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição do Estado da Bahia de 1989. Salvador, 2009. Disponível em: <http://www.sepromi.ba.gov.br/arquivos/File/decretogiq.pdf>. Acesso em: 20 maio 2017.

BALL, Stephen J. Educational reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1994.

BOWE, Richard; BALL, Stephen; GOLD, A. Reforming education & changing schools: case studies in policy sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB nº 8, de 20 de novembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Brasília, DF, 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=11963-rceb008-12-pdf&category_slug=novembro-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 20 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes curriculares nacionais gerais da educação básica. Brasília, DF: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Básica/Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão/Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica/Conselho Nacional de Educação/Câmara Nacional de Educação, 2013. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13448-diretrizes-curiculares-nacionais-2013-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 20 maio 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília, DF, 2003a. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm>. Acesso em: 20 maio 2017.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Brasília, DF, 2003b. Disponível em: <https://uc.socioambiental.org/sites/uc.socioambiental.org/files/D4887.pdf>. Acesso em: 20 maio 2017.

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DA BAHIA. Resolução nº 68, de 30 de julho de 2013. Estabelece normas complementares para implantação e funcionamento das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica, no Sistema Estadual de Ensino da Bahia. Salvador, 2013. Disponível em: <http://www.sepromi.ba.gov.br/arquivos/File/decretogiq.pdf>. Acesso em: 20 maio 2017.

DIRETRIZES estaduais da educação quilombola para a Bahia. A Tarde Online, Salvador, 05 jul. 2010. Disponível em: <http://educacao.atarde.uol.com.br/?p=3277>. Acesso em: 07 jul. 2017.

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES. Informações quilombolas. Quadro geral de comunidades remanescentes de quilombos. Brasília, DF, 2017. Disponível em: <http://www.palmares.gov.br/wp-content/uploads/2017/05/quadro-geral-15-05-2017.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2017.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, Campinas, SP, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302006000100003>. Acesso em: 20 abr. 2017.

MATO GROSSO. Secretaria de Estado da Educação. Orientações curriculares: diversidades educacionais. Cuiabá, 2010.

MELO, Willivane Ferreira de. Por uma educação escolar quilombola: a experiência do município de Santarém, Pará. Revista Observatório Quilombola, ano 2, n. 2, 2013. Disponível em: <http://www.koinonia.org.br/oq/artigos-detalhes.asp?cod=12928>. Acesso em: 10 mar. 2017.

MONTERO, Paula; ARRUTI, José M.; POMPA, Cristina. Para uma antropologia do político. In: LAVALLE, Adrian Gurza (Org.). O horizonte da política – questões emergentes e agendas de pesquisa. São Paulo: Cosac Nayfi/UNESP, 2009. p. 145-184.

OBSERVATÓRIO QUILOMBOLA. Notícias. Estado promove o I Fórum Baiano de Educação Quilombola. Salvador, 2009. Disponível em: <http://www.koinonia.org.br/oq/noticias-detalhes.asp?cod=10221>. Acesso em: 10 maio 2017.

OLIVEIRA, Sandra N. S. de. De mangazeiros a quilombolas: terra, educação e identidade em Mangal e Barro Vermelho, Sítio do Mato-BA. 2006. 181 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Salvador, 2006.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação (SEED). Superintendência da Educação. Educação escolar quilombola: pilões, peneiras e conhecimento escolar. Curitiba, 2010. Disponível em: <http://equipemultilondrina.pbworks.com/w/file/fetch/58717533/EDUCACAO_QUILOMBOLA.pdf>. Acesso em: 20 maio 2017.

SILVA, Givânia M. da. Educação como processo de luta política: a experiência de “educação diferenciada” do território quilombola de Conceição das Crioulas. 2012. 199 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UnB), Brasília, DF, 2012.

SOCIEDADE MARANHENSE DE DIREITOS HUMANOS (SMDH); CENTRO DE CULTURA NEGRA DO MARANHÃO (CCN); PROJETO VIDA DE NEGRO. Vida de negro no Maranhão: uma experiência de luta, organização e resistência nos territórios quilombolas. São Luís: Sociedade Maranhense de Direitos Humanos/Centro de Cultura Negra do Maranhão, 2005. (Coleção Negro Cosme, vol. IV).

Publicado

2017-10-31

Como Citar

OLIVEIRA, S. N. de. Motivações iniciais para elaboração de diretrizes da educação escolar quilombola na Bahia. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 26, n. 49, p. 35–51, 2017. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2017.v26.n49.p35-51. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/4008. Acesso em: 21 jul. 2024.