A modernidade pedagógica no discurso jurídico: a normalização das populações infantis

  • Cynthia Pereira Sousa Faculdade de Educação - USP

Resumo

Este texto tem por objetivo central a sistematização e a análise das formaçõesdiscursivas sobre a reforma educacional que circularam no Brasil e em Portugal,de uma perspectiva histórica e comparada. Para tanto, examinou-se os significadosatribuídos à modernidade e, por extensão, à modernidade pedagógica, pela via deuma sociologia da modernidade e dos discursos produzidos no campo do Direito emfontes documentais, tais como livros, teses, códigos, compêndios, periódicos etc.No contato com essas fontes do campo jurídico, buscaram-se temas constitutivos da problemática educacional da modernidade, ou seja, aqueles ligados à moralidade, àsubjetividade e ao seu controle, à observação e aos cuidados dispensados ao corpo eà alma infantis. Em suma, aqueles aspectos que se ligam à estruturação de um novomodo de governo da sociedade e das populações infantis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cynthia Pereira Sousa, Faculdade de Educação - USP
Professora Livre-Docente aposentada da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (USP). Professora do Programade Pós-Graduação em Educação da Faculdade de Educação (USP).

Referências

ALMEIDA, Angela Mendes de. Família e modernidade: o pensamento jurídico brasileiro no século XIX. São

Paulo, Porto Calendário, 1999.

ANDERSON, Benedict. Imagined Communities. Reflections on the origin and spread of nationalism. London/

New York, Verso, 1983.

BIBLIOTECA DIGITAL ARDIES. Literatura jurídica portuguesa do século XIX até a primeira metade do século XX. Disponível em: <http://www.fd.unl.pt/ConteudosAreas.asp?Area=BibliotecaDigital>. Acesso em: 20 mar. 2009.

BOLI, John; RAMIREZ, Francisco; MEYER, John. Explaining the origins and the expansion of mass education.

Comparative Education Review, v. 29, nº 2, may, 1985. p. 145-170.

BOLI, John; RAMIREZ, Francisco. Compulsory schooling in the Western cultural context. In: ARNOVE, Robert;ALTBACH, Philip; KELLY, Gail. (eds.) Emergent issues in education: comparative perspectives. New York, State University of New York Press, 1992, p. 25-45.

BOURDIEU, Pierre. A força do direito. Elementos para uma sociologia do campo jurídico. In: BOURDIEU, Pierre.

O poder simbólico. Trad. de Fernando Tomaz. Lisboa/Difel; Rio de Janeiro/Bertrand Brasil, 1989.

BRASIL. Código Criminal do Império. Rio de Janeiro, 1830.

BRASIL. Código Penal, 1890.

DUTRA, Pedro. Literatura jurídica no Império. 2ª ed. revista e ampliada. Rio de Janeiro, Padma, 2004.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, tradução e introdução de Roberto Machado. 10ª ed.

Rio de Janeiro, Edições Graal, 1992.

FOUCAULT, Michel. A verdade e as formas jurídicas. Trad. de Roberto Machado e Eduardo Jardim Morais. 3ª. Ed. Rio de Janeiro, Nau Editora, 2003. 160p.

GIDDENS, Anthony. As consequências da modernidade. Trad. de Raul Fiker. São Paulo, Editora da UNESP, 1991.

KEY, Ellen. The century of the child. New York/London, Putnam’s Sons, 1909. 336p. Disponível em:

www.archive.org/details/centuryofchild00keyeuoft>. Acesso: em 14 abr. 2009.

LONDOÑO, Fernando Torres. A origem do conceito menor. In: PRIORE, Mary Del (org.) História da criança no Brasil. São Paulo, Contexto, 1991, p. 129-145.

NÓVOA, António. Modèles d’analyse em Education Comparée: le champ et la carte. In: NÓVOA, António. Histoire

& Comparaison: essais sur l’éducation. Lisbonne, Educa, 1998, p. 51-84.

NÓVOA, Antonio. Tempos de escola no espaço Portugal-Brasil-Moçambique: dez digressões sobre um programa de investigação. In: NÓVOA, António; SCHRIEWER, Jürgen. A difusão mundial da escola. Lisboa, Educa, 2000, p. 121-142.

POPKEWITZ, Thomas. Lutando em defesa da alma. A política do ensino e a construção do professor. Trad. de Magda França Lopes. Porto Alegre, Artmed, 2001.

PORTUGAL. Código Penal Português, 1852.

PORTUGAL. Código Civil Português, 1867

PRADO, L. G. Gyges. Revista dos Tribunais. Índice Geral Alfabético e Remissivo. Volumes I a LXXX. São Paulo, 1935.

RIZZINI, Irene. A criança e a lei no Brasil. Revisitando a história (1822-2000). Rio de Janeiro, CESPI/USU;Brasília, UNICEF, 2000.

RIZZINI, Irene. O século perdido. Raízes históricas das políticas públicas para a infância no Brasil. 2ª ed. São

Paulo, Cortez, 2008.

RUFINO, César; LIMA, Ana Laura Godinho; RODRIGUES, Flávia Sílvia. Para uma história da reeducação e assistência a menores em Portugal e no Brasil, dos séculos XIX e XX: discursos e instituições. Lisboa, Educa,2003 (Cadernos Prestige, nº 15).

SCHRIEWER, Jürgen. Formas de externalização no conhecimento educacional. Lisboa, Educa, 2001 (Cadernos

Prestige, nº 5).

SOUSA, Cynthia Pereira de. Infância, pedagogia e escolarização: a mensuração da criança transformada em aluno,em Portugal e no Brasil (1880-1960). Lisboa, Educa, 2004 (Cadernos Prestige, nº 23). 76p.

VARELA, Júlia & ALVAREZ-URIA, Fernando. A maquinaria escolar. Teoria & Educação, vol. 6, 1992, p. 68-96.

WAGNER, Peter. Sociología de la Modernidad – libertad y disciplina. Trad. de Marciano Villanueva Salas. Barcelona,

Editorial Herder, 1997.

Publicado
2013-06-22
Métricas
  • Visualizações do Artigo 352
  • PDF downloads: 248
Como Citar
SOUSA, C. P. A modernidade pedagógica no discurso jurídico: a normalização das populações infantis. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 20, n. 36, 22 jun. 2013.