Comunidade Investigativa e Desenvolvimento Profissional de Professores

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n71.p39-58

Palavras-chave:

Comunidade investigativa, Aprendizagem docente, Desenvolvimento profissional de professores.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar como professores de Educação Infantil de uma comunidade investigativa da rede pública traduzem a Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil (BNCC) em práticas pedagógicas. Trata-se de uma pesquisa[1]descritivo-analítica de natureza qualitativa. Como instrumentos de pesquisa foram utilizados: entrevista com roteiro semiestruturado, observação e análise de documentos. Participaram do estudo duas professoras e uma diretora da rede pública municipal de Educação Infantil de Barueri – SP. Por comunidade investigativa entende-se contextos nos quais professores constroem conhecimentos sobre as próprias práticas, dialogando com teorias. Os dados evidenciam a importância dos processos de construção da base de conhecimento para o ensino com especial destaque para o protagonismo de cada participante na construção de conhecimento pedagógico de conteúdo que materializa a BNCC. A pesquisa indica a importância da formação continuada no local de trabalho.

 

[1] A pesquisa foi submetida à plataforma Brasil, seguindo todos os procedimentos de sigilo, preenchimento e postagem de documentos exigidos pela plataforma, além do cuidado no trato com os participantes da pesquisa. O CAAE do projeto é CAAE é 18126919.4.0000.0084.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria da Graça Nicoletti Mizukami, Universidade Presbiteriana Mackenzie

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1970), mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1977) e doutorado em Ciências Humanas, também pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1983). Tem especialização em Didática - Karl Ruprecht Universität Heidelberg e Pädagogische Hochschule Heidelberg, Alemanha (1971-1974 /DAAD). É professora titular pela Universidade Federal de São Carlos (1991) e desenvolveu pesquisa de pós-doutorado na Santa Clara University, Califórnia, Estados Unidos (FAPESP/1993). Atualmente é professora adjunto III na Universidade Presbiteriana Mackenzie (Centro de Educação, Filosofia e Teologia /CEFT - Programa de Pós-graduação em Educação, Arte e História da Cultura).É co-organizadora da série Aprendizagem da Docência, publicada pela UFSCar. Foi membro do comitê de assessoramento CA-ED do CNPq no período 2006-2009. Membro titular do Conselho do International Council for Education on Teaching - ICET, período 2013-2015. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: base de conhecimento para o ensino, desenvolvimento profissional da docência, aprendizagem profissional da docência, praticas pedagógicas e casos de ensino.

Marcia Tostes Costa da Silva, Secretaria de Educação da Prefeitura Municipal de Barueri

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Presbiteriana Mackenzie- São Paulo (2004). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil e nos primeiros anos do Ensino Fundamental I - Pós-graduada em Gestão Escolar em nível de especialização Lato Sensu. Graduada em Educação Religiosa pela Faculdade Teológica Batista do Oeste do Brasil. Possui aperfeiçoamento em Educação Ambiental pela Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP (2013). Mestra em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie - São Paulo (2017). Doutora em Educação, Arte e História da Cultura pela Universidade Presbiteriana Mackenzie (2018).

Maria de Fátima Ramos de Andrade, Universidade Presbiteriana MackenzieUniversidade Municipal de São Caetano do Sul

Possui graduação em Pedagogia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Mestrado em Educação pela Universidade de São Paulo, Doutorado em Comunicação Semiótica pela PUC/SP e pós-doutorado em Políticas e Práticas da Educação Básica e Formação de Professores pela Fundação Carlos Chagas. Atua em cursos de graduação e pós-graduação em Educação. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Formação de Professores, atuando principalmente nos seguintes temas: base de conhecimento para o ensino, desenvolvimento profissional da docência, aprendizagem profissional da docência, (multi)letramentos e praticas pedagógicas. Integra a Rede de Estudos sobre Desenvolvimento Profissional Docente (REPED). Membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (ANPEd). Membro associada do World Education Research Association (Wera). Group: International Research Networks (IRNs). Didactics ? Learning and Teaching.

Referências

ALMEIDA, P. C. A.; DAVIS, C. L. F.; CALIL, A. M. G. C.; VILALVA, A. M. Categorias Teóricas de Shulman: revisão integrativa no campo da formação docente. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 49, n. 174, p. 130-150, out/dez. 2019. https://doi.org/10.1590/198053146654.

AMORIM, A. Gestor escolar inovador: educação da contemporaneidade. Revista Lusófona de Educação, [S.L.], n. 35, p. 67-82, 2 jun. 2017. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. http://dx.doi.org/10.24140/issn.1645-7250.rle35.04

BERRY, A.; DEPAEPE, F.; DRIEL, J. V. Pedagogical Content Knowledge in Teacher Education. In: LOUGHRAN, J.; HAMILTON, M. L. International Handbook of Teacher Education. V. 1. Springer Science+Business Media Singapore, 2016, p. 347-385.

BOLÍVAR, A. A escola como organização que aprende. In: CANÁRIO, R. (Org.). Formação e situações de trabalho. Porto Editora, 1997, p.79-100.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. (Versão dezembro 2017). Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em:< http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=79601-anexo-texto-bncc-reexportado-pdf-2&category_slug=dezembro-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 04 mar. 2020.

BRASIL. Resolução nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação. Ministério da Educação Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Básica. Brasília, 2009. Disponível em: http://www.seduc.ro.gov.br/portal/legislacao/RESCNE005_2009.pdf. Acesso em: 12 abr. 2020.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artmed, 1996, p. 51-86.

COCHRAN-SMITH, M.; LYTLE, S. L. Relationships of Knowledge and practice: teacher learning in communities. Review of Research in Education, Vol. 24 (1999), 02 nov. 2015, p. 249-305. Disponível em: https://www.academia.edu/4746288/Chapter_8_Relationships_of_Knowledge_and_Practice_Teacher_Learning_in_Communities. Acesso em: 7 de mar. 2020.

CORTEZ, C. O que um bom projeto para a Educação Infantil precisa ter? Nova Escola, São Paulo. 01 ago. 2013. Mensal. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/50/o-que-um-bom-projeto-para-educacao-infantil-deve-ter. Acesso em: 7 de mar. 2020.

DARLING-HAMMOND, L.; BRANSFORD, J. Preparando os professores para um mundo em transformação: o que devem aprender e estar aptos a fazer. Linda Darling-hammond; John Bransford; tradução: Cristina Fumagalli Mantovani: revisão técnica: Luciana Vellinho Corso. Porto Alegre: Penso, 2019, prefácio xxiii; p.143-169.

DEWEY, J. (1859-1952). Experiência e educação. Tradução de Anísio Teixeira. 2 ed. São Paulo: Ed. Nacional, 1976, p. 65-72.

FIORENTINI, D.; CRECCI, V. Interlocuções com Marilyn Cochran-Smith sobre aprendizagem e pesquisa do professor em comunidades investigativas. Revista Brasileira de Educação, [S.L.], v. 21, n. 65, p. 505-524, jun. 2016. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s1413-24782016216526.

FOCHI, P.; COUTINHO, A. A escuta como gesto de acolhimento. Palestra proferida no curso O acolhimento, as relações e o despertar para a reinvenção da Escola da Infância pelo Vincular cursos. Disponível em: https://vincularcursos.myedools.com/enrollments/5633164/courses/46273/course_contents/1746327. Acesso em: 19 mar. 2021.

FOCHI, P. S. Afinal, o que os bebês fazem no berçário? Comunicação, autonomia e saber-fazer de bebês em um contexto de vida coletiva. Porto Alegre: Penso Editora, 2015.

GOODSON, I. F. Dar voz ao professor: Histórias de vida dos professores e o seu desenvolvimento profissional. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Porto - Portugal: Porto Editora, 2013, p. 63-75.

GRIGOLI, J. A. G.; LIMA, C. M.; TEIXEIRA, L. R. M.; VASCONCELLOS, M. A escola como lócus de formação docente: uma gestão bem-sucedida. Cadernos de Pesquisa, [S.L.], v. 40, n. 139, p. 237-256, abr. 2010. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0100-15742010000100012

GRILLO, M. C.; LIMA, V. M. Mapa conceitual. In: FREITAS, A. L. S. A gestão da aula universitária na PUCRS. Porto alegre: EDIPUCRS, 2008, p.145-153.

HELM, J. H.; BENEKE, S. et al. O poder dos projetos: novas estratégias e soluções para a Educação Infantil. Tradução Vinícius Figueira. Porto Alegre: Artmed, 2005.

LIMA, M. S. L.; GOMES, M. O. Redimencionamento o papel dos profissionais da educação: algumas considerações. In: PIMENTA, S. G.; GHEDIN, E. Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 163-186.

LOUGHRAN, J.; KEAST, S.; COOPER, R. Pedagogical Reasoning in teaching education. International Handbook of Teacher Education. v. 1. Springer Science+Business Media Singapore, 2016, p. 387-421.

LÜCK, H. Perspectivas da gestão escolar e implicações quanto à formação de seus gestores. Em aberto, Brasília. v. 17, n. 72, p. 11-33, fev./jun. 2000. Disponível em: < https://educacao.mppr.mp.br/arquivos/File/gestao_democratica/kit5/perspectivas_da_gestao_escolar_e_implicacoes.pdf>. Acesso em: 10 mai. 2020.

MARCELO GARCIA, C. Formação de professores: para uma mudança educativa. Portugal: Porto Editora, 1999, p. 133-177.

MARCELO, C. Desenvolvimento Profissional Docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de Ciências da Educação, Lisboa, n. 8, p. 7-22, jan./abr. 2009.

MARCON, D.; GRAÇA, A. B. S.; NASCIMENTO, J. V. Busca de paralelismo entre conhecimento pedagógico do conteúdo e processo de raciocínio e ação pedagógica. Educação em Revista, [S.L.], v. 27, n. 1, p. 261-294, abr. 2011. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0102-46982011000100012

MIZUKAMI, M. G. N. Aprendizagem da docência: algumas contribuições de L. S. Shulman. Educação, v. 29, n. 2, p. 33-39, Santa Maria, 2004.

MOSS, P. Reconceitualizando a infância: crianças, instituições e profissionais. In: MACHADO, M. L. de A. (Org.). Encontros e desencontros em Educação Infantil. 4. ed. São Paulo: Cortez, p. 235-247, 2011.

OLIVEIRA-FORMOSINHO, J. Desenvolvimento profissional dos professores. In: FORMOSINHO, J. (coord.). Formação de professores: aprendizagem profissional e acção docente, Portugal: Porto Editora, 2009, p. 221-284.

SHULMAN, L. S. Knowledge and Teaching: foundations of the new reform. Havard Educational Review, v. 57, n. 1, p. 1-27, 1987. Disponível em: < https://people.ucsc.edu/~ktellez/shulman.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2020.

SHULMAN, L. S. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec. São Paulo. v. 4, n. 2, p. 196-229, dez. 2014. Disponível em: https://www2.uepg.br//programa-des/wp-content/uploads/sites/32/2019/08/SHULMANN-sobre-ENSINO.pdf. Acesso em: 10 nov. 2019.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-08-01

Como Citar

MIZUKAMI, M. da G. N.; SILVA, M. T. C. da .; ANDRADE, M. de F. R. de. Comunidade Investigativa e Desenvolvimento Profissional de Professores. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 32, n. 71, p. 39–58, 2023. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2023.v32.n71.p39-58. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/16263. Acesso em: 17 jun. 2024.