Educação popular

metodologia de pesquisa como processo educativo

Autores

  • Débora Monteiro do Amaral Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)
  • Aida Victoria montrone Garcia Montrone Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2015.v24.n43.p75-88

Palavras-chave:

Educação popular. Paulo Freire. Metodologia de pesquisa. Processos educativos.

Resumo

O presente ensaio apresenta a experiência realizada em uma pesquisa de doutorado efetuada em seis assentamentos do estado de São Paulo, de junho a outubro de 2012, onde a educação popular, para além de um referencial teórico, foi utilizada como referencial metodológico. Para isso, foram utilizados alguns autores da educação popular, com destaque à obra de Paulo Freire. Objetiva-se apresentar uma proposta de metodologia de pesquisa que fuja dos métodos tradicionais existentes, propondo um novo formato de investigação, considerando a colaboração, a solidariedade e a parceria entre sujeitos da pesquisa e pesquisadores. Nesta metodologia, mais que os resultados da pesquisa, o que se torna relevante são os processos educativos que acontecem ao longo do processo investigativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Monteiro do Amaral, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professora Adjunta do Departamento de Educação, Política e Sociedade (Deps) da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Aida Victoria montrone Garcia Montrone, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Professora Associada do Departamento de Metodologia de Ensino/ Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Referências

AMARAL, D. M. Pedagogia da Terra: olhar dos/as educandos/as em relação à primeira turma do estado de São Paulo. 2010. 241 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2010.

______. Mulheres da reforma agrária na educação: os significados em ser pedagogas da terra. 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2014.

BRANDÃO, C. R. O que é educação popular. São Paulo: Brasiliense, 2006.

FERNANDES, B. M. Movimento social como categoria geográfica. AGB-Nacional: Associação dos Geógrafos do Brasil, 2005. Disponível em <http://www.agb.org.br/>. Acesso em: 10 ago. 2012.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005a.

______. A educação na cidade. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2005b.

______. Pedagogia da esperança– um reencontro com a pedagogia do oprimido. 3. ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1992.

______. À sombra desta mangueira. 8. ed. São Paulo: Olho d’ Água, 2006.

______. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 30. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996

______. Criando métodos de pesquisa alternativa. In: BRANDÃO, C. R. (Org.). Pesquisa participante. São Paulo. Brasiliense, 1983. p. 34-41.

FREIRE, P.; HORTON, M. O caminho se faz caminhando: conversas sobre educação e mudança social. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

GOHN, M. G.; ZANCANELLA, Y. A relação entre universidade e movimentos sociais como princípio da construção critica da educação do campo. Olhar de professor, Ponta Grossa, PR, n. 15, p. 57-70, 2012.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 3. ed. Tradução de Carlos Alberto R. de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

OLIVEIRA, M. W. Et al. Processos educativos em práticas sociais: reflexões teóricas e metodológicas sobre pesquisa educacional em espaços sociais. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 32., 2009, Caxambu, MG. Anais... Caxambu, MG: ANPEd, 2009.

OLIVEIRA, M. W. Processos educativos em trabalhos desenvolvidos entre comunidades: perspectivas de diálogo entre saberes e sujeitos. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz, 2003.

SOUZA, P. C. A; AMARAL, D. M. Caminhando com os invisíveis: características da pesquisa em processos educativos e práticas sociais. Políticas Educativas, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 96-113, 2009.

STRECK, D. R. A educação popular e a (re)construção do público. Há fogo sob as brasas? Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 272-284, maio/ago. 2006.

SOBOTTKA, E; EGGERT, E; STRECK, D. R. A pesquisa como mediação político-pedagógica. Reflexões a partir do orçamento participativo. In: BRANDÃO, C. R.; STRECK, D. R. (Org.). Pesquisa participante. O saber da

partilha. 2. ed. Aparecida, SP: Idéias & Letras, 2006.

VALLA, V. V. A crise de interpretação é nossa: procurando compreender a fala das classes subalternas. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 21, n. 2, p. 177-190, jul./dez. 1996.

Publicado

2015-06-19

Como Citar

AMARAL, D. M. do; MONTRONE, A. V. montrone G. Educação popular: metodologia de pesquisa como processo educativo. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 24, n. 43, p. 75–88, 2015. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2015.v24.n43.p75-88. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/1310. Acesso em: 28 fev. 2024.