Cultura digital e ensino de literatura

potências e ponderações

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2022.v31.n65.p261-280

Palavras-chave:

Cultura digital, Ensino de literatura, Netnografia

Resumo

Neste trabalho objetivamos refletir criticamente sobre as interseções entre cultura digital o ensino de literatura. Por meio da netnografia e da revisão bibliográfica, apresentamos algumas possibilidades para o trabalho em torno dos textos literários. Essas possibilidades são cotejadas com a análise de enunciados presentes na Netflix, YouTube e Twitter. Esse movimento resulta em ponderações necessárias ao exercício da docência, que são discutidas nesta investigação a partir do conceito de reificação.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nataniel Mendes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

Doutorando em Ciências da Educação - Tecnologia Educativa na Universidade do Minho - Braga/Portugal, com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa ao Desenvolv. Científico e Tecnológico - MA, FAPEMA.  Mestre em Cultura e Sociedade com área de especialização em Tecnologias de Informação e Comunicação na Educação, pela Universidade Federal do Maranhão (2015). Especialista em Língua Portuguesa e Literatura, pela Faculdade Atenas Maranhense (2008) e Graduado em Letras pela Universidade Federal do Maranhão (2005). Professor do Instituto Federal do Maranhão. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Sobre Tecnologias Digitais na Educação (GEP-TDE) e vice-líder do grupo de pesquisa Ensino-aprendizagem de Línguas e Literaturas nos Institutos Federais.

Elizabeth Corrêa da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão

Mestra em Cultura e Sociedade e licenciada em Letras Vernáculas com Espanhol pela Universidade Federal do Maranhão. Especialista em Língua Portuguesa pela Universidade Estadual do Maranhão. Professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão e membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Sobre Tecnologias Digitais na Educação (GEP-TDE) - UFMA.

Referências

AARONOVITCH, David. 1984: George Orwell’s Road to Dystopia. BBC News, 8 fev. 2013. Disponível em: https://www.bbc.com/news/magazine-21337504. Acesso em: 7 mar. 2021.

ADORNO, Theodor; HORKHEIMER, Max. A Indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985. p. 113–156.

ALIGHIERI, Dante. A divina comédia. São Paulo: Editora 34, 2005.

BOTTOMORE, Tom. Dicionário do pensamento marxista. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretária da Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: DF, 2017.

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: estrategias para entrar y salir de la modernidad. México: Grijalbo, 1989.

CARPINTÉRO, Ana Carolina Barbosa. Nós booktubers: o que, como e por que criamos vídeos sobre livros e literatura na internet. In: CIRCULAÇÃO, TRAMAS & SENTIDOS NA LITERATURA, 2018, Uberlândia. Anais... Uberlândia: 2018, p. 584–591. Disponível em: https://abralic.org.br/anais/?p=3&ano=2018. Acesso em: 6 abr. 2021.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede. 8. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v. I.

CEIA, Carlos. O que é ser professor de literatura? Lisboa: Colibri, 2002.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. Belo Horizonte: UFMG, 2001.

CORSI, Margarida da Silveira; FACIOLI DE BITENCOURT, Greice Aparecida; BOREGGIO, Solange Aparecida. Felicidade clandestina na fanfic: uma proposta de abordagem do texto literário no ensino fundamental II. Trama, v. 16, n. 39, p. 91–103, 1 out. 2020. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/24756. Acesso em: 1 abr. 2021.

COSTA, Alec. Precisamos conversar sobre o booktube • Um Bookaholic. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=aBVjJY_klWE. Acesso em: 6 abr. 2021, 2020

DALVI, Maria Amélia. Criatividade na BNCC e em pesquisas atinentes à educação literária: indagações e desvelamentos. Revista Desenredo, v. 15, n. 2, 2019. Disponível em: http://seer.upf.br/index.php/rd/article/view/9900. Acesso em: 21 maio 2020.

ECO, Umberto. As redes sociais deram voz aos imbecis, afirma Umberto Eco. Pplware. Disponível em: https://pplware.sapo.pt/informacao/as-redes-sociais-deram-voz-aos-imbecis-afirma-umberto-eco/. Acesso em: 29 mar. 2021. , 13 jun. 2015

ESPAÑA. Ministerio de Educación y Ciencia. Real Decreto 1467/2007, de 2 de noviembre por el que se establece la estructura del bachillerato y se fijan sus enseñanzas mínimas. Boletín Oficial del Estado, Madrid, n. 266. 2007. Disponível em: https://www.boe.es/buscar/act.php?id=BOE-A-2007-19184. Acesso em: 9 abr. 2021.

FONTES, Nathalia Soares. A literatura na base nacional comum curricular: o ensino literário e a humanização do indivíduo. 2018. 121 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Corumbá, 2018.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir. 20. ed. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 23. ed. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

GAMBOA, Maria José. À procura do leitor literário: textos e contextos de leitura. Exedra: Revista Científica, v. 2, p. 170–183, 2016.

GOMES, Romeu. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES, Suely Ferreira; GOMES, Romeu (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 33. ed. Petrópolis: Vozes, 2013. p. 79–108.

JEFFMAN, Tauana Mariana Weinberg. Booktubers. 2017. 393 f. Tese (Doutoramento em Ciência da Comunicação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos - UNISINOS, São Leopoldo, 2017. Disponível em: http://www.repositorio.jesuita.org.br/handle/UNISINOS/6337. Acesso em: 6 abr. 2021.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Aleph, 2008.

JOVER, Guadalupe. Un mundo por leer. Barcelona: Octaedro, 2007.

KOZINETS, Robert V. Netnografia. Porto Alegre: Penso, 2014.

LA CASA DE PAPEL (Temporada 4, Ep. 2). Direção: Álex Pina. Produção. Espanha: Netflix, 2020

LARROSA, Jorge. A novela pedagógica e a pedagogização da novela. In: LARROSA, Jorge. Pedagogia profana: Danças, piruetas e mascaradas. 4. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 117–138.

LEMOS, André. Cibercultura: alguns pontos para compreender a nossa época. In: LEMOS, André; CUNHA, Paulo (Org.). Olhares sobre a Cibercultura. Porto Alegre: Sulina, 2003. p. 11–23.

LEMOS, André. Cibercultura e mobilidade: a era da Conexão. Razón y Palabra, v. 22, n. 1_100, p. 107–133, 1 jun. 2018a. Disponível em: https://ww.revistarazonypalabra.org/index.php/ryp/article/view/1145. Acesso em: 9 abr. 2021.

LEMOS, André. Isso (não) é muito Black Mirror. Salvador: EDUFBA, 2018b.

LOUREIRO, Robson; RAMALHETE, Mariana Passos; STEN, Samira da Costa. Os livros mais vendidos: literatura juvenil e experiência estética. Perspectiva, v. 38, n. 1, p. 1–21, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2020.e67027. Acesso em: 30 jan. 2021.

LOURENÇO, Suéllen Pereira Miotto; DALVI, Maria Amélia. A mediação da leitura literária: uma proposta de metodologia temática. Revista Graphos, v. 21, n. 1, p. 77–100, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/graphos/article/view/46526. Acesso em: 2 abr. 2021.

LUKÁCS, Georg. História e consciência de classe. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MACHUCA, Jaqueline Castilho. O poço, de Galder Gaztelu-Urrutia: a distopia de um panóptico contemporâneo. Cinema & Território: Revista Internacional de Arte e Antropologia das Imagens, v. 5, p. 191–194, 2020. Disponível em: https://repositorio.uma.pt/handle/10400.13/3038. Acesso em: 5 abr. 2021.

MENDES, Nataniel. BNCC e o professor de literatura: água que corre entre pedras. Revista Teias, v. 21, n. 63, p. 135–147, 14 dez. 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/53725. Acesso em: 15 dez. 2020.

MINERBO, Marion. Big Brother Brasil, a gladiatura pós-moderna. Psicologia USP, v. 18, n. 1, p. 153–158, mar. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0103-65642007000100009&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 7 mar. 2021.

MOURA, Adelina. Podcast: um recurso de mobile learning para aprendizagem de literatura portuguesa e da língua francesa. In: MOMESSO, Maria Regina et al. (Org.). Educar com podcasts e audiobooks. Porto Alegre: CirKula, 2016. p. 147–155. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/36176. Acesso em: 9 abr. 2021.

ORWELL, George. 1984. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Mutações da literatura no século XXI. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

PETIT, Michèle. Ler o Mundo: experiências de transmissão cultural na actualidade. Matosinhos: Faktoria K de Livros, 2020.

PETIT, Michèle. Os jovens e a leitura: uma nova perspectiva. São Paulo: Editora 34, 2008.

RIBEIRO, Ana Elisa. Escrever, hoje: palavra, imagem e tecnologias digitais na educação. São Paulo: Parábola, 2018.

RODRIGUES, Silvia Viana. Rituais de sofrimento. 2011. 157 f. Tese (Doutorado em Sociologia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011. Disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8132/tde-18122012-130446/. Acesso em: 2 mar. 2021.

ROJO, Roxane; BARBOSA, Jacqueline Peixoto. Hipermodernidade, Multiletramentos e Gêneros Discursivos. São Paulo: Parábola, 2015.

SANTOS, Rosemary Santos; SANTOS, Edméa Oliveira. Cibercultura: redes educativas e práticas cotidianas. Revista Eletrônica Pesquiseduca, v. 4, n. 7, p. 159–183, 2012. Disponível em: https://periodicos.unisantos.br/pesquiseduca/article/view/226. Acesso em: 16 mar. 2021.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia: polêmicas do nosso tempo. 32. ed. Campinas, SP: Ed. Autores Associados, 1999.

SCHLEMMER, Eliane; FELICE, Massimo Di; SERRA, Ilka Márcia Márcia Ribeiro de Souza. Educação OnLIFE: a dimensão ecológica das arquiteturas digitais de aprendizagem. Educar em Revista, v. 36, p. 1–22, 2020. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/educar/article/view/76120. Acesso em: 20 mar. 2021.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

VAZ, Artur Emilio Alarcon. Youtube a serviço da literatura no Ensino Médio. In: VAZ, Artur Emilio Alarcon; MARTINS, Cláudia Mentz; PIVA, Mairim Linck (Org.). Práticas de ensino de literatura: do cânone ao contemporâneo. Vinhedo: Editora Horizonte, 2017. p. 15–20.

VELLOSO, Luciana; SANTOS, Rosemary dos; AMARAL, Mirian. Booktube: uma proposição para a produção de conhecimentos na cibercultura com o uso de webquest interativa. In: PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa (Org.). O livro na cibercultura. Santos: Editora Universitária Leopoldianum, 2019. p. 239–258. Disponível em: https://www.unisantos.br/wp-content/uploads/2019/11/Cibercultura.pdf?fbclid=IwAR2016dgqaT8xDoLdlOxh84h48xrVadq4bvrsyWFqZv64PnHN9xhxa5mI0c.

Arquivos adicionais

Publicado

2022-02-15

Como Citar

MENDES, N.; SILVA, E. C. da. Cultura digital e ensino de literatura: potências e ponderações. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 31, n. 65, p. 261–280, 2022. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2022.v31.n65.p261-280. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/11599. Acesso em: 16 jul. 2024.