Os bailes axixaenses como lugares educativos para mulheres (década de 1960)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p46-64

Palavras-chave:

Mulheres. Bailes. Representação. Distinção.

Resumo

Neste artigo, objetivou-se compreender em que medida bailes classificados como de Primeira e de Segunda funcionavam como lugares educativos para mulheres na sociedade de Axixá/MA, da década de 1960. Ancorou-se na dimensão da História Cultural; metodologia da história oral. Realizou-se pesquisas bibliográfica e de campo. Usou-se entrevista[1] semiestruturada com 05 (cinco) pessoas idosas locais. Sustentou-se teoricamente em: Chartier (2002a; 2002b; 2010) e Bourdieu (2012; 2007). Identificou-se, na sociedade axixaense da década de 1960, a existência de bailes classificados em de “Primeira” e de “Segunda”, sendo para as mulheres rigidamente definido os que poderiam frequentar. Concluiu-se que os “Bailes de Primeira” e de “Segunda” funcionavam como lugares educativos para mulheres, na medida em que, por meio de sua dinâmica e práticas educavam as mulheres sobre quais os seus lugares na sociedade local.

 

[1] As entrevistas foram realizadas mediante assinatura de Termo Livre e Esclarecido.

Neste artigo, objetivou-se compreender em que medida bailes classificados como de Primeira e de Segunda funcionavam como lugares educativos para mulheres na sociedade de Axixá/MA, da década de 1960. Ancorou-se na dimensão da História Cultural; metodologia da história oral. Realizou-se pesquisas bibliográfica e de campo. Usou-se entrevista[1] semiestruturada com 05 (cinco) pessoas idosas locais. Sustentou-se teoricamente em: Chartier (2002a; 2002b; 2010) e Bourdieu (2012; 2007). Identificou-se, na sociedade axixaense da década de 1960, a existência de bailes classificados em de “Primeira” e de “Segunda”, sendo para as mulheres rigidamente definido os que poderiam frequentar. Concluiu-se que os “Bailes de Primeira” e de “Segunda” funcionavam como lugares educativos para mulheres, na medida em que, por meio de sua dinâmica e práticas educavam as mulheres sobre quais os seus lugares na sociedade local.

 

[1] As entrevistas foram realizadas mediante assinatura de Termo Livre e Esclarecido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Delcineide, Universidade Federal do Maranhão/UFMA

DOUTORA EM EDUCAÇÃO/UFRN. MESTRE EM EDUCAÇÃO/UFMA. LICENCIADA EM HISTÓRIA/UFMA. PROFESSORA ADJUNTO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO I/UFMA E PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO/PPGE/UFMA.

Darlan, UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO/UFMA

LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA. ESPECIALIZAÇÃO EM ENSINO DE HISTÓRIA. MESTRANDO EM GESTÃO DO ENSINO DA EDUCAÇÃO BÁSICA/PPGEB/UFMA.

Referências

BAKHTIN, Mikhail, A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: HUCITEC, 1993.

BOSI, Eclea. Memória e sociedade: Lembranças dos velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

BOURDIEU, Pierre. A Dominação Masculina. 11. Ed. RJ: Bertran Brasil, 2012.

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre, RS: Zouk, 2007.

BRÜGGER, Silvia Maria Jardim. Minas patriarcal: família e sociedade (São João del-Rei - séculos XVIII e XIX). São Paulo: Annablume, 2007.

BURKE, Peter. A Escrita da História: novas perspectivas. São Paulo, UNESP, 1992.

CAMPOS, Marize Helena de. Senhoras Donas: economia, povoamento e vida material em terras maranhenses (1755-1822). São Luís: Café & Lápis: FAPEMA, 2010.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. São Paulo: DIFEL, ed. 2, 2002a.

CHARTIER, Roger. O Mundo como Representação. In: CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre incertezas e inquietudes. Porto Alegre, UFRGS: 2002b. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-4014199100010001&script=sci_arttext>. Acesso em 23 set.2020

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do quotidiano: artes de fazer. Tradução Ephraim Ferreira Alves. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.
DEL PRIORE, Mary. História do amor no Brasil. São Paulo: Contexto, 2005.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História oral: velhas questões, novos desafios. In; CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (org.). Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, 2011, p. 169 – 185.

FLORENTINO, Manolo Garcia; GÓES, José Roberto. A Paz das Senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro, 1790-1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2010.

FRANÇOIS, Etienne. A fecundidade da história oral. In: AMADO, Janaina, FERREIRA; Marieta de Moraes (org.). Usos e abusos da História oral. 8. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2006. p. 3 - 13.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. 2. ed. São Paulo: Edições Vértices, 1990.

HANNER, June E. Honra e distinção das famílias. In: PINSKY,Carla Bassanezi, PEDRO, Joana Maria (org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013.

OLIVEIRA, Marcos Fernandes de. “O único deus na terra para uma mulher é o seu marido”: a produção de códigos de gênero no jornal “o povo” e em processos-crimes do Seridó potiguar (1880-1900). 2017. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em História – PPGH) – Universidade Federal de Campina Grande, Campina Grande, 2017. Disponível em http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/handle/riufcg/1068. Acesso em 21/02/2021.

PEREIRA, Cristiana Schettini. Os Senhores da Alegria: A presença das mulheres nas grandes sociedades carnavalescas cariocas em fins do século XIX. In: CUNHA, Maria Clementina Pereira da (org.). Carnavais e outras f(r)estas: ensaios de história social da cultura. Campinas: Unicamp, CECULT, 2002. p. 311 - 332.

PINSKY, Carla Bassenezi. Gênero. In: PINSKY, Carla Bassanezi (org.). Novos temas nas aulas de História. São Paulo Contexto, 2010. p. 29-54.

PINTO, Céli Regina Jardim. Feminismo, História e Poder. Rev. Sociol. Política, Curitiba, p.15-23, jun. 2010.

RAGO, Margareth. Trabalho feminino e sexualidade. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013

SANTOS, Maurício dos. A casa grega no século V a.C., 2010. Centro de Pesquisa da Antiguidade. Disponível em <http://cpantiguidade.wordpress.com/2010/08/17/a-casa-grega-do-v-a-c>. Acesso em 19 jul. 2020.

SUTIL. Séfora Semíramis. Das virtudes ou infortúnios femininos: os ideais de conduta no Brasil oitocentista. Cadernos de História, Belo Horizonte, v. 21, n. 34, 2020 – ISSN 2237-8871.

SIMMEL, Georg. Questões fundamentais de sociologia: indivíduo e sociedade. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

SOIHET, Rachel. A conquista do espaço público. In: PINSKY, Carla Bassanezi, PEDRO, Joana Maria (org.). Nova história das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2013.

TILLY, Louise A. Gênero, História das Mulheres e História Social. Cadernos Pagu. 1994. Disponível em <www.pagu.unicamp.br/node/42>. Acesso em 23 set. 2020.

Publicado

2021-09-29

Como Citar

SEGADILHA, D. M. F.; MÉLO, D. . Os bailes axixaenses como lugares educativos para mulheres (década de 1960). Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 63, p. 46–64, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p46-64. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/11162. Acesso em: 16 jun. 2024.