Em benefício da formação da juventude feminina

práticas na Escola Normal Estadual de Campina Grande (1970)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p65-79,

Palavras-chave:

Escola Normal; Práticas Educativas; Formação Feminina.

Resumo

Este artigo objetiva dar visibilidade às principais práticas educativas implementadas na Escola Normal Estadual de Campina Grande (ENECG). Desenvolvemos algumas considerações acerca do processo de feminização do magistério, na Paraíba, e em outros estados brasileiros. Apresentamos referências documentais para discutir sobre a abertura e consolidação da ENECG como um espaço notadamente institucionalizado para mulheres. E evidenciamos algumas imagens que expõem o modo como as docentes em formação deveriam se vestir e se apresentar seguindo os preceitos educacionais vigentes no final do século XIX e início do século XX. Com base na investigação empreendida nas imagens selecionadas, bem como trechos específicos do jornal O Diário da Borborema, articulados a uma bibliografia específica e complementar da temática em questão, verificamos que as estudantes da ENECG estavam inseridas em um contexto de regulação, controle e hierarquização dos corpos (FOUCAULT, 2014). Tais aspectos podem ser percebidos em práticas comportamentais impostas a essas estudantes, quando de sua participação em missas e solenidades, além do uso de fardamentos padronizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Jane Soares de. Mulheres na educação: Missão, vocação e destino? A feminização do magistério ao longo do século XX. In: SAVIANI, Dermeval et al. O legado educacional do século XX no Brasil. – Campinas – SP; Autores Associados, 2004.

ARAUJO, José Carlos Souza et al. À guisa de um Inventário sobre as Escolas Normais no Brasil: O movimento histórico-educacional nas unidades provinciais/federativas (1835-1960). In: ARAUJO, José Carlos Souza; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; LOPES, Antônio de Pádua Carvalho (Org.). As escolas normais no Brasil: do Império à Republica. Campinas: Alínea, 2008. p. 11-27.

BENCOSTTA. Marcus Levy Albino. Grupos escolares no Brasil, um novo modelo de escola primária. In: STEPHANOU, Maria. BASTOS, Maria Helena Camara (Org). Histórias e memórias da educação no Brasil, vol. III: século XX. 4ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BRZEZINSKI, Iria. Escola Normal de Goiás: Nascimento, apogeu, ocaso, (re)nascimento. In: ARAUJO, José Carlos Souza; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; LOPES, Antônio de Pádua Carvalho (Org.). As escolas normais no Brasil: do Império à República. Campinas: Alínea, 2008. p.279-298.

BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. Tradução: Vera Maria Xavier dos Santos – Bauru, SP, EDUSC, 2004.

CAMINHA, Adolfo. A Normalista. Rio de Janeiro, RJ, 8ª ed. Editora Ática, 1983.

CASTANHA, André Paulo. O processo de feminização do magistério no Brasil do Século XIX: coeducação ou escolas mistas. Hist. Educ. [Online]. Porto Alegre v. 19 n. 47 Set./dez., 2015 p. 197-212.

CARVALHO, Alessandra. A Normalista: uma abordagem de cunho naturalista da sociedade fortalezense do século XIX. Revista de ESTUDOS Acadêmicos de Letras, v. 10, p. 170-181-181, 2017. Disponível em: https://periodicos.unemat.br/index.php/reacl/article/view/1794. Acesso em:18 out. 2020.

CHAMON, Magda. As mulheres entre as esferas públicas e privada. In: Trajetória da feminização do magistério: ambiguidades e conflitos. Belo Horizonte: Autêntica/ FHC-FUMEC, 2005.

CHARTIER, Roger. A história ou a leitura do tempo. 2ª ed. Belo Horizonte. Autêntica, 2020.

ENGUITA, Mariano Fernández. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a proletarização. Revista Teoria e Educação – Dossiê: interpretando o trabalho docente, Porto Alegre, Pannonica, n. 4, p. 41-61, jan. 1991.

FERNANDES, Silvana Torquato. Uma outra representação da modernização em Campina Grande: a cidade nas páginas do Diário da Borborema (1960/1980). 2011. 145f. Trabalho de Conclusão de Curso (Dissertação) – Programa de Pós Graduação em História – Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Campina Grande, 2011.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: o nascimento da prisão. Rio de Janeiro, Vozes, 2014.

______. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. – 24. ed. – São Paulo: Edições Loyola, 2014.

GINZBURG, Carlo. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Mitos, Emblemas e Sinais. Companhia das Letras, 1990.

KULESZA, Wojciech Andrej. A institucionalização da Escola Normal no Brasil (1870-1910). Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v.79, n 193, p. 63-71, set./dez. 1998.

______. Formação Histórica da Escola Normal da Paraíba. In: ARAUJO, José Carlos Souza; FREITAS, Anamaria Gonçalves Bueno de; LOPES, Antônio de Pádua Carvalho (Org.). As escolas normais no Brasil: do império à república. Campinas: Alínea, 2008. p. 263-278.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6. ed. Petrópolis- RJ: Vozes, 1997.

MARCON, Mônica D’Andréa. Aspectos Históricos do Uso dos Uniformes Escolares: reflexões no campo da educação e da moda (1940-2000 Caxias do Sul). Caxias do Sul: UCS, 2010. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Filosofia e Educação, Universidade de Caxias do Sul.

MENDONÇA, Ana Waleska. XAVIER, Libânia Nacif. et al. Por uma política de formação do magistério nacional: o Inep/MEC dos anos 1950/1960. Brasília-DF. – Inep, 2008. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/documents/186968/492393. Acesso em: 12 out. 2020.

PASSOS, Mauro (Org). A mística da identidade docente: tradição, missão e profissionalização. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2011.

SANTOS, A. M. dos; SILVA, R. S. O processo de construção da identidade docente no Brasil. In: SIE XV Seminário Internacional de Educação: Educação e Interdisciplinaridade, percursos teóricos e metodológicos, 2016, Novo Hamburgo/RS. Anais. XV Seminário Internacional de Educação. Novo Hamburgo/RS: FEEVALE, 2016. v. 01. p. 01-10.

SCHUELER, Alessandra Frota Martinez de. Culturas escolares e experiências docentes na cidade do Rio de Janeiro (1854-1889). 2002. 280 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação da Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, 2002.

SOUSA, P. T. A. de. “Em benefício da formação da juventude feminina”- a Escola Normal Estadual de Campina Grande (1955-1960). 2018. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Centro de Humanidades, Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, Brasil, 2018.

SOUZA, Rosa Fátima de. Templos de civilização: a implantação da escola primária graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: UNESP, 1998.

TANURI, Leonor Maria. História da formação de professores. Revista Brasileira de Educação, n.º 14, mai/jun/jul/ago de 2000 (Número Especial – 500 anos de educação escolar), 2000, p. 61-88. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n14/n14a05 Acesso em: 12 ago. 2020.

Jornais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO. Diário da Borborema. Campina Grande – PB. 21 de janeiro de 1958. p.2, n°89.

A VOZ DE CAMPINA GRANDE. Diário da Borborema. Campina Grande – PB. 28 de fevereiro de 1959. p.2, n°410.

AÇÃO DO GOVERNO NA EDUCAÇÃO. Diário da Borborema. Campina Grande – PB. 18 de março de 1959. p.2, n°425.

CONCLUINTES. Diário da Borborema. Campina Grande – PB. 25 de novembro de 1970. p.7, n°4234.

ESCOLA NORMAL COMEMORA ANIVERSÁRIO COM A PÁSCOA. Diário da Borborema. Campina Grande – PB. 5 de maio de 1971. p.1, n°4346.

ESCOLA NORMAL EXIGE NOVO MODELO DE FARDA. Diário da Borborema. Campina Grande – PB. 27 de janeiro de 1972. p.3, n°4563.

Publicado

2021-09-29

Como Citar

DE SOUSA, P. T.; NUNES TRISTÃO, I. N. .; SENA, F. . Em benefício da formação da juventude feminina: práticas na Escola Normal Estadual de Campina Grande (1970). Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 30, n. 63, p. 65–79, 2021. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2021.v30.n63.p65-79,. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/10876. Acesso em: 13 abr. 2024.