A (in)corporeidade do professor em tempos de pandemia e educação à distância

Palavras-chave: Educação à distância emergencial, Psicanálise, Corpo, Presença, Temporalidade

Resumo

O artigo percorre alguns elementos tradicionais e ordinários do trabalho docente em sala de aula, no ensino presencial, para pensar os efeitos da educação remota, proposta em tempos de pandemia pelo coronavírus (SARS-CoV-2), em que escolas no mundo todo foram fechadas devido às medidas sanitárias de distanciamento físico, como forma de não interromper o ano letivo. Objetiva-se analisar, à luz da interlocução entre Educação e Psicanálise, os limites e impasses provocados pela educação à distância emergencial, a partir da discussão de algumas nuances referentes ao corpo, à presença e à temporalidade, os quais dão sustentação ao trabalho docente. Alguns desdobramentos a respeito da erotização da educação, da função da escola, da tradição e da transmissão são apresentados e iluminam tempos tão extraordinários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARENDT, H. A condição humana. Tradução: Roberto Raposo, posfácio de Celso Lafer. 10. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

ARENDT, H. Entre o passado e o futuro. Tradução: Mauro W. Barbosa. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

BAPTISTA, A.; JERUSALINSKY, J. (org.). Intoxicações eletrônicas: o sujeito na era das relações virtuais. Salvador: Ágalma, 2017.

BENVENUTI, E. A educação como âmbito pré-político. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL HANNAH ARENDT – A crise na educação revisitada, 1., 2013, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: Feusp/Geepc, 2013. p. 80-94.

BIESTA, J. G. G. Boa educação na era da mensuração. Cadernos de Pesquisa, v. 42, n. 147, p. 808-825, set./dez. 2012.

BIESTA, G. J. J. Beautiful risk of education. London: Routledge, 2015.

BIESTA, G.; PICOLI, B. O dever de resistir: sobre escolas, professores e sociedade. Educação, v. 41, n. 1, p. 21-29, 2018.

BRASIL. Ministério Público do Trabalho. Nota Técnica – GT COVID 19 - 11/2020, de 17 de julho de 2020. Dispõe sobre a atuação do Ministério Público do Trabalho na defesa da saúde e demais direitos fundamentais de professoras e professores quanto ao trabalho por meio de plataformas virtuais e/ou em home office durante o período da pandemia da doença infecciosa COVID-19. Brasília, DF, 2020. Disponível em: https://mpt.mp.br/pgt/noticias/pgt-mpt-nota-tecnica-11-professores-as.pdf. Acesso em: 19 jul. 2020.

CARVALHO, J. S. F. de. “Democratização do ensino” revisitado. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 327-334, maio/ago. 2004.

CÁSSIO, F. L.; CARNEIRO, S. R. G. É hora de falar da educação como bem público. Le Monde Diplomatique Brasil, 20 mai. 2020.

CASTEL, R. Da indigência à exclusão, a desfiliação: precariedade do trabalho e vulnerabilidade relacional. In: LANCETTI, A. (org.). Grupos e coletivos. São Paulo: Hucitec, 1994. p. 21-48. (SaúdeLoucura, 4).

CUSTÓDIO, C. de O. Educação e mundo comum em Hannah Arendt: reflexões e relações em face da crise do mundo moderno. 2011. 134 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2011.

FIGUEIREDO, L. C. As diversas faces do cuidar: considerações sobre a clínica e a cultura. In: MAIA, M. S. (org.). Por uma ética do cuidado. Rio de Janeiro: Garamond, 2009. p. 120-141.

FRANÇA FILHO, A. L.; ANTUNES, C. da F.; COUTO, M. A. C. Alguns apontamentos para uma crítica da EaD na educação brasileira em tempos de pandemia. Revista Tamoios, v. 16, n. 1, p. 16-31, 2020.

FRANCISCO, M. de F. S. Preservar e renovar o mundo. Revista Educação Especial: Biblioteca do Professor, São Paulo, n. 4, p. 26-35, 2007.

FREUD, S. Prefácio a Juventude Desorientada, de Aichhorn. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIX. Rio de Janeiro: Imago, 1969a. p. 310-314.

FREUD, S. Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. VII. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1969b. p. 119-231.

FREUD, S. Algumas reflexões sobre a psicologia do escolar. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIII. Trad. J. Salomão. Rio de Janeiro: Imago, 1976a. p. 285-288.

FREUD, S. O mal-estar na civilização. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XXI. Rio de Janeiro: Imago, 1976b. p. 75-174

FREUD, S. A História do movimento psicanalítico. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1996a. p. 77-108.

FREUD, S. Luto e melancolia. In: FREUD, S. Edição Standard Brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud, vol. XIV. Rio de Janeiro: Imago, 1996b. p. 245-263

FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Educação escolar em tempos de pandemia na visão de professoras/es da Educação Básica. Educação escolar em tempos de pandemia, Informe n. 1, São Paulo, 2020. Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/educacao-pesquisa/educacao-escolar-em-tempos-de-pandemia-informe-n-1. Acesso em: 19 jul. 2020.

KUPFER, M. C. M. O sujeito na psicanálise e na educação: bases para uma educação terapêutica. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 35, n. 1, p. 265-28, jan./abr. 2010.

KUPFER, M. C. M. Et al. Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica. Latin American Journal of Fundamental Psychopathology Online, v. 6, n. 1, p. 48-68, 2009.

LACAN, J. O Seminário, livro 11. Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

LAJONQUIÉRE, L. de. As palavras e as condições da educação escolar. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 2, p. 455-469, abr./jun. 2013.

LAJONQUIÈRE, L. de. Figuras do infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

MASSCHELEIN, J; SIMONS, M. Em defesa da escola: uma questão pública. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Coalizão global de educação. 2020. Disponível em: https://pt.unesco.org/covid19/educationresponse/globalcoalition. Acesso em: 16 mar. 2020.

RAHME, M. M. F. Psicanálise e Educação: um percurso de inquietações. Revista Espaço Acadêmico, v. 11, n. 131, p. 43-51, 2012.

SILVA, K. C. B. da. Educação inclusiva: para todos ou para cada um? Alguns paradoxos (in)convenientes. São Paulo: FAPESP/Escuta, 2016.

SILVA, K. C. B. da. O que uma mãe pode nos ensinar sobre função materna? Da face inexpressiva à construção do corpo erógeno. In: PARLATO-OLIVEIRA, E.; SZEJER, M. (org.). O bebê e os desafios da cultura. São Paulo: Instituto Langage, 2019. p. 151-164.

SILVA, I. C. da. Da presença virtual: um estudo sobre a transferência em contexto de educação a distância. 2010. 132 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2010.

SOUZA, M. C. C. C. de. Sob o silêncio da escola, a memória. Revista Brasileira de História, v. 17, n. 33, p. 280-292, 1997.

VALENTE, J. A. O “estar junto virtual” como uma abordagem de educação a distância: sua gênese e aplicações na formação de educadores reflexivos. In: CARVALHO, M. J.; MENEZES, C.; NEVADO, R. (org.). Educação à distância: prática e formação do profissional reflexivo. São Paulo: Avercamp, 2009. p. 37-64.

VIRILIO, P. O espaço crítico. Rio de Janeiro: Editora 34, 1993.

VOLTOLINI, R. Do contrato pedagógico ao ato analítico: contribuições à discussão da questão do mal-estar na educação. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 6, n. 10, p. 101-111, 2001.

VOLTOLINI, R. A educação como “fato inconveniente” para a psicanálise. In: PSICANÁLISE, EDUCAÇÃO E TRANSMISSÃO, 6., 2006, São Paulo. Anais eletrônicos [...]. São Paulo: LEPSI/IP/FE/USP, 2006. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000032006000100006&lng=pt&nrm=abn. Acesso em: 17 mar. 2020.

VOLTOLINI, R. A relação professor-aluno não existe: corpo e imagem, presença e distância. ETD-Educação Temática Digital, v. 8, n. esp., p. 119-139, 2007a.

VOLTOLINI, R. O discurso do capitalista, a psicanálise e a educação. In: LEITE, N. V. de A.; AIRES, S.; VERAS, V. (org.). Linguagem e gozo. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2007b. p. 197-212.

VOLTOLINI, R. Uma pedagogia esquecida do amor. ETD-Educação Temática Digital, v. 21, n. 2, p. 363-381, 2019.

VOLTOLINI, R. Educação e Psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

XIMENES, S. B. Et al. A discriminação no ensino não-presencial em tempos de pandemia. Nexo, 16 jun. 2020. Disponível em: https://nexojornal.com.br/ensaio/debate/2020/A-discriminação-no-ensino-não-presencial-em-tempos-de-pandemia. Acesso em: 16 mar. 2020.

Publicado
2020-12-31
Métricas
  • Visualizações do Artigo 546
  • pdf downloads: 320
Como Citar
SILVA, K. C.; ALCANTARA, K. C. A (in)corporeidade do professor em tempos de pandemia e educação à distância. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, v. 29, n. 60, p. 102-116, 31 dez. 2020.
Seção
Dossiê Temático 62