As relações entre a formação do PNAIC e as práticas de alfabetização

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n60.p345-363

Palavras-chave:

Professoras alfabetizadoras, Práticas de alfabetização, PNAIC

Resumo

Alfabetizar envolve a apropriação das práticas de leitura e de escrita pelos aprendizes, o que determina tanto a formação quanto as práticas pedagógicas dos professores alfabetizadores. Neste trabalho objetivamos identificar e analisar quais aspectos da formação do Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC) fazem parte das práticas alfabetizadoras das professoras após as etapas desta formação. A investigação teve uma abordagem qualitativa, com procedimentos de coleta de dados por meio de entrevistas com seis professoras alfabetizadoras. Os dados coletados foram trabalhados a partir da análise de conteúdo. Os resultados apontam que a formação do PNAIC trouxe contribuições para as práticas, incluindo o aprofundamento de teorias, a melhor compreensão da avaliação dos níveis de escrita dos alunos, a ampliação do uso da ludicidade, a importância do planejamento e o melhor entendimento da função social da leitura e da escrita. Evidenciamos que o PNAIC foi relevante para as professoras alfabetizadoras, sendo significativo para seus processos de formação docente e para a ressignificação de suas práticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOLZAN, Doris Pires Vargas; MILLANI, Silvana Martins de Freitas. Aprendizagem da docência alfabetizadora: desafios à formação. Revista Contrapontos, Itajaí, SC, v. 13, n. 3, p. 186-194, set./dez. 2013.

BRAGA, Andreia Martinazzo. Processos formativos de professoras alfabetizadoras: um estudo a partir da formação continuada do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (PNAIC). 2019. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade do Oeste de Santa Catarina (Unoesc), Joaçaba, SC, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: formação do professor alfabetizador: caderno de apresentação. Brasília, DF: MEC/SEB, 2012a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Apoio à Gestão Educacional. Pacto nacional pela alfabetização na idade certa: ludicidade na sala de aula. Brasília, DF: MEC/SEB, 2012b.

CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e linguística. São Paulo: Scipione, 1993.

CORREA, Regina Aparecida. Concepções de alfabetização e letramento: a voz de professoras participantes do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC no município de Ouro Peto – MG. 2017. 151 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Ciências Humanas e Sociais, Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, 2017.

FERREIRO, Emília. Alfabetização em processo. São Paulo: Cortez, 1988.

FERREIRO, Emília. Com todas as letras. v. 2. São Paulo: Cortez, 1999.

FERREIRO, Emília; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1979.

FRANCO, Maria Amélia Santoro. Pedagogia e prática docente. São Paulo: Cortez, 2012.

LIBÂNEO, José Carlos. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro? In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 63-93.

NÓVOA, Antônio. Os professores e a sua formação. In: NÓVOA, Antônio (coord.). Formação de professores e profissão docente. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 15-34.

OLIVEIRA, Marineiva Moro Campos de. Concepções e fundamentos do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa e seus desdobramentos na formação de alfabetizadores na perspectiva de uma alfabetização emancipatória em Xaxim/SC. 2016. 181 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE), Francisco Beltrão, PR, 2016.

PIMENTA, Selma Garrido. Professor reflexivo: construindo uma crítica. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 20-62.

PIMENTA, Selma Garrido. Saberes pedagógicos e atividades docente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

SANTIAGO, Luciane Teresinha Munhoz. As influências do PNAIC na dinâmica do processo de alfabetização. 2015. 143 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Centro Universitário La Salle (UNILASALLE), Canoas, RS, 2015.

SOARES, Magda. A reinvenção da alfabetização. Revista Presença Pedagógica, Belo Horizonte, v. 9, n. 52, p. 15-21, jul./ago. 2003.

SOARES, Magda. Alfabetização e letramento. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2008.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

TEBEROSKY, Ana; COLOMER, Teresa. Aprender a ler e escrever: uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2003.

VIEIRA, Claudia Figueiredo Duarte. Formação continuada de professores no Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa - PNAIC: do texto ao contexto. 2015. 156 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Piauí (UFPI), Teresina, 2015.

Publicado

2020-12-31

Como Citar

BRAGA, A.; FELDKERCHER, N. . As relações entre a formação do PNAIC e as práticas de alfabetização. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 60, p. 345–363, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n60.p345-363. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/10520. Acesso em: 15 jun. 2024.