Psicomotricidade relacional sob a ótica de conceitos teóricos de Vygotsky e Bronfenbrenner

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n60.p308-321

Palavras-chave:

Psicomotricidade relacional, Bioecologia, Mediação semiótica

Resumo

O presente artigo tem por objetivo apresentar a Psicomotricidade Relacional (PR) por meio do diálogo entre a teoria sócio-histórica de Lev Semionovitch Vygotsky e a teoria Bioecológica de Urie Bronfenbrenner. A PR tem por base os aspectos lúdicos do brincar com movimento e expressões corporal/artística/musical/verbal. Essas são as linguagens através das quais as crianças se manifestam e se comunicam, estabelecendo pontes entre o real e o imaginário. As relações na PR serão a tônica do diálogo conceitual estabelecido entre os autores, enfatizando-se o poder das díades em Bronfenbrenner e os processos de mediação semiótica em Vygotsky. Lançar o “olhar” sob o prisma destas duas teorias permite ressaltar a relevância do papel do psicomotricista como propulsor de interações de desenvolvimento com os participantes. A PR potencializa, por meio das relações, a criatividade, a busca da autonomia e uma compreensão maior de si mesmo, e pode projetar mudança de atitudes. Conclui-se que a PR representa um diferencial no que se refere à sua metodologia potencializadora de novas aprendizagens

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUCOUTURIER, B.; DARRAULT, I.; EMPINET, J. L. A prática psicomotora: reeducação e terapia. Porto Alegre: Artes Médicas, 1986.

BERSCH, A. A. S.; PISKE, E. L. Psicomotricidade relacional: estratégia de intervenção pedagógica na educação. Itinerarius Reflectionis, v. 16, n. 3, p. 1-18, abr. 2020. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/rir/article/view/60420. Acesso em: 15 jun. 2020.

BERSCH, A. A. S.; JULIANO, A. Psicomotricidade relacional e a repercussão na formação acadêmica de alunos de Educação Física – FURG. Revista Didática Sistêmica, v. 17, n. 1, p. 121-134, 2016. Disponível em: https://periodicos.furg.br/redsis/article/view/5906. Acesso em: 18 jul. 2020.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre, Artes Médicas, 1996.

BRONFENBRENNER, U. Bioecologia do desenvolvimento humano: tornando seres humanos mais humanos. Porto Alegre: Artmed, 2011.

BRONFENBRENNER, U.; MORRIS, P. A. The ecology of developmental process. In: DAMON, W.; LERNER, R. M. (ed.). Handbook of child psychology: theoretical models of human development. 5. ed. New York: John Wiley & Sons, 1998. p. 993-1028.

CECCONELLO, A. M.; KOLLER, S. Inserção ecológica na comunidade: uma proposta metodológica para o estudo de famílias em situação de risco. In: KOLLER, S. H. (ed.). Ecologia do desenvolvimento humano: pesquisa e intervenção no Brasil. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2004. p. 267-291.

FREITAS, M. T. A. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, n. 116, p. 21-39, jul. 2002.

FONSECA, V. da. Psicomotricidade: perspectivas multidisciplinares. 1. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

JULIANO, A. Et al. Psicomotricidade relacional na educação infantil: relações de pertencimento e reflexões com a educação ambiental. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 33, n. 3, p. 198-212, 2016. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/5832. Acesso em: 21 ago. 2020

LAPIERRE, A. Da psicomotricidade relacional à analise corporal da relação. Curitiba: Ed. UFPR, 2010.

LAPIERRE, A.; AUCOUTURIER, B. Fantasmas corporais e prática psicomotora. São Paulo: Manole, 1984.

LAPIERRE, A.; LAPIERRE, A. O adulto diante da criança de 0 a 3 anos: psicomotricidade relacional e formação da personalidade. Curitiba: Ed. UFPR: Criar, 2010.

MACHADO, J. A.; YUNES, M. A. M.; SILVA, G. F. A formação continuada de professores em serviço na perspectiva da abordagem ecológica do desenvolvimento humano. Contrapontos, v. 14, n. 3, p. 512-526, 2014. Disponível em: http://www6.univali.br/seer/index.php/rc/article/view/4842. Acesso em: 28 fev. 2015.

MOLON, S. I. Subjetividade e constituição do sujeito em Vygotsky. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

NARVAZ, M.; KOLLER, S. H. Famílias, violências e gêneros: desvelando as tramas da transmissão transgeracional da violência de gênero. In: STREY, M. N.; AZAMBUJA, M. P. R.; JAEGER, F. P. (eds.). Violência, gênero e políticas públicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004. p. 149-176.

NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil – simbologia e jogo. Porto Alegre: Prodil, 1994a.

NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil – perspectiva psicopedagógicas. Porto Alegre: Prodil, 1994b.

NEGRINE, A. Aprendizagem e desenvolvimento infantil – psicomotricidade: alternativas pedagógicas. Porto Alegre: Prodil, 1995.

OLIVEIRA, L. O sentido do lugar. In: MARANDOLA JUNIOR, Eduardo; HOLZER, Werther; OLIVEIRA, Lívia de. Qual o espaço do lugar? 1. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

POSECK, B. V. Psicología positiva: una nueva forma de entender la psicología. Madrid: Calamar Ediciones, 2008.

SELIGMAN, M. E. P. Et al. Positive psychology progress: empirical validation of interventions. American Psychologist, v. 60, n. 5, p. 410-421, 2005.

SIRGADO, A. P. O social e o cultural na obra de Vigotsky. Educação & Sociedade, ano XXI, v. 21, n. 71, p. 45-78, jul. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v21n71/a03v2171.pdf. Acesso em: 23 abr. 2020.

VIEIRA, J. L.; BATISTA, M. I. B.; LAPIERRE, A. Psicomotricidade relacional: a teoria de uma prática. Curitiba: Filosofart, 2005.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984.

VYGOTSKY, L. S. Historia del desarrollo de las funciones psíquicas superiores. Madrid: Visor Distribuciones S.A., 1995.

VYGOTSKY, L. S. Teoria e método em psicologia. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

VYGOTSKY, L. S. Manuscrito de 1929. Educação & Sociedade, v. 21, n. 71, p. 21-44, 2000.

VYGOTSKY, L. S. A construção do pensamento e da linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, L. S. O desenvolvimento psicológico na infância. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ZANELLA, A. Et al. Questões de método em textos de Vygotski: contribuições à pesquisa em Psicologia. Psicologia & Sociedade, v. 19, n. 2, p. 25-33, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/psoc/v19n2/a04v19n2.pdf. Acesso em: 20 abr.2020

YUNES, Maria A. M.; JULIANO, Maria C. A bioecologia do desenvolvimento humano e suas interfaces com educação ambiental. Cadernos de Educação, Pelotas, RS, n. 37, p. 347-379, set./dez. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/viewFile/1591/1477. Acesso em: 20 ago. 2020.

Publicado

2020-12-31

Como Citar

BERSCH, Ângela A.; YUNES, M. A.; MOLON, S. I. . Psicomotricidade relacional sob a ótica de conceitos teóricos de Vygotsky e Bronfenbrenner. Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, [S. l.], v. 29, n. 60, p. 308–321, 2020. DOI: 10.21879/faeeba2358-0194.2020.v29.n60.p308-321. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/faeeba/article/view/10518. Acesso em: 24 jun. 2024.