BANDO DE TEATRO OLODUM: arte como ferramenta no combate ao racismo no contexto sociocultural brasileiro

  • Gildete Paulo Rocha Professora assistente da UNEB
  • Priscila Borges Cunha UNEB
Palavras-chave: Bando de teatro Olodum. Racismo à brasileira. Antirracismo

Resumo

Resumo: O presente trabalho, de caráter inicial, tem como objeto de estudo o grupo teatral baiano Bando de Teatro Olodum tendo como propósito refletir sobre o papel da arte como ferramenta de combate ao racismo. O tipo de pesquisa em questão é qualitativo com o percurso exploratório–descritivo, os dados coletados foram através de revisão bibliográfica e análise documental. O referencial teórico aporta-se em livros, revistas, produções acadêmicas, sites, blogs, vídeos, documentários entre outras fontes que abordam essa temática. Os resultados apontam uma ligação entre o movimento teatral e o sociocultural, assumindo uma postura política e ideológica da valorização da cultura negra, assim, os artistas militam cotidianamente contra a dis­criminação racial.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gildete Paulo Rocha, Professora assistente da UNEB
Mestre em Letras: Linguagens e Representações pela UESC; Especialização em educação pela UEFS; graduada em Letras Vernáculas UFBA Professora assistente da UNEB. Pesquisadora do CNPq com atuação no grupo: FIRMINA - Pós- Colonialidade (Firmina - colonialidade, história, cultura e ações afirmativas)
Priscila Borges Cunha, UNEB
ESTUDANTE DO CURSO DE LETRAS DA UNEB CAMPUS XVIII

Referências

REFERÊNCIAS

AZEVEDO JUNIOR, José Garcia de. Apostila de Arte – Artes Visuais. São Luís: Imagética Comunicação e Design, 2007. 59 p.: il.

BOAL, Augusto. O Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro:Civilização Editora, 2010.

DELEUZE, Gilles. O ato da criação. A obra de arte não é um instrumento de comunicação. Folha de São Paulo, São Paulo, 27 jun. 1999.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Bahia, Edufba, 2008.

HALL, S. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Org. Liv Sovik. 2ª.ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013. p. 372-388

LAVALLÉ, JOANA. Conversas com o bando de teatro Olodum: entrevistas com Chica Carelli, Márcio Meirelles e Jorge Washington. Periódicos de programa de pós-graduação em artes cênicas PPGAC/UNIRIO. O Percevejo Online| V. 8, n. 1 | p. 214-238 | jan. / jun. 2016 Disponível em: <https://www.academia.edu/27347333/conversas_com_o_bando_de_teatro_olodum-Revista_Percevejo.pdf. Acesso em: 15/09/2019.

LIMA, E. T. Teatro negro, existência por resistência: problemáticas de um teatro brasi-leiro. Repertório, Salvador, n. 17, p. 82-88, 2011.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. Cadernos PENESB - Periódico do Programa de Educação sobre o Negro na Sociedade Brasileira, Niterói, UFF, n. 5, p. 15-34, 2004

MARTINS, Leda Maria. A cena em sombras. São Paulo: Editora Perspectiva, 1995.

MARTINS, Suzana. ADança de Yemanjá Ogunté, Sob A Perspectiva Estética do Corpo, Salvador: EGBA, 2008.

MEIRELLES, Márcio. Cabaré da Raça. Programa e texto da peça, 2005.

MEIRELLES, M. Trilogia do Pelo: Essa é nossa praia; Ó pai ó; Bai bai, pelô. Textos de: Caetano Veloso, Marcelo Dantas, Armindo Bião, Ana Fernandes, MARCO AURÉLIO, A.F. Gomes. Fotos: Isabel Gouveia. Salvador: FCJA; Copene; Grupo Cultural Olodum, 1995

MOORE, C.(org). (2010). AiméCésaire - discurso sobre a negritude. Belo Horizonte: Nandyala.

NASCIMENTO, A. Teatro experimental do negro: trajetória e reflexões. Estudos Avançados, São Paulo, v.18, n. 50, p.16, jan./abr. 2004.

NASCIMENTO, A. O genocídio do negro brasileiro: processo de racismo mascarado, 3. Ed. São Paulo: perspectivas, 2016.

NASCIMENTO, A. Sortilégio II: Mistério Negro de Zumbi Redivivo. Abdias do Nascimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

PAVIS, P. Dicionário de teatro. Tradução: J. Guirsburg e Maria Lúcia Pereira (direção). São Paulo: Perspectiva, 2005.

RISÉRIO, A. Carnaval Ijexá: notas sobre afoxés e blocos do novo carnaval afrobaiano. Salvador, Corrupio, 1981

ROUBINE, Jean Jacques. A linguagem da encenação teatra. Tradução de Yan Michalski. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

SILVA, Luiz (Cuti). Literatura negra e Dramaturgia. In: I Forum Nacional de Performance Negra (Org. Gustavo Mello e Luiza Bairros). Salvador (Anais), 2005. pp. 77-88.

TAVARES, Júlio. Dança de Guerra: arquivo e arma. Belo Horizonte: Nandyala, 2012.

UZEL, Marcos. O Teatro do bando: negro baiano, e popular. Vila Velha. Salvador: p555 Edições, 2003

Publicado
2020-07-10
Métricas
  • Visualizações do Artigo 76
  • PDF downloads: 136