A (DES)POLITIZAÇÃO DA JUVENTUDE FRENTE A FRAGMENTAÇÃO IDENTITÁRIA NA CONTEMPORANEIDADE

  • Sávio Oliveira Silva UNEB
Palavras-chave: Identidade, Tecnologia, Pós-modernidade, Juventude.

Resumo

O presente trabalho visa reverberar acerca das práticas e reflexões da juventude na entre as duas primeiras décadas do século XXI, em vista de perceber as construções e desconstruções de identidades e ideologias culturais, sociais e principalmente políticas Dessa forma, analisando essencialmente as moldagens dirigidas pelas novas formas de construção do saber e suas adaptações às plataformas digitais na tentativa de ampliar seu campo de visão e se manter ativo às novas roupagens do sistema capitalista e/ou governamental. As discussões estarão a luz da captação de teorias raciais no intuído de se pensar também a condição de raça como fator preponderantemente mais afetada na discussão desde a modernização até a contemporaneidade. Dirigida no campo de pesquisa dos Estudos Culturais, o referente artigo se compõe no cerne da metodologia de revisão bibliográfica. Para tanto, utilizando de teóricos contemporâneos que discutem a manutenção corpórea una aos movimentos como forma de construção política e ideológica em menção, bem como: Stuart Hall (1934-2014), Nilma Lino Gomes (1961), Achille Mbembe (1957-), dentre outros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sávio Oliveira Silva, UNEB
Ativista racial e acadêmico do curso de Licenciatura em Letras com habilitação em Língua Portuguesa e Literaturas pela Universidade do Estado da Bahia, DCHT CAMPUS XXI. Representante discente do Colegiado de Letras Vernáculas na mesma universidade. Desenvolveu pesquisa como Bolsista da Pró-Reitoria de Ações Afirmativas PROAF de 2017 a 2019 pesquisando sobre Negritude, Negrice e Negritice.  Focaliza seus estudos no campo dos Estudos Culturais com as noções de Raça; Hip-Hop; Movimento Negro e Diáspora. Faz parte do grupo de pesquisa e extensão do Órgão de Relações Étnicas – ODEERE/UESB no curso de Educação e Cultura Afro Brasileira. Têm poemas, artigos e resenhas acadêmicas publicadas no âmbito da área de Raça, Etnia e Identidade. Participa assiduamente de encontros nacionais e internacionais do curso de letras e de eventos de cunho racial promovendo e problematizando suas pesquisas. Fundador do Coletivo Afrodiaspórico localizado no território de identidade: Médio Rio das Contas.

Referências

DOVE, Nah. Mulherisma Africana: uma teoria acrocêntrica. Tradução Wellington Agudá. Jornal de estudos negros: Vol. 28, Nº 5, maio de 1998.

GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro Educador: saberes construídos nas lutas por emancipação / Nilma Lino Gomes. – Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva, Guaracira, Lopes Louro - 11. ed. - Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

MBEMBE, Achille. A saída da democracia in: Política da inimizade. Tradução Marta França: 1ª ed. Jul. 2017.

MESSIAS, Ivan dos Santos. Hip-hop, educação e poder: o rap como instrumento de educação. Salvador: EDUFBA, 2015.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de reexistência: poesia, grafite, música, dança: HIP-HOP. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

Publicado
2020-06-01
Métricas
  • Visualizações do Artigo 123
  • PDF downloads: 57