“Kadhawê Tawá – Celebrando o barro” Cerâmica tradicional, alteridade, saberes e fazeres estéticos.

Palavras-chave: Artesanato, Cerâmica, Fazeres, Tecnologia, Saberes.

Resumo

Este artigo apresenta um estudo dos processos envolvidos nos modos dos saberes e fazeres inerentes à cerâmica nas comunidades tradicionais das Ceramistas do distrito de Coqueiros - Maragogipe - Bahia e da comunidade Pataxó da aldeia reserva da Jaqueira em Porto Seguro- Bahia. Aborda aspectos relativos ao ensino, aos espaços de ensino e seu percurso histórico, suas técnicas e procedimentos, perpassando pelos universos educacionais, tecnológicos e humanos da maestria. Tem como objetivo específico contribuir significativamente para o desenvolvimento científico, tecnológico, econômico e social do território e do País por meio da criação de um Curso Técnico de Artesão em Cerâmica, uma Tecnologia Social em alinhamento com as metas dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ODS/ONU); com a Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação (ENCTI) e com o Plano Progredir o que contribui significativamente para o cumprimento das metas da Agenda 2030

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Roberto Souza, UFSB Universidade Federal do Sul da Bahia
Mestrando em Ensino e Relações Étnico Raciais

Referências

ANA, da Conceição Alves dos Santos – Takwara Pataxó Mestra dos saberes e fazeres da aldeia Pataxó da Jaqueira- Porto Seguro- Bahia- Brasil.

ABC Associação Brasileira de Cerâmica – Informações Técnicas – Definição e classificação – http://www.abcram.org.br. Acesso em 05/02/2015.

ANDRADE, Tânia. Cerâmica Indígena Brasileira. In: Suma Etnológica Brasileira. Edição atualizada do Handbook of South America Indians. Darcy Ribeiro (Editor). Rio de Janeiro: Vozes; 1987.

ARRAES, Ronaldo de Albuquerque e; MARIANO, Francisca Zilania; SIMONASSI, X ENCONTRO DE GEÓGRAFOS DA AMÉRICA LATINA: Análise da Fragmentação de Mata Atlântica na Região Sul da Bahia – uma contribuição da geotecnologia para o estudo da dinâmica da paisagem. Universidade de São Paulo. Anais. 2005.

BRASIL. Lei n° 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Institui as Diretrizes e Base para a Educação Nacional. <http://www4.planalto.gov.br/legislacao

CERAMISTAS de Coqueiros: histórias de vida. São Paulo: Central Artesol, Programa Artesanato Solidário, 2009.

CONVENÇÃO PARA A SALVAGUARDA DO PATRIMÔNIO CULTURAL IMATERIAL, UNESCO (2003). Artigo indexado disponível em http://www.iphan.gov.br/baixaFcdAnexo

DECRETO Nº 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Brasília/DF: 2004.

ETCHEVARNE Carlos. Sobrevivência de técnicas ceramistas tradicionais no Recôncavo Baiano: um registro etnográfico. Habitus, IGPH- Goiânia, v. 1, p. 49-74, 2003.

GUIA Pronatec de Cursos FIC. Disponível em: <http://pronatec.mec.gov.br/fic/pdf/2013_guia_cursosfic_port_899.pdf>.

IPHAN / DPI. Os sambas, as rodas, os bumbas, os meus e os bois – A trajetória da salvaguarda do patrimônio cultural imaterial no Brasil. 2. Ed. Brasília, 2008.

MINAYO (1999); SEVERINO (2007); MARCONI & LAKATOS (2011) Metodologia do trabalho científico.

RICARDINA, Pereira da Silva – Dona Cadu- Mestra dos saberes e fazeres da cerâmica tradicional de Coqueiros- Maragogipe- Bahia- Brasil.

SETEC/Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. PROEJA – Formação Inicial e Continuada/ Ensino Fundamental - Documento Base - Brasília: SETEC/MEC, agosto de 2007.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação. 15ª ed. São Paulo: Cortez, 2007.

Publicado
2020-06-19
Métricas
  • Visualizações do Artigo 26
  • PDF downloads: 25
Como Citar
SOUZA, P. R. “Kadhawê Tawá – Celebrando o barro” Cerâmica tradicional, alteridade, saberes e fazeres estéticos. Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade, v. 1, n. 2, p. 454-460, 19 jun. 2020.
Seção
II Seminário Regional de Ensino e Relações Étnico-Raciais