A IMPORTÂNCIA DO PSICÓLOGO NO PROCESSO DE DIREITO DE FAMÍLIA: Um estudo sobre a alienação parental

  • Irving Rahy de Castro Pereira Universidade do Estado da Bahia - UNEB
  • Marcella Bezerra Araújo Centro Universitário UniFG
  • Maura Rayanna dos Santos Ribeiro Centro Universitário UniFG
Palavras-chave: Alienação Parental, Direito de Família, Psicólogo.

Resumo

A Psicologia em defronte com a alienação parental pode identificar a implantação de falsas memórias na pessoa alienada, estas que causarão inúmeros prejuízos psíquicos, emocionais e comportamentais no mesmo. Este estudo, teve por objetivo analisar qual a atuação do psicólogo diante da Alienação Parental nos processos de Direito da Família. O critério da escolha do tema para a elaboração do presente estudo servirá para a Psicologia, aguçar o interesse de profissionais psicólogos, em relação do que pode ser causado no sujeito que está sob alienação parental, implicações psíquicas e emocionais. E, para cumprir com a proposta dessa temática, a revisão bibliográfica permeou por todo o trabalho, consistiu-se na abordagem qualitativa, com a utilização do método dedutivo. E diante, dos estudos e análises, permitiu-se discutir e esclarecer pontos no que se refere à presença do psicólogo em meio aos processos de Direito de Família relacionados à Alienação Parental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Irving Rahy de Castro Pereira, Universidade do Estado da Bahia - UNEB

Docente na Universidade do Estado da Bahia, Vereador em Iuiú-BA, Especialista em Comércio Exterior,Graduado em Direito e Administração.

Marcella Bezerra Araújo, Centro Universitário UniFG

Possui graduação em PSICOLOGIA pelo Centro Universitário FG- UNIFG(2018) e especialização em Psicoterapia Infantil e Práticas Clínicas pelo Centro Universitário FG- UNIFG(2019). Atualmente é Psicóloga da Prefeitura Municipal de Carinhanha. Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Psicologia Social.

Maura Rayanna dos Santos Ribeiro, Centro Universitário UniFG

Possui graduação em PSICOLOGIA pelo Centro Universitário FG- UNIFG.

Referências

ALVES, J. F. Psicologia aplicada ao Direito de Família. Revista Jus Navigandi. Ano 7, n. 55. Teresina, 2002. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/2740/psicologia-aplicada-ao-direito-de-familia. Acesso em 10 de outubro de 2017.

CAMPOS, A. B. S.; GONÇALVES, C. M. Síndrome da Alienação Parental: possíveis consequências para o desenvolvimento psicológico da criança. Vilhena, 2016. Disponível em: http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A1044.pdf. Acesso em 02 de abril de 2018.

FONSECA, P. M. P. C. Síndrome de Alienação Parental. São Paulo, 2006. Disponível em: http://www.wilsoncamilo.org/arquivos/alienacao_parental.pdf. Acesso em 21 de novembro de 2017.

GUILHERMANO, J. F. Alienação Parental: Aspectos Jurídicos e Psíquicos. Rio Grande do Sul, 2012. Disponível em: http://www3.pucrs.br/pucrs/files/uni/poa/direito/graduacao /tcc/tcc2/trabalhos2012_1/juliana_guilhermano.pdf. Acesso em 09 de novembro de 2017.

KAUARK, F.; MANHÃES, F. C.; MEDEIROS, C. H. Metodologia da Pesquisa: guia prático. – Itabuna: Via Litterarum, 2010.

LAGO, V. M.; BANDEIRA, D. R. A Psicologia e as Demandas Atuais do Direito da Família. Psicologia: ciência e profissão; v. 29, n. 2. Brasília, junho, 2009. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932009000200007. Acesso em 09 de outubro de 2017.

Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em 18 de abril de 2018.

Lei Nº 12.318, de 26 de agosto de 2010 – Alienação Parental. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12318.htm. Acesso em 18 de abril de 2018.

MAIA, C. Y. M. A psicologia jurídica atuando junto ao direito de família. Cabedelo, PB. , 2015. Disponível em: http://www.iesp.edu.br/newsite/assets/2012/11/1.pdf. Acesso em 10 de outubro de 2017.

MAIA, R. Alienação Parental. São Paulo, 2011. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/28253/alienacao-parental. Acesso em 09 de novembro de 2017.

NUSKE, J. P. F.; GRIGORIEFF, A. G. Alienação parental: complexidades despertadas no âmbito familiar. Pensando fam. vol.19, nº. 1; Porto Alegre jun. 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2015000100007. Acesso em 16 de outubro de 2017.

PAULO, B. M. Psicologia na Prática Jurídica: a criança em foco. 2. ed. - São Paulo: Saraiva, 2012.

PODEVYN F. (04/04/2001). Síndrome de Alienação Parental. Disponível em: http://www.apase.org.br/94001-sindrome.htm. Acesso em 14 de maio de 2018.

PRODANOV, C. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. – 2. ed. – Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

SANCHES, A. L. N. Diálogo entre o Direito e a Psicologia. In: Maria Cristina Neiva de Carvalho, Telma Fontoura, Vera Regina Miranda (Orgs.) Psicologia Jurídica. Curitiba: Juruá, 2009. p. 17-28.

SILVA, D. M. P. Pais, escola e alienação parental. São Paulo, 2012. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12042. Acesso em 15 de maio de 2018.

SOUZA, C. J. Psicologia Jurídica: Encontros e Desencontros em sua Prática. Brasília, 2014. Disponível em: https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/artigos/2014/psicologia-juridica-encontros-e-desencontros-em-sua-pratica-servidora-cristiana-jobim-souza. Acesso em 09 de novembro de 2017.

TRINDADE, J. Manual de Psicologia Jurídica para operadores do Direito. 4. edição Revista atualizada e ampliada - Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2010.

VONS, D. K.; MIRANDA, V. R. Família, o Melhor Abrigo: da institucionalização à promoção e fortalecimento da família. In: Maria Cristina Neiva de Carvalho, Telma Fontoura, Vera Regina Miranda (Orgs.) Psicologia Jurídica. Curitiba: Juruá, 2009. p. 189.

Publicado
2020-03-28
Métricas
  • Visualizações do Artigo 1019
  • PDF downloads: 463