A LUTA DAS MULHERES NO PROCESSO EMANCIPATÓRIO

Palavras-chave: Mulheres, Emancipação, Direitos humanos, Participação

Resumo

Defender as mulheres com a dignidade que lhe é devida pelo fato de ser pessoa e ter nascido igual e livre em direitos, é o princípio que tem impulsionado os movimentos de combate à desigualdade de gênero no planeta, inspirado também dos primeiros artigos da Declaração Universal dos Direitos humanos. O objetivo deste estudo consiste em elaborar uma reflexão teórica capaz de contemplar as práticas emancipatórias das mulheres na luta pela efetivação dos direitos humanos das mulheres. A pesquisa e metodologicamente qualitativa orientada por um referencial teórico bibliográfico, no intuito analítico de avaliar as possibilidades e limites das lutas por emancipação, especialmente de algumas pensadoras que protagonizaram estas lutas. Assim, uma das conclusões a que se chega é que as lutas por emancipação se desenrolam não somente no plano prático, ou exclusivamente no plano teórico, mas pelo cruzamento entre eles, especialmente quando os movimentos de libertação encontram pontos de apoio e intersecção nas filosofias e teologias da libertação.  Uma segunda conclusão é que as lutas por emancipação e igual dignidade encontram-se sempre ameaçadas pela reconfiguração do patriarcado em seus desdobramentos familiar, educacional, religioso e estatal. Por essa razão, a efetivação dos direitos humanos das mulheres não chega a um estágio final somente quando reconhecido publicamente, mas deve ser um objetivo infindável  e objeto de uma luta constante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaci de Fátima Souza Candiotto, Professora do Programa de Pós-Graduação em Direitos humanos e Políticas Públicas Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Doutora em Teologia. Bacharel em Teologia e Licenciada em Filosofia. Tem experiência na área de Teologia sistemática, Antropologia cristã, Cultura Religiosa e Direitos Humanos. Atua principalmente nos seguintes temas: Antropologia cristã, Relações de gênero.

Maria Rosa da Silva Miranda, Fundação Instituto Tecnológico Industrial

Mestra em Direitos Humanos e Políticas Públicas. Graduada em Filosofia. Tem experiência e atua na área de Ciências Humanas em Filosofia, Sociologia e Espanhol. 

Referências

ADJAMAGBO Agnès, CALVÈS Anne-Emmanuèle. A emancipação feminina sob restrição, Autrepart, 2012/2 (N ° 61), p.3-21. DOI: 10.3917/ autr.061.0003

ARISTÓTELES. Politics. Trad. de H. Rackham. Londres: Loeb Classical Library, 2005.

ASSUMANN, Severino José. Declaração dos direitos da mulher e da cidadã. Olympe de Gouges (1791), Revista Interdisciplinar Interthesis, Florianópolis: 2007.

BALIERO, Cristina. Mulheres Marcantes: Carlota Pereira de Queirós (1892-1982). 2014. Disponível em: https://femininosagrado.com.br/mulheres-marcantes-carlota-pereira-de-queiros-18921982/. Acesso: 15 fev. 2016.

BEAUVOIR Simone (de), Le Deuxième Sexe, Paris, Gallimard, 1976 (1949).

BEAUVOIR, Simone de. O Segundo Sexo, v. I, II. Tradução Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BERIS, Francine. Simone de Beauvoir et Le Deuxième Sexe. In: GALSTER, Ingrid. Le Deuxième Sexe de Simone Bauvoir. Paris: Presses Paris Sorbonne, 2004.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 14. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREITAS, Maria Ester de. Especial Mulheres: Mulheres e administração, Vol. 5, Nº2, p.1- Maio/jun. 2006. http://bibliotecadigital.fgv.br/. Acesso em: 23 mar. 2017.

GEBARA, Ivone. Teologia feminista e a crítica da razão religiosa patriarcal. Entrevista com Maria José Rosado Nunes. PUCSP, 2005.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves. Movimento negro e educação. Rev. Bras. Educ., Nº.15, Rio de Janeiro, sept./dec. 2000.

GOUGES, Olympe de. Déclaration des droits de la femme et de la citoyenne. In: Bibliothèque Jeanne Hersch. Textes fondateurs. Disponível em: http://www.aidh.org/Biblio/Text_fondat/FR_03.htm. Acesso em: 16 out. 2020.

MANO, Maíra Kubík. As mulheres desiludidas: de Simone de Beauvoir à “ideologia de gênero”. Cadernos Pagu, n. 56, 2019, p.04. Disponível em:https://www.scielo.br/pdf/cpa/n56/1809-4449-cpa-56-e195624.pdf. Acesso em: 01 nov. 2020.

MOTTA, Débora. História Ciência Saúde. Boletim da Faperj/ Set. 2014, p. 02. Disponível: http://www.revistahcsm.coc.fiocruz.br/pesquisa-analisa-insercao-das-mulheres-no-ensino-superior-no-rio-de-janeiro/. Acesso em: jan. de 2017.

MURARO, Rose Marie. A Mulher no Terceiro Milênio. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1993.

RIBEIRO, Cristiane. A Emancipação e participação política das mulheres na segunda metade do século XIX no Brasil. Disponível em: http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1503517850_ARQUIVO_FazendoGenero.pdf. Acesso em: 29 out. 2020.

ROCHA, Marlos Bessa Mendes de. O ensino elementar no Decreto Leôncio de Carvalho: "visão de mundo” Revista Brasileira de Educação v. 15 n. 43 jan./abr. 2010.

SANTO, A.R.T. Tratado Sobre Emancipação Política da Mulher e Direito de Votar. Rio de Janeiro: Typografia Paula Brito, 1868. P. 73. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/view/?45000010736&bbm/6702#page/12/mode/2up. Acesso em: 31 out. 2020.

SCHPUN, Mônica Raisa. Carlota Pereira de Queiroz: uma mulher na política. Revista Brasileira de História; v.17; n° 33; 1997; p. 167-200; São Paulo.

SCHUMAHER, Schuma; BRAZIL, Érico Vital (Orgs: de 1500 até a atualidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

SOIHET, Rachel. A pedagogia da conquista do espaço público pelas mulheres e a militância feminista de Bertha Lutz. Rev. Bras. Educ. nº. 15 Rio de Janeiro. Set./dez. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo. Acesso em: 20 jan.2017.

ZUCCO, Luciana; LISBOA, Teresa Kleba. Rose Marie Muraro: uma mulher impossível. Rev. Estud. Fem., v. 22, n. 2, p. 563-564, 2014.

Publicado
2020-11-15
Métricas
  • Visualizações do Artigo 169
  • PDF downloads: 88
Como Citar
CANDIOTTO, J. DE F. S.; MIRANDA, M. R. DA S. A LUTA DAS MULHERES NO PROCESSO EMANCIPATÓRIO. Diálogos e Perspectivas Interventivas, v. 1, p. e9840, 15 nov. 2020.
Seção
Dossiê Temático