INEXISTÊNCIA JURÍDICA CONSTITUCIONAL ENTRE HOMENS E MULHERES.

Resumo

Este artigo analisa o rompimento do paradigma que está dogmatizado no nosso sistema jurídico e refletindo na nossa sociedade sob a perspectiva de que somente as mulheres são vítimas passivas do crime de estupro. O estudo, nesse trabalho, é ponderado no ponto de vista de que as mulheres podem ser também autora (literalmente falando do polo ativo) do crime de estupro e o homem a vítima passiva; repercutindo assim, obrigações no mundo jurídico e financeiro ao genitor violentado. Entende-se que essa situação ao qual leva a pessoa do sexo masculino a ser a vítima de estupro envolve uma questão de tratamento isonômico à vítima feminina que repercute nos ramos do direito constitucional, humanos, civil, penal, econômico-financeiro e a qual não corresponde a nenhuma tipificação ainda existente nas então vigentes legislações brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

ALEXANDRE MARCOS MENDES GOMES

Advogado miitante civilista, professor na área civil e bacharel em Ciências Contábeis.

Referências

AMARAL, Francisco. Direito Civil Introdução. 5 ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2003.

BASTOS, Celso Ribeiro. Curso de Direito Constitucional. 18 ed. São Paulo: Saraiva, 1997.

BITTAR, Carlos Alberto. Reparação Civil por Danos Morais. 1 ed. São Paulo: Revistas dos Tribunais, 1993.

BRASIL. Código Civil. Vade Mecum Acadêmico de Direito, Organização Anne Joyce Angher, 14. ed. São Paulo: Rideel, 2012.

BRASIL. Código Penal. Vade Mecum Acadêmico de Direito, Organização Anne Joyce Angher, 14. ed. São Paulo: Rideel, 2012.

BRASIL. Constituição (1988). Vade Mecum Acadêmico de Direito, Organização Anne Joyce Angher, 14. ed. São Paulo: Rideel, 2012.

BRASIL. Declaração Universal dos Direitos Humanos – Celebrada pela Resolução nº 217, durante a 3ª Assembleia Geral da ONU, em Paris, França, em 10-12-1948. Vade Mecum Acadêmico de Direito, Organização Anne Joyce Angher, 14. ed. São Paulo: Rideel, 2012.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), Lei nº 8.069/90. Vade Mecum Acadêmico de Direito, Organização Anne Joyce Angher, 14. ed. São Paulo: Rideel, 2012.

BRASIL. Lei nº 3.071, de 1º – 1 – 1916. Código Civil de 1916. 3 ed. São Paulo: Saraiva, 1997.

CAVALIERI FILHO, Sérgio. Programa de Responsabilidade Civil. 2 ed. São Paulo: Malheiros, 2000.

Male rape victims left to suffer in silence. abc.net.au. February 9, 2001. Consultado em 2 de fevereiro de 2015

MORAIS, Alexandre de. Direito Constitucional. 17. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

NERY JUNIOR, Nelson; ANDRADE NERY, Rosa Maria de, Código Civil Comentado. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

NERY JUNIOR, Nelson; ANDRADE NERY, Rosa Maria de, Constituição Federal Comentada e Legislação Constitucional. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2009.

PEREIRA, Caio Mário da Silva. Responsabilidade Civil. 9 ed. Rio de Janeiro: Forense, 2001.

RIZZARDO, Arnaldo. Responsabilidade Civil. 1. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

SECCO, Orlando de Almeida. Introdução ao Estudo do Direito. 11. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

SILVA, Wilson Melo da. O Dano Moral e Sua Reparação. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense, 1983.

ZAFFARONI, Eugênio Raúl; BATISTA, Nilo. Direito Penal Brasileiro – I. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

ZAFFARONI, Eugênio Raúl; PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direito Penal Brasileiro parte geral. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.

Publicado
2020-05-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 36
  • PDF downloads: 30
Seção
Artigos