A ECONOMIA POPOULAR E SOLIDÁRIA E A RODA DE CONVERSA COMO UMA PRÁTICA DOCENTE EFICAZ: UMA REFLEXÃO EM ATIVIDADES NA FEIRA DO SEMIÁRIDO/UEFS-BA.

  • José Raimundo Oliveira Lima Universidade Estadual de Feira de Santana

Resumo

Resumo - A Roda de Conversa, segundo Brandão (2006) é uma metodologia natural da educação popular, pois todo e qualquer sujeito, de uma forma ou de outra, conversa sobre si, sobre a vida, sobre o mundo ou sobre algo que o interessa. Esta prática foi observada a partir da experiência de economia popular e solidária organizada pelo Programa Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária realizada na Feira do Semiárido da Universidade Estadual de Feira de Santana-Ba. Mas, o que vem a ser uma Roda de Conversa enquanto pratica docente? Roda de Conversa, também, é um meio para trabalhar valores como o respeito, aprender a escutar e a falar na hora certa, estabelecimento de regras, cidadania, aceitação e dispõe de aspectos relevantes como a fala, registro, a postura e a entonação de voz segundo Campus (2000). É, neste contexto, um método de ressonância coletiva que consiste na criação de espaços de diálogos em que os sujeitos podem se expressar e, sobretudo, escutar os outros e a si mesmos. Este instrumento de aprendizagem democrático é, comumente, utilizado pela Equipe da Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária (IEPS) da UEFS, ainda que sem a deliberada intenção, com o objetivo de fortalecer nos participantes posturas coletivas, a perda do medo de falar no grupo, posicionar-se em público, entre outras maneiras de comunicar o que pensa e tem produzido êxito. Este procedimento tem fortalecido o IEPS, a partir da discussão dos conceitos e definições de termos fronteiriços ou complementares à Economia Popular e Solidária, em especial, autogestão, solidariedade nas relações e cooperação para a fluidez do trabalho coletivo, inclusive, o trabalho docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Raimundo Oliveira Lima, Universidade Estadual de Feira de Santana
Professor Doutor em Educação e Contemporaneidade pelo PPGEduC/UNEB, Adjunto pertencente ao quadro do Curso de Ciências Econômicas e Coordenador do Programa de Extensão e Projeto de Pesquisa Incubadora de Iniciativas da Economia Popular e Solidária da Universidade Estadual de Feira de Santana/Bahia/Brasil - joseraimundouefs@hotmail.com

Referências

A Articulação Semiárido Brasileiro (ASA). Semiárido. Retirado em 11 de maio de 2013 de http://www.asabrasil.org.br/Portal/Informacoes.asp?COD_MENU=105.

BRANDÃO, C. R.(2006). O que é educação popular. São Paulo: Brasiliense.

CAMPOS, G.W.S. (2000). Um método para análise Rodas de Conversa. Retirado em 26 de novembro de 2012 de http://www.rodasdeconversas.wordpress.com. /material-de-apoio/.e co-gestão de coletivos. São Paulo: HUCITEC.

FREIRE, Paulo. (2005). Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

KRAYCHETE, Gabriel (1999). Economia dos Setores Populares: entre a realidade e a utopia. Salvador: UCSal.

LIMA, J. R. O. (2012, Maio). Economia popular e solidária e desenvolvimento local solidário: análise dos processos educativos e de economia política inerente à incubação de iniciativas econômicas populares solidárias. Comunicação apresentada no I Seminário do Fórum de Pesquisa da Linha 3 – Educação, Gestão e Desenvolvimento Local Sustentável do PPGEduC/UNEB - Salvador-BA.

RIBEIRO, Marinalva L. A pratica educativa de professores: representações de estudantes no contexto da formação. In: CUNHA, Maria Isabel da; SANDRA, Regina Soares; RIBEIRO, Marinalva L. (Orgs.). Docência universitária: profissionalização e praticas educativas. Feira de Santana: UEFS Editora, 2009.232p.

Publicado
2020-05-04
Métricas
  • Visualizações do Artigo 18
  • PDF downloads: 14
Seção
Artigos