Received Pronunciation: uma breve análise de cursos de Accent Reduction

Palavras-chave: Accent Reduction, Received Pronunciation, Inglês, Inteligibilidade

Resumo

Este artigo se propõe a analisar os cursos de Accent Reduction para o aprendizado do Received Pronunciation (RP), a variação não-regional falada pelas classes mais abastadas do Reino Unido. Tendo como base os parâmetros listados por Ron Thomson (2014) em seu escrito Myth 6: Accent Reduction and Pronunciation Instruction are the same thing que faz parte do livro Pronunciation Myths: Applying second language research to classroom teaching de Linda Grant. Para tal buscamos entender a intenção por trás do interesse de um falante nativo ou não-nativo de aprender uma variação linguística (o Received Pronunciation) que é pouco utilizadas pelos falantes nativos do Reino Unido, assim como compreender como os cursos de accent reduction fazem uso da fonologia de uma língua para ensinar uma nova habilidade para falantes tanto nativos quanto não-nativos do inglês. A escolha dos cursos analisados foi feita usando o buscador Google e avaliamos os websites das empresas para verificar se elas se encaixavam nos parâmetros de Thomson. Traremos ainda a visão de diversos teóricos que trabalham com o ensino-aprendizagem de pronúncia e com variação linguística, como MUNRO e DERWING (2014), LIPPI-GREEN (1994), e também a visão de TRUDGILL (2008) e MILROY (2001) tratando sobre o Received Pronunciation e PENNYCOOK (2017) e PHILLIPSON (2013) abrangendo o domínio do inglês nas sociedades contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

DERWING, Tracey M. et al. L2 Accent and Ethics: Issues that Merit Attention. In: A MAHBOOK; BARRATT, L. English in a multilingual context. New York: Springer, 2014. p. 64-80.

DERWING, Tracey M.; MUNRO, Murray J.. Second Language Accent and Pronunciation Teaching: A Research-Based Approach. Tesol Quartely, Alexandria, v. 39, n. 3, p.377-395, set. 2005.

KERSWILL, Paul. Mobility, meritocracy and dialect levelling: the fading (and phasing) out of Received Pronunciation. In: RAJAMÄE, P.; VOGELBERG, K.. British studies in the new millennium: the challenge of the grassroots. Tartu: University Of Tartu, 2001. p. 45-58.

LIPPI-GREEN, Rosina. Accent, Standard Language Ideology, and Discriminatory Pretext in the Courts. Language In Society, Cambridge, v. 23, n. 2, p.163-198, jun. 1994.

MILROY, James. Received Pronunciation: Who "received" it and how long will it be "received"? Studia Anglica Posnaniensia, Ann Arbor, v. 1, n. 36, p.15-33, dez. 2001.

MÜLLER, Nicole; BALL, Martin J.; GUENDOUZI, Jacqueline. Accent Reduction Programmes: Not a Role for Speech-Language Pathologists? Advances In Speech Language Pathology, [s.l.], v. 2, n. 2, p.119-129, jan. 2000.

PENNYCOOK, Alastair. The cultural politics of English as an International Language. New York: Routledge, 2017.

PHILLIPSON, Robert. Linguistic Imperialism Continued. New York: Routledge, 2013.

THOMSON, Ron I. Myth 6: Accent Reduction and pronunciation instruction are the same thing. In: GRANT, Linda. Pronunciation myths: Applying second language research to classroom teaching. Ann Arbor: University Of Michigan Press, 2014. p. 160-187.

TRUDGILL, Peter. The historical sociolinguistics of elite accent change: on why RP is not disappearing. Studia Anglica Posnaniensia, Kristiansand, v. 1, n. 44, p.3-12, dez. 2008.

Publicado
2019-12-30
Métricas
  • Visualizações do Artigo 122
  • PDF downloads: 126
Como Citar
ASSUNÇÃO, W. C. DE S. M. Received Pronunciation: uma breve análise de cursos de Accent Reduction. Babel: Revista Eletrônica de Línguas e Literaturas Estrangeiras, v. 9, n. 2, p. 73-86, 30 dez. 2019.
Seção
SEÇÃO LIVRE