Helena de Troia, emblema do discurso

uma leitura do Tratado do não-ser e do Elogio de Helena, de Górgias de Leontinos

Autores

  • Janaína Silveira Mafra Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Górgias de Leontinos, Tratado do não-ser ou sobre a natureza, Elogio de Helena, Helena de Troia, discurso

Resumo

Este ensaio apresenta a hipótese de que, em lugar de ser capturada pelo discurso, Helena de Troia é o seu emblema. Para se compreender melhor qual é o sentido do “discurso” a que nos referimos, primeiramente, serão abordados, a partir do corpus gorgiânico, os três conhecidos princípios (τρία κεφάλαια) que norteiam o Tratado sobre o não-ser ou sobre a natureza e, em seguida, será mostrado, a partir do Elogio de Helena, que o discurso, ao invés de ser precedido pelo ser (τὸ ὄν), visa a produzir um efeito-mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janaína Silveira Mafra, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduada, Mestra e Doutoranda em Filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Possui Formação Complementar em Letras clássicas (Grego e Latim)

Referências

CASSIN, Barbara (1995). “Héléne ou la logique du dire efficace” & “Lacan et la sophistique: Encore encore Héléne”. In L’effet sophistique. Paris: Éditions Gallimard, pp. 74-100 & pp. 398-408.

___________. (2005). “A ontologia como obra prima sofística”. In O efeito sofístico. Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Maria Cristina Franco Ferraz e Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, pp.13-63.

CHANTRAINE, P. (1977). Dictionnaire étymologique de la langue grecque. Paris: Klincksieck.

COELHO, M. C. de M. (1999). Tratado do não-ente & Elogio de Helena. In Cadernos de tradução. São Paulo: Editora USP.

___________. (2001). “Imagens de Helena”. Clássica, São Paulo, v. 13/14, n. 13/14, pp. 159-172.

___________. (2010). “Retórica, filosofia e lógica: verdade como construção discursiva”. In ASSUNÇÃO, T. R.; FLORES JÚNIOR, O. & MARTINHO, M. Ensaios de retórica. Belo Horizonte: Tessitura, pp. 27-55.

___________. (2016). “Helena troiana: a fama de um nome e o desejo de vingança no cinema”. Artefilosofia, [s. l.], n. 20, pp. 15-32.

CORDERO, N. L. (2011). Sendo, se é: a tese de Parmênides. Trad. Eduardo Wolf. São Paulo: Odysseus Editora.

CREPALDI, C. L. (2015). Eurípides. Helena. São Paulo: FFLCH/USP.

DIELS, H. & KRANZ, W. (1903). Die fragmente der vorsokratiker. Berlim: Weidmann.

DUMONT, J-P. (1988). Les Présocratiques. Paris: Éditions Gallimard.

JONES, S. & POWELL, J. E. (Ed.). Thucydides (1942). Historiae in two volumes. Oxford: Oxford University Press.

KERFERD, G. B. (Ed.) (1981). The sophists and their legacy. Wiesbaden: Franz Steiner Verlag GMBH.

KURY, M. da G. (1982). Tucídides. História da Guerra do Peloponeso. Brasília: Editora Universidade de Brasília & São Paulo: Edições Imprensa Oficial de São Paulo.

LACERDA, T. C. E. de (2011). Contra os sofistas e Elogio de Helena de Isócrates: tradução, notas e estudo introdutório. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

LIDDELL, H.; SCOTT, R.; JONES, S. (1996 [1843]). A Greek-English Lexicon. Oxford: Oxford University Press.

MOSSÉ, C. (1991). La Femme dans la Grèce antique. Paris: Éditions Complexe.

SCHIAPPA, E. (1990). “Did Plato Coin Rhetorike?” The American Journal of Philology, Vol. 111, N. 4, pp. 457-470.

SISSA, G. (1990). “Filosofias do gênero: Platão, Aristóteles e a diferença dos sexos”. In História das mulheres no Ocidente. Trad.: Maria Helena da Cruz Coelho & Irene Maria Vaquinhas. Porto: Edições Afrontamento & São Paulo: Ebradil, pp. 79-123.

TORRANO, J. (2004). Ésquilo. Agamêmnon. São Paulo: Iluminuras.

Downloads

Publicado

2023-08-15

Como Citar

MAFRA, J. S. Helena de Troia, emblema do discurso: uma leitura do Tratado do não-ser e do Elogio de Helena, de Górgias de Leontinos. Anãnsi: Revista de Filosofia, [S. l.], v. 4, n. 1, p. 93–101, 2023. Disponível em: https://revistas.uneb.br/index.php/anansi/article/view/18303. Acesso em: 22 fev. 2024.