“Como se eu fosse um outro ou o fantasma entorpecido e ofegante de mim”

o eu plural do narrador de A Rainha Ginga, de José Eduardo Agualusa

  • Marcele Aires Franceschini Professora Dra. do Departamento de Teorias Linguísticas e Literárias (DTL) e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM) http://orcid.org/0000-0001-7060-9629

Resumo

Propõe-se a leitura do escrivão narrador de A Rainha Ginga: e de como os africanos inventaram o mundo (2015), de José Eduardo Agualusa, com ênfase no processo de transformação do eu religioso ao eu panteísta, eu crítico, eu pai e eu herege que circundam a figura do Padre Francisco José da Santa Cruz. No romance, o jesuíta assume o posto de escrivão e conselheiro da poderosa soberana africana, assim que a parte inicial deste artigo lida com a questão do relato de viagem e a percepção de alteridade. Prezou-se também demonstrar a seleção de obras de cunho histórico por parte de Agualusa, bem como se enfatizou o fato de o autor se projetar na história, sobretudo porque, como o narrador, o escritor tem ligações ancestrais com o Brasil e a África. Em A Rainha Ginga o passado é reconstruído no hoje angolano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcele Aires Franceschini, Professora Dra. do Departamento de Teorias Linguísticas e Literárias (DTL) e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM)
Professora Dra. do Departamento de Teorias Linguísticas e Literárias (DTL) e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Referências

AGUALUSA, José Eduardo. A Rainha Ginga: e de como os africanos inventaram o mundo. Rio de Janeiro: Foz, 2015.

___________________. Atlas da solidão e da estranheza. O Globo, ed. 11 mai. 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/atlas-da-solidao-da-estranheza-22674693, acesso em 11 mai. 2018.

___________________. Debate sobre Literatura na III Festa Literária de Maringá (FLIM). Maringá, 14 de setembro de 2016.

ANCHIETA, José de. O Auto de São Lourenço. Introdução e tradução de Walmir Ayala. Rio de Janeiro: Ediouro, 1997.

CAVAZZI DE MONTECUCCOLO, João António. Descrição histórica dos três reinos do Congo, Matamba e Angola. Tradução, notas e índices por Graciano M. de Leguzzano. Introd. por F. Leite de Faria. Lisboa: Junta de Investigações de Ultramar, 1965. 2 vols.

FANON, Franz. The Wretched of the Earth. Pref. Jean-Paul Sartre. New York: Grove Press, 1963.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. História e cotidiano em Walter Benjamin. Revista USP. São Paulo, n. 15, pp, 44-47, set./out./nov. 1992.

GIRON, Luís Antônio. Entrevista. José Eduardo Agualusa: O Brasil é colônia. Revista Época, ed. 330, 13 set. 2004. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoc

a/0,,EDR66390-6060,00.html, acesso em 11 mai. 2018.

GIROTO, Ismael. O universo mágico-religioso negro-africano e afro-brasileiro: bantu e nàgó. [Tese de Doutorado em Antropologia]. São Paulo: USP, 1999.

KAPUSCINSKI, Ryszard. Minhas viagens com Heródoto: entre a história e o jornalismo. Tradução de Tomasz Barcinski. São Paulo: Cia das Letras, 2006.

LARROSA, J., LARA, N.P. (orgs.) Imagens do outro. Rio de Janeiro: Vozes, l998

LEFORT, Claude. A invenção democrática. São Paulo: Brasiliense. 1983.

MAIA, Eduardo. De vila medieval à cidades fantasmas, cinco dicas de viagem de Agualusa. O Globo, ed. 05 ago. 2018. Disponível em: https://oglobo.globocom/boa-viagem/cinco-dicas-de-viagem-de-agualusa-22942187, acesso em 11 mai. 2018.

MELLO, Evaldo Cabral de. O Negócio do Brasil. Portugal, os Países Baixos e o Nordeste, 1641-1669. Rio de Janeiro: Editora Topbooks, 1998.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. 2 ed. Tradução de Carlos de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

NOGUEIRA, Paulo César Giordano. A literatura odepórica e a peregrinação jacobea: um estudo sobre a espiritualidade nos relatos de viagem dos peregrinos brasileiros no Caminho de Santiago. [Mestrado em Ciências da Religião]. São Paulo: 2008.

PANTOJA, Selma. Revisitando a Rainha Nzinga Histórias e Mitos da História. In: MATA, Inocência (orgs.) A Rainha Nzinga Mbandi: história, memória e mito. 2 ed. Lisboa: Edições Colibri, 2014, p.115-145.

RIBEIRO, Darcy. O povo brasileiro. São Paulo: Cia. das Letras, 2006.

RUBIÉS, Joan-Pau. Instructions for Travellers: Teaching the Eye to See. History and Anthropology. Cambridge, King's College, v. 9, n. 2-3, p. 139-190, 1996.

SOUINDOULA, Simão. A Rainha Nzinga: uma figura lendária, patrimônio da humanidade. In: MATA, Inocência (orgs.). A Rainha Nzinga Mbandi: história, memória e mito. 2 ed. Lisboa: Edições Colibri, 2014, p. 101-109.

TORRÃO FILHO, Amilcar. A arquitetura da alteridade: a cidade luso-brasileira na Literatura de Viagem (1783-1845). [Tese de Doutorado]. Campinas: Unicamp, 2008.

UNESCO. Nzinga a Mbande: Rainha do Ndongo e do Matamba. Série UNESCO Mulheres na história de África. Paris: Unesco, 2014.

VIEIRA, António. Sermões. Erechim: Edelbra, 1998.

Publicado
2021-11-23
Métricas
  • Visualizações do Artigo 28
  • PDF downloads: 26