Avó e O Jogo, Ou o Arquivo Colonial “em Movimento” nos Vídeos de Raquel Schefer

  • Ana Balona de Oliveira Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Arquivo Colonial, Descolonização, Imagem em Movimento, Arte Arquivística.

Resumo

Este ensaio examina a forma como a prática videográfica de Raquel Schefer (Portugal, 1981) tem contribuído para uma descolonização epistémica e ético -política do presente através da investigação crítica de vários tipos de arquivos coloniais, quer públicos, quer privados. Analisa até que ponto a estética de Avó (Muidumbe) (2009) e Nshajo (O Jogo) (2010) implica uma política e uma ética da história e da memória relevantes para pensar criticamente as amnésias coloniais e as nostalgias imperiais que ainda caracterizam uma condição pós-colonial marcada por padrões neo-coloniais de globalização e por relações difíceis com comunidades migrantes e diaspóricas. Em particular, é prestada atenção às histórias e às memórias da ditadura portuguesa e do império colonial; das lutas de libertação / guerras “coloniais” combatidas em Angola, Moçambique e Guiné-Bissau entre 1961 e 1974; da Revolução dos Cravos em Portugal em 1974; e da independência das antigas colónias portuguesas entre 1973 e 1975.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Balona de Oliveira, Universidade de Lisboa

Ana Balona de Oliveira é investigadora de pós-doutoramento (FCT), Universidade de Lisboa (CEC/FLUL)e Universidade Nova de Lisboa (IHA/FCSH/NOVA).

Publicado
2017-12-09
Métricas
  • Visualizações do Artigo 302
  • PDF downloads: 178
Seção
Artigos