CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS ENFERMEIROS DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PORTEIRINHA-MG SOBRE ACIDENTES DE TRABALHO

Ernandes Gonçalves Dias, Adrielle Costa de Castro

Resumo


O estudo tem como objetivo checar o conhecimento dos enfermeiros das equipes de Saúde da Família do município de Porteirinha-MG sobre Acidentes de Trabalho. Trata-se de uma pesquisa descritiva de abordagem quantiqualitativa. Teve amostra 09 enfermeiros atuantes nas Unidades de Saúde de Porteirinha-MG. Para coleta de dados foi elaborado um instrumento na forma de entrevista semiestruturada, constituído por questões abertas e fechadas. Os resultados apontaram que a maioria eram mulheres (77,7%), com idade entre 21 e 25 anos, casadas (55,5%), especializadas na área da saúde. Os riscos ocupacionais a que estão expostos são decorrentes das condições do ambiente de trabalho e envolve riscos físicos, químicos, biológicos, ergonômicos e de acidentes. A exposição gera cansaço, irritabilidade dores de cabeça, doenças infectocontagiosas, com reflexos sobre o convívio familiar e social. Os Equipamentos de Proteção Individual usados com maior frequência são a máscara, luva, avental, gorro, óculos e jaleco, com a importância de proteger contra riscos existentes no ambiente de trabalho. As medidas de segurança para reduzir a ocorrência de acidentes seriam o fornecimento e monitoramento do uso adequado de EPIs e a identificação precoce dos riscos. Visualiza-se a necessidade de um planejamento com vista à realização de treinamentos e capacitação da equipe quanto a prevenção dos Acidentes de Trabalho com vistas a minimizar os índices de Acidentes de Trabalho e as consequências resultantes deste fato.


Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, G.M. 2004. Normas Regulamentadoras Comentadas. 4. ed. Rio de Janeiro: Gerenciamento Verde Consultoria.

Barbosa, M.A. et al. 2009. Acidente de trabalho envolvendo profissionais de enfermagem no ambiente hospitalar: um levantamento em banco de dados. Revista Enfermagem Integrada, Ipatinga: Unileste, v2, n1.

Brasil. 2005. Ministério do Trabalho e Emprego. Portaria nº485, de 11 de novembro de 2005. Aprova a Norma Regulamentadora nº 32. Segurança e Saúde no Trabalho em Estabelecimentos de Saúde. Brasília (Brasil): Ministério do Trabalho e Emprego.

Brevidelli, M.M. & Cianciarulo, T.I. 2006. Níveis de adesão às precauções-padrão entre os profissionais médicos e de enfermagem de um hospital universitário, Revista Latino Americana de Enfermagem, v 5, n 1.

Chiodi, M.B. et al. 2007. Acidentes de trabalho com material biológico entre trabalhadores das unidades de saúde pública, Rev. Latino-Am. Enfermagem. v. 15, n. 4. Ribeirão Preto.

Farias, S.N.P. & Zeitoune, R.C.G. 2005. Riscos no trabalho de enfermagem em um Centro Municipal de Saúde. Rev. Enferm. UERJ. 13(2): 167-73.

Feijão, A.R. et al. 2011. Condutas pós-acidentes perfurocortantes: percepção e conhecimento de enfermeiros da atenção básica de saúde de Fortaleza, Rev. Rene, v. 12, n 3, Fortaleza.

Gir, E. et al. 2004. Biossegurança em DST/AIDS: condicionantes da adesão do trabalhador de enfermagem às precauções. Rev Esc Enferm USP. 38(3): 245-53.

Guimarães, R.M. et al. 2005. Fatores ergonômicos de risco e de proteção contra acidentes de trabalho: um estudo caso controle. Rev Bras Epidemiol, 8(3): 282-94.

Jesus, E. do S. et al. 2010. Preconceito na enfermagem: percepção de enfermeiros formados em diferentes décadas, Rev Esc Enferm USP, v. 44, n. 01, p 166-73.

Lima, F.A. et al. 2007. Acidentes com Material Perfurocortante: Conhecendo os Sentimentos e as Emoções dos Profissionais de Enfermagem. Esc Anna Nery R Enferm. 11 (2): 205 - 11.

Melo D. de S. 2005. Adesão dos enfermeiros às precauções padrão à luz do modelo de crenças em saúde [dissertação de mestrado]. Goiânia: Faculdade de Enfermagem/UFG.

Melo, D. de S. et al. 2006. Compreensão sobre precauções padrão pelos enfermeiros de um hospital público de Goiânia- GO. Rev. Latino-am Enfermagem. 14(5): 720.

Neves, H.C.C. 2009. Equipamento de proteção individual: o olhar dos trabalhadores de enfermagem em um hospital universitário [dissertação de mestrado]. Goiânia: Faculdade de Enfermagem/UFG.

Pimentel, V. et al. 2007. Reflexão sobre o preparo para docência na pós-graduação em enfermagem, Rev Esc Enferm USP, v.4, n.1, p. 161-4.

Rodrigues, L.M.C. et al. 2012. Riscos ocupacionais: Percepção de profissionais de enfermagem da Estratégia Saúde da Família em João Pessoa – PB. Rev. Bras. Ci. Saúde, 16(3):325-332.

Sarquis, L.M.N. & Felli, V.E.A. 2009. Os sentimentos vivenciados pós-exposição ocupacional entre trabalhadores de saúde: fulcro para repensar o trabalho em instituição de saúde, Rev Bras Enferm, v 62, n 5, Brasília.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 Base de Indexadores: