A educação como ética e a ética como educação em Kierkegaard e Paulo Freire

Jorge Miranda Almeida

Resumo


Kierkegaard e Paulo Freire se posicionam criticamente em relação às concepções vigentes, nas respectivas épocas, da educação e da ética. Elas estão a serviço do poder e do ajustamento social; mas, dialeticamente, será a partir da educação e da ética que os homens em processo de inconclusividade e de inacabamento poderão construir estratégias para superarem as barreiras que impedem a construção da dignidade humana e da justiça social. Este artigo estabelece um confronto e um encontro entre os dois pensadores do profundo do humano. Eles não se conheceram, mas dialogam por meio dos discípulos kierkegaardianos como Sartre, Jaspers, Heidegger, Merleau-Ponty, Gabriel Marcel, entre outros que são muito familiares a Freire, e por causa dessa comunicação indireta as principais categorias freireanas como subjetividade,intersubjetividade, dialogicidade, alteridade, amorosidade, educação, ética, homem,inacabamento, inconclusividade, responsabilidade, transcendência e dialética, têm uma interface e uma proximidade que permite, mantendo as diferenças, um encontro fecundo e frutífero para discutir novas possibilidades e potencialidades para a ética e para a educação. O objetivo central deste artigo é refletir, a partir dessas categorias,se e em que medida é possível a educação como ética e a ética como educação. E para a realização desse escopo utilizou-se a metodologia bibliográfica e analítica.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, Jose Andrade. Fundamentos filosóficos da pedagogia de Paulo Freire. Akrópolis, Umuarama, v. 18,

n. 1, p. 37-47, jan./mar. 2010.

FERNET-BETANCOURT, Raúl. Ética intercultural. (Re) leituras do pensamento latino-americano. São Leopoldo, RS: Nova Harmonia, 2010.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

______. Educação e mudança. 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

______. Pedagogia do Oprimido. 45. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

______. Pedagogia da Indignação. Cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: UNESP, 2000.

______. Política e educação: ensaios. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

______. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

______. Ação cultural para a liberdade. 5. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

______. Pedagogia da autonomia. 37. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

______. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

KIERKEGAARD, Soren. La dialetica della comunicazione etica ed etico-religiosa. Roma: Edizioni Logos, 1979.

______. Enten-eller. 6. ed. Milano: Adeplhi Edizioni, 2001a.

______. Stadi sul cammino della vita. Milano: BUR, 2001b.

______. Opere. Postilla conclusiva non scientifica alle briciole di filosofia. Milano: Sansoni Editori, 1993.

______. Due epoche. Roma: Parrini, 1994.

______. Migalhas filosóficas. Petrópolis: Vozes, 1995.

______. As obras do amor. Petrópolis: Vozes, 2005.

______. O conceito de angústia. Petrópolis: Vozes, 2010.

LEVINAS, Emmanuel. Totalidade e infinito. Lisboa: Edições 70, 2000.

______. Nomi propri. Casale Monferrato: Editrice Marietti, 1984.

______. Autrement qu’être ou au-delá de l’essence. Paris: LGF, 2008.

MARX, Karl. A ideologia alemã. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

MÉSZÁROS, István. A educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

REDIN, Euclides; STRECK, Danilo; ZITKOSKI, Jaime Jose. Dicionário Paulo Freire. 2. ed. Belo Horizonte:

Autêntica, 2010.

RICOUER, Paul. O si-mesmo como um outro. Campinas, SP: Papirus, 1991.

SIDEKUM, Antonio. Interpelação ética. São Leopoldo, RS: Nova Harmonia, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n39.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

 Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0