RECONHECER A EXPERIÊNCIA E A EXPERTISE DO DOENTE: UM DISPOSITIVO INOVADOR: A UNIVERSIDADE DOS PACIENTES

Catherine Tourette-Turgis, Lennize Pereira-Paulo

Resumo


O sucesso das estratégias terapêuticas no acompanhamento dos doentes crônicos tem como efeito o aumento da expectativa de vida e uma melhora da qualidade de suas vidas. Novos mecanismos, tal como a educação terapêutica do paciente, questionam o campo conceitual da formação de adultos. Esse artigo propõe considerar a experiência vivenciada da doença como uma oportunidade de aprendizagem e de desenvolvimento para o sujeito doente. O reconhecimento da experiência dos doentes deve abrir para uma validação das competências adquiridas pelos doentes, colocando em questão uma possível profissionalização. A Universidade dos Pacientes, um dispositivo universitário que diploma os doentes, ilustra em que medida o campo das inovações destinadas aos doentes crônicos ainda tem que se desenvolver para que os doentes possam tornar-se atores-chave na melhora da organização dos tratamentos.


Palavras-chave


Doenças crônicas. Universidade dos pacientes. Educação e formação ao longo de toda a vida. Educação terapêutica dos pacientes.

Texto completo:

PDF

Referências


BÉZILLE, Hélène. L’autodidacte– entre pratiques et représentations sociales. Paris: L’Harmattan, 2003.

CHARON, Rita. Narrative medecine honoring the stories of illness. New York: New York University Press, 2006.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Biographie et éducation. Figures de l’individu-projet. Paris: Anthropos, 2003.

DOMINICÉ, Pierre; JACQUEMET, Stéphane. Formation et santé. Savoirs, n. 19, p. 7-36, 2009.

FREIRE, Paulo. La pédagogie des opprimés. Paris: Maspéro, 1971.

HAMELINE, Daniel. Les objectifs pédagogiques en formation initiale et en formation continue. Paris: ESF, 1983.

JOUET, Emmanuelle, FLORA, Luigi, LAS VERGNAS, Olivier. Construction et reconnaissances des savoirs expérientiels des patients: Note de synthèse. Revue Pratiques de formation/Analyses, n. 58-59, p. 13-94, 2010.

LACROIX, A.; ASSAL, J-P. L’éducation thérapeutique du patient: nouvelles approches de la maladie chronique. Paris: Vigot, 1998.

LESOURD, Francis. L’homme en transition: éducation et tournants de vie. Paris: Anthropos, 2008.

NIEWIADOMSKI, Christophe. Valoriser d’autres approches cliniques que la seule clinique médicale. Savoirs, n. 19, p. 44-47, 2009.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Rapport OMS Europe Therapeutic Patient Education. Copenhage, 1998.

PEREIRA-PAULO, L.; TOURETTE-TURGIS, C. Quand mon corps parle, qu’est-ce que j’apprends? In: DELORY--MOMBERGER (Dir.). Éprouver le corps– Corps appris, corps apprenant. Toulouse: Ères, 2016. p. 203-216.

TOURETTE-TURGIS, Catherine. Le Counseling: théorie et pratique. Paris: PUF, 1996. (coll. Que Sais-Je?)

TOURETTE-TURGIS, Catherine; THIEVENAZ, Joris. La reconnaissance du “travail” des malades: un enjeu pour le champ de l’éducation et de la formation. Les Sciences de l’éducation - Pour l’Ère nouvelle, v. 46, n. 4,

p. 59-75, 2013.

VAN BALLEKOM, Karin. L’éducation du patient en hôpital. Pratiques & politiques en Belgique, Royaume-Uni, France et Pays-Bas. Conclusions et recommandations pour la Belgique. Godinne, février 2008.

VYGOTSKI, Lev. Pensée et langage. Paris: Messidor, 1985.




DOI: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2016.v25.n46.p%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


e-ISSN: 2358-0194

 Classificação Qualis CAPES:

 Educação - A2

  Indexadores:

       

      

   

      

 

  Localização dos Acessos:


 

  Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0