MEMÓRIAS DE SABERES TRADICIONAIS NO ANTIGO QUILOMBO CABULA (SALVADOR – BAHIA): PERCURSOS ENTRE NARRATIVAS DE PARTO

Mary Lúcia Souto Galvão, Ticiana Osvald Ramos, Maiara de França Gomes, Fernanda de Santana Barros, Francisca de Paula Santos da Silva

Resumo


Este artigo apresenta a discussão teórica e metodológica adotada na pesquisa de doutorado homônima. Partimos do território quilombola do Cabula, ancorando primeiramente na discussão sobre os processos de colonização, colonialidade e contra colonização e como influenciam o campo da saúde. A segunda sessão aporta na incidência desses processos sobre o oficio das Parteiras Tradicionais e no contexto da gestação, parto e pós-parto. Por fim, atracamos nos aspectos metodológicos em torno das narrativas como resistência contra colonizadora.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Gabriel. Falamos em nosso próprio nome: estudantes do quilombo Cabula, 2007. Disponível em:< www.cbg2014.agb.org.br/resources/.../1/1404308321_ARQUIVO _Artigoda CBG.pdf>. Acesso em: 03 jul. 2016.

AMADO, João (Coord.). Manual de Investigação qualitativa em educação. 2ªed. Coimbra: Universty Press, 2014.

BARROSO, Iraci. Os saberes de parteiras tradicionais e o ofício de partejar em domicílio nas áreas rurais. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Nº 2. dez. 2009.

BARRETO, Maria. Assistência ao nascimento na Bahia oitocentista. História, Ciências, Saúde –Manguinhos, Rio de Janeiro, v.15, n.4, p.901-925, 2008

BERTAGNOLLI, Gissele. Da colonialidade à descolonialidade: diálogos de ciências a partir de uma “epistemologia do sul” - uma análise de comunidades quilombolas. Rev. Grifos, N. 38/39, 2015.

BERTOLDI, Márcia. Saberes tradicionais como patrimônio cultural imaterial dinamizador do desenvolvimento sustentável. Revista Novos Estudos Jurídicos, Itajaí, v. 19, n. 2 mai./ago., p. 559-584. 2014. Disponível em: < http://siaiap32.univali.br/seer/index.php/nej/article/view/ 6018/pdf_1 >. Acesso em: 06 nov. 2017.

BOSI, Ecléa. Memória e Sociedade: Lembranças de Velhos. 19ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

DAVIS-FLOYD, Robbie. The Technocratic, Humanistic, and Holistic Paradigms of Childbirth. International Journal of Gynecology and Obstetrics, Vol 75, Supplement No. 1, pp. S5-S23, November 2001.

EHRENREICH, Barbara e ENGLISH, Deirdre. Sorcières, sages-femmes et infirmières. Une histoire des femmes et de la médecine. Montreal: Les Éditions du remue-ménage, 1976.

FERNANDES, Rosali. Las políticas de la vivienda en la ciudad de Salvador y los processos de urbanizacíon popular en el caso del Cabula. Universidade Estadual de Feira de Santana, 2003.

FOUCAULT, Michel. O nascimento da clínica. Tradução. Roberto Machado. 5 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária. 2001.

________________. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2002.

FONTENELE, Rafael. et al. Fitoterapia na Atenção Básica: olhares dos gestores e profissionais da Estratégia Saúde da Família de Teresina (PI), Brasil. Ciência e Saúde Coletiva, v. 18, n. 8, p. 2385-2394, 2013. Disponível em:. Acesso em: 23 set. 2015.

GALVÃO, Mary. Memória de ritos e símbolos na prática das parteiras no Nordeste brasileiro. in: Brasil, espaço memória e identidade. In: LEMOS, M.T.T.B; BAHIA, L.H.N; Dembcz A, editores. Warszawa: CESLA; 2001. p. 261.

GONÇALVES, Rita; LISBOA, Teresa. Sobre o método da história oral em sua modalidade trajetórias de vida. Rev. katálysis [online]. 2007, vol.10, n.spe, pp.83-92. ISSN 1982-0259. Disponível em: . Acesso em: 28 jun. 2018.

GOUVEIA, Anneza. Um olhar sobre o bairro: aspectos do Cabula e suas relações com a Cidade de Salvador / Anneza Tourinho de Almeida Gouveia: Salvador, 2010.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, 2008.

LANDER, Edgardo. "Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos", em: E. Lander (organizador), A colonialidade do saber. Eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas, Buenos Aires: Conselho Latino-americano de Ciências Sociais (CLACSO), 2005.

MARIN, Raquel; COMIN, Fábio. Desfazendo o “Mau-olhado”: magia, saúde e desenvolvimento no ofício das benzedeiras. Psicol. cienc. prof. [online]. 2017, vol.37, n.2, pp.446-460. ISSN 1414-9893. Disponível e: < http://dx.doi.org/10.1590/1982-37030023520 16> Acesso em: 11 jun. 2018.

MEIHY, José. Manual de História Oral. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2005.

MELO, Camila Pimentel Lopes de. A (des)colonialidade do parto: reflexões sobre o movimento de humanização da parturição e do nascimento. 2013. Apresentação de Trabalho/ Congresso. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2017.

MIGNOLO, Walter. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

MOTT, Maria. Assistência ao Parto: do domicilio ao hospital (1830-1960). Proj. Hitória, São Paulo, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1988.

MUYLAERT, Camila Junqueira et al. Entrevistas narrativas: um importante recurso em pesquisa qualitativa. Rev Esc. Enferm. Univ. São Paulo. 2014. Disponível em: Acesso em: 27 Jul. 2016.

NASCIMENTO, Wanderson. Por uma vida descolonizada: Diálogos entre a bioética de intervenção e os estudos sobre a colonialidade. Tese (Doutorado em Bioética) – Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

NICOLIN, Janice de Sena. Ecos que entoam uma mata africano-brasileira. Salvador: Edufba, 2014.

___________. Kipovi Cabuleiro: Um tom de Memória do Cabula. 2016. 290 f. Tese (Doutorado em Educação e Contemporaneidade) – Universidade Estadual da Bahia, Salvador, 2016.

OLIVEIRA, Luiz; CANDAU, Vera. Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no brasil. Educação em Revista. Belo Horizonte, v.26, n.01, p.15-40, abr. 2010

PEREIRA, Ligía. Relatos orais em ciências sociais: limites e potencial. Análise & Conjuntura, v. 6, n. 3, Belo Horizonte, Set/Dez, 1991.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. En

libro: A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLACSO, Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina. setembro 2005. pp.227-278. Disponível em: . Acesso em:16 jun. 2017.

RAMOS, Ticiana Osvald. Casas de parto autônomas no contexto brasileiro: conflitualidades e sentidos em torno da humanização de partos e nascimentos. 2013. 351 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

ROCHA, Mônica; SILVA, Francisca. Saberes Populares sobre Saúde no Distrito Sanitário Cabula/Beiru. 69ª Reunião Anual da SBPC - 16 a 22 de julho de 2017 - UFMG - Belo Horizonte/MG. 1. 6.13.99 – Turismo.

ROSA, Wanderleia. Rezas, Rezadeiras e Juventude na Comunidade Vão de Almas, Cavalcante – GO. 2013. 55 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Educação do Campo) – Faculdade UNB de Planaltina – FUP, Platina/DF, 2013.

SEGATO, Rita. Que cada povo teça os fios da sua história: o pluralismo jurídico em diálogo didático com legisladores. Direito.UnB, Revista de Direito da Universidade de Brasília janeiro – junho de 2014, v. 01, n.01.

SANTOS, Antônio Bispo dos. Colonização, quilombos: modos e significados. Brasília. Editora UnB, 2015.

SILVA, Valdélio. Rio das rãs à luz da noção de quilombo. 2000. In ________. “Do Mucambo do Pau-Preto a Rio das Rãs. Liberdade e escravidão na construção da identidade negra de um quilombo contemporâneo. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 1998. Disponível em: . Acesso em: 19 de mar. de 2017.

SILVA, Itala. A relação conflituosa entre médicos e enfermeiras no contexto hospitalar. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

SOARES, Danieli. Descolonialidade do saber e a vivência das parteiras no estado de Pernambuco: Um prisma a partir dos estudos pós-coloniais. Tese (Doutorado em Ciências Humanas, Letras e Artes) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa/PB, 2016.

SOUZA, Elizeu Clementino de. (Auto)biografia, histórias de vida e práticas de formação in NASCIMENTO, A. D; HETKOWSKI, T. M. (orgs). Memória e formação de professores [online]. Salvador: EDUFBA, 2007. 310 p. ISBN 978-85-232-0484-6. Available from SciELO Books .

_________. O que será que será? Estigmas, refiguração identitária e narrativas biográficas. In: SOUZA, Elizeu Clementino de; VICENTINI, Paula Perin e LOPES, Celi Espassandin (orgs.). Vida, narrativa e resistência: Biografização e empoderamento. Curitiba: Editora CRV, 2018.

TORRES, Nelson. A descolonização e o giro descolonial. Tabula Rasa [online]. 2008, n.9, pp.61-72. ISSN 1794-2489. 2008.

VIEIRA. Elisabeth. A medicalização do corpo feminino, In K Giffin & SH Costa. Questões da saúde reprodutiva. Fiocruz, Rio de Janeiro, p. 67-78,1999.

WALSH, Catherine. Interculturalidad, plurinacionalidad y decolonialidad: las insurgencias político-epistémicas de refundar el Estado. Tradução de João B. A. Figueiredo Tabula Rasa. Bogotá: Colombia, n. 9: 131-152, jul-dez 2008.

WESTPHAL, Marcia; BÓGUS, Claúdia; FARIA, Mara. Grupos focais: experiências precursoras em programas educativos em saúde no Brasil. Bol Oficina Sanit Panam, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade

____________________________________________________________

Revista Encantar: Educação, Cultura e Sociedade

Pré-avaliação Qualis 2019: B2

Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias – DCHT Campus XVII
Universidade do Estado da Bahia - UNEB
revistaencatar@gmail.com.br

 

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional