JOGOS ANALÓGICOS E DIGITAIS COMO FERRAMENTAS LÚDICAS NA AMBIENTAÇÃO E NO ENSINO DE ESTUDANTES SURDOS EM SALAS DE AULA REGULARES

David Santana Lopes, David Kaique Rodrigues dos Santos

Resumo


O processo de escolarização de estudantes surdos no Brasil, segundo autores clássicos na área como Ana Regina e Souza Campello, é resultado de um contexto histórico de luta, em meio a conjunto de obstáculos infraestruturais, formativos e curriculares quanto ao processo de ensino-aprendizagem dos mesmos em salas de aula regulares. Desta forma, tomando como base tais problemáticas e compreendendo a necessidade da elaboração de ferramentas didático-pedagógicas que possam potencializar a prática docente em diferentes espaços formativos, este artigo buscou analisar de que forma os jogos analógicos e digitais podem contribuir tanto para o processo de ambientação como no ensino de estudantes surdos. Para isso foi realizada uma revisão sistemática da literatura sobre a articulação entre jogos digitais/analógicos e o ensino de estudantes surdos. Com base na análise realizada, se identificou um maior número de trabalhos vinculados ao uso de jogos analógicos, além da grande associação desses, juntamente com os jogos digitais, com abordagens de cunho medicalizante. Diante deste contexto, foram propostos dois modelos de intervenção e verificado o potencial das ferramentas lúdicas, jogos analógicos e digitais, frente à trajetória formativa de estudantes surdos em meio ao ambiente de ensino, o corpo docente e estudantes ouvintes em questão.

Palavras-chave


Ensino e Ambientação de Estudantes Surdos. Ferramentas Lúdicas. Jogos Analógicos. Jogos Digitais.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRIN. Setor de brinquedos encerra 2018 com 7,5% de crescimento. 2019. Disponível

em:

com-7-5-de-crescimento>. Acesso: julho, 2019.

ARAUJO, M. Jogo e serious games: conceito e bons princípios para análise do jogo

SpaceCross, da Volkswagen. In: XI SBGames, Brasília, Brasil, 2012. Disponível em:

. Acesso:

junho, 2019.

BALCEDA, F. Deafquiz: un juego educativo que integra niños sordos y oyentes en el

proceso de aprendizaje de la Lengua de Señas. 85f. Trabalho de Conclusão de Curso

(Licenciatura). Facultad de Informática, La Plata, Argentina, 2017. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

BANDEIRA, D. Material didático: conceito, classificação geral e aspectos da elaboração.

Curso de Materiais didáticos para smartphone e tablet. Curitiba, IESDE, p. 13-33, 2009.

Disponível em: . Acesso: junho, 2019.

BAQUETA, J. Especificaçao e protótipo de um jogo educativo para aprendizagem de

conceitos por crianças surdas. Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), Universidade

Estadual do Oeste do Paraná, 2012. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

BARBOSA, J. Abordagens teóricas e metodológicas na Educação Matemática: aproximações

e distanciamentos. Anais da 38ª Reunião Nacional da ANPEd, São Luís/MA, 2017.

Disponível em:

ped_2017_gt19_jonei_cerqueira_barbosa.pdf>. Acesso: junho, 2019.

BARBOSA, J. et al. A tecnologia assistiva digital na alfabetização de crianças surdas.

f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Sergipe. Programa de Pós-graduação

em Educação. São Cristóvão, Sergipe, Brasil, 2011. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

BEHAR, P. Modelos pedagógicos na educação a distância. Porto Alegre: Artmed, p. 33-65,

BIERRE, K. et al. Game not over: Accessibility issues in video games. In: Proc. of the 3rd

International Conference on Universal Access in Human-Computer Interaction. 2005. p. 22-

Disponível em:

r_Accessibility_Issues_in_Video_Games/links/546de0d70cf2a7492c560d87.pdf >. Acesso:

junho, 2019.

BISOGNIN, E. Produtos educacionais: análise da produção do Mestrado Profissional em

Ensino de Física e de Matemática do Centro Universitário Franciscano de Santa Maria, Rio

Grande do Sul, Brasil. Revista Polyphonía, v. 24, n. 2, p. 43-58, 2013. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

BRASIL. Lei n.º 9.394, de 20/12/1996. Estabelece a lei de diretrizes e bases da educação

nacional. Brasília: Ministério da Educação, 1996. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

_______. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de SinaisLibras e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2002. Disponível em:

. Acesso: maio, 2019.

______. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais + para o Ensino

Médio. Brasília, 2000. Disponível em:

Acesso: junho, 2019.

______. Decreto nº 5626 de 22 de dezembro de 2005. Brasília: Presidência da República,

Disponível em:

/2005/Decreto/D5626.htm>. Acesso: junho, 2019.

______. Ministério da Educação. Orientações Curriculares Nacionais. Brasília, 2006.

Disponível em: .

Acesso, junho, 2019.

______. Lei n° 12.319, de 1° de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e

Intérprete da Língua Brasileira de Sinais ‐ LIBRAS. Brasília, 2010. Disponível em:

. Acesso:

junho, 2019.

______. Ministério da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino

Fundamental. Brasília, 2013.

diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file>. Acesso: junho, 2019.

______. Ministério da Educação/Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP Nº 2,

de 22 de dezembro de 2017, que institui a Base Nacional Comum Curricular. Brasília,

Disponível em:

EMBRODE2017.pdf>. Acesso: junho, 2019.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. São Paulo: Vozes, 2017.

CALDAS, A. Narrativas de professores de surdos sobre a EJA no município de Porto

Alegre/RS. Cadernos de Pesquisa. v. 23, n. 2, p. 46-57, 2016. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

CALDEIRA, V. et al. Do giro ao ângulo: uma experiência com alunos surdos bilíngues. In:

XI Encontro Nacional de Educação Matemática. Curitiba: Paraná, 2013. Disponível em:

.

Acesso: maio, 2019.

CAMPELLO, A. Pedagogia visual na educação dos surdos-mudos. Tese (doutorado).

Florianópolis: UFSC, 2008, 169f. Disponível em: . Acesso: maio, 2019.

_____________. Juventude e Cultura Surda. Revista Interinstitucional Artes de Educar, v.

, n. 1, p. 104-115, 2016. Disponível em: < https://www.epublicacoes.uerj.br/index.php/riae/article/view/24888/17854>. Acesso: junho, 2019

CANDAU, V. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e

diferença. Revista Brasileira de educação, v. 13, n. 37, p. 45-56, 2008. Disponível em:

. Acesso: maio, 2019.

CANO, S. et al. Model for analysis of serious games for literacy in deaf children from a

user experience approach. In: Proceedings of the XVI international conference on human

computer interaction. ACM, 2015. p. 18. Disponível em:

. Acesso: julho, 2019. 7

CANO, S. et al. Toward a methodology for serious games design for children with

auditory impairments. IEEE Latin America Transactions, v. 14, n. 5, p. 2511-2521, 2016a.

Disponível em: . Acesso: julho,

CANO, S. et al. Design of a set Serious mini-games as support in cognitive rehabilitation

for Children with Auditory Impairment. In: Proceedings of the 4th Workshop on ICTs for

improving Patients Rehabilitation Research Techniques. ACM, 2016b. p. 40-44. Disponível

em: . Acesso: julho, 2019.

CANO, S. et al. Principios de Diseño de Juegos Serios para la Enseñanza de

Lectoescritura para Niños con Discapacidad Auditiva. In: Actas del xvii congreso

internacional de interacción persona-ordenador–interacción 2016c. p. 51-58. Disponível em:

ersona-Ordenador_-_Interaccion_2016/links/57d8885b08ae601b39afad1b.pdf#page=51>.

Acesso: junho, 2019.

CANO, S. et al. Applying the information search process model to analyze aspects in the

design of serious games for children with hearing impairment. Universal Access in the

Information Society, v. 17, n. 1, p. 83-95, 2018a. Disponível em:

. Acesso: julho, 2019.

CANO, S. et al. Designing collaborative strategies supporting literacy skills in children

with cochlear implants using serious games. In: World Conference on Information Systems

and Technologies. Springer, Cham, 2018. p. 1317-1326. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

CANTERI, R. Diretrizes para o design de aplicações de jogos eletrônicos para educação

infantil de surdos. 79f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Paraná. Programa

de Pós-Graduação em Informática, Setor de Ciências Exatas. Curitiba, Paraná, Brasil, 2014.

Disponível em: . Acesso: junho, 2019.

CAPORUSSO, N. et al. A multimodal interface device for online board games designed for

sight-impaired people. IEEE Transactions on Information Technology in Biomedicine, v.

, n. 2, p. 248-254, 2009. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

CHEIRAN, J. Jogos inclusivos: diretrizes de acessibilidade para jogos digitais. 162f.

Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Programa de Pósgraduação em Computação. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, 2013. Disponível em:

lowed=y>. Acesso: junho, 2019.

CONRADO, D.; NUNES-NETO, N. Questões sociocientíficas: Fundamentos, propostas

de ensino e perspectivas para ações sociopolíticas. Salvador: EDUFBA, 2018. Disponível

em: . Acesso: julho, 2019.

CORREDOR, F. et al. Diseño de videojuegos serios para la salud. Revista académica e

institucional de la UCPR, n. 95, p. 10, 2014. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

COSTA, W.; SILVEIRA, M. Desafios da comunicação no ensino de matemática para alunos

surdos. Revista BoEM, v. 2, n. 2, p. 72-87, 2014. Disponível em:

. Acesso: maio, 2019.

DALLAN, M. Signwriting: escrita visual para língua de sinais no processo de sinalização

escrita. In: II Congresso Nacional de Surdez. São José dos Campos, 2009. Disponível em:

A_DE_SINAIS_%C5%93_O_PROCESSO_DE_SINALIZA%C3%87%C3%80O_ESCRITA

>. Acesso: maio, 2019.

DARSIE, M. Perspectivas Epistemológicas e suas Implicações no Processo de Ensino e de

Aprendizagem. Uniciências, v. 3, n. 1, 2015. Disponível em:

. Acesso:

junho, 2019.

DENZIN, N.; LINCOLN, Y. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens.

Porto Alegre: Artmed, 2006.

DESSBESEL, R. et al. O processo de ensino e aprendizagem de Matemática para alunos

surdos: uma revisão sistemática. Ciência & Educação (Bauru), v. 24, n. 2, p. 481-500, 2018.

Disponível em:

. Acesso:

junho, 2019.

FERREIRA, M. Tecnologia assistiva para crianças com paralisia cerebral sem oralidade:

avaliação da comunicação durante atividades com jogos digitais. 81f. Dissertação (Mestrado)

– Faculdade Tecnologia SENAI/CIMATEC. Pós-Graduação em Modelagem Computacional e

Tecnologia Industrial. Salvador, Bahia, Brasil, 2011. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

FERREIRA, W.; NASCIMENTO, F. Utilização do jogo de tabuleiro-ludo-no processo de

avaliação da aprendizagem de alunos surdos. Química Nova na Escola, v. 36, n. 1, p. 28-36,

Disponível em: . Acesso:

junho, 2019.

FIALHO, N. Os jogos pedagógicos como ferramentas de ensino. In: Congresso nacional de

educação. 2008. p. 12298-12306. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FORMOSO, C. et al. Una taxonomía de materiales didácticos para la inclusión de alumnado

con diversidad funcional auditiva. Educatio Siglo XXI, v. 35, n. 3 Noviembr, p. 129-152,

Disponível em: . Acesso: junho,

FORTE, C et al. Universalização da Interface de Jogo Pedagógico para Deficientes

Auditivos, Visuais e Não Deficientes através do uso da Realidade Aumentada. In: III

Workshop de Realidade Aumentada, 2006. p. 55-58. Disponível em:

. Acesso: maio, 2019.

GALVÃO, T.; PEREIRA, M. Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração.

Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 23, p. 183-184, 2014. Disponível em:

. Acesso: junho,

GERLING, K. et al. Game design for older adults: effects of age-related changes on

structural elements of digital games. In: International Conference on Entertainment

Computing. Springer, Berlin, Heidelberg, 2012. p. 235-242. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

GILLAM, R. et al. A Variety Of Approaches Help Children Overcome Auditory Processing

And Language Problems. ScienceDaily, 2008. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

GIORDANI, L.; RIBAS, R. Jogos de Raciocínio Lógico na Escolarização de Surdos:

promovendo movimentos no currículo. In: Anais do VIII Congresso Internacional de

Educação e III Congresso Internacional de Avaliação, 2013. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

GOFFI, L. Jogos, brinquedos e brincadeiras: um estudo sobre a interação de alunos do

ensino regular e os que frequentam sala de recursos. 134f. Dissertação (Mestrado) PósGraduação em Educação, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, Brasil, 2009.

Disponível em: < http://alb.com.br/arquivomorto/edicoes_anteriores/anais17/txtcompletos/sem03/COLE_2107.pdf>. Acesso: junho,

GONZÁLEZ-PEÑA, P. et al. Uso de las nuevas tecnologías por parte de los psicólogos

españoles y sus necesidades. Clínica y salud, v. 28, n. 2, p. 81-91, 2017. Disponível em:

.

Acesso: junho, 2019.

GRAMMENOS, D. et al. UA-Chess: A universally accessible board game. In: Universal

Access in HCI: Exploring New Interaction Environments-Proc. 11th Int. Conf. on Human-

Computer Interaction, 2005. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

GUIMARÃES et al. Sign Language for all: a framework to inform the design of games to

teach Deaf children and their non-Deaf mothers. International Journal of Education and

Research. v. 5; n. 12, 2017. Disponível em: . Acesso: junho, 2019.

HUIZINGA, J. Homo Ludens. São Paulo: Perspectiva, 2000.

LEUNG, G.; LAM, L. Leisure activities and cognitive impairment in late life--a selective

literature review of longitudinal cohort studies. Hong Kong Journal of Psychiatry, v. 17, n.

, p. 91-101, 2007. Disponível em:

v=2.1&it=r&linkaccess=abs&issn=10262121&p=HRCA&sw=w>. Acesso: junho, 2019.

LEVY, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2010.

LIMA, G.; SILVA, M. Projeto de desenvolvimento de material didático em educação a

distância segundo experiência do usuário. In: 23º Congresso Internacional ABED de

Educação à Distância (CIAED), Paraná, Foz do Iguaçu, 2017. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

MARIANI, B. et al. O trabalho fonoaudiológico em uma clínica dialógica bilíngue: estudo de

caso. CoDAS, 2016. p. 653-660. Disponível em:

pdf>. Acesso: junho, 2019.

MASCIO, T. et al. Designing games for deaf children: first guidelines. Int. J. Technol.

Enhanc. Learn, v. 5, n. 3/4, p. 223-239, 2013. Disponível em:

mes_for_deaf_children_First_guidelines/links/54abd00b0cf2bce6aa1dbb0b.pdf >. Acesso:

junho, 2019.

MELONIO, A.; GENNARI, R. How to design games for deaf children: Evidence-based

guidelines. In: 2nd International Workshop on Evidence-based Technology Enhanced

Learning. Springer, Heidelberg, 2013. p. 83-92. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

MOURA, G. et al. Luz, câmera, libras!: How a mobile game can improve the learning of

sign languages. In: International Conference of Design, User Experience, and Usability.

Springer, Berlin, Heidelberg, 2013. p. 266-275. Disponível em:

. Acesso: julho, 2019.

NASCIMENTO, L.; LIZ, A. Jogos Digitais no Ensino da Língua Portuguesa para Crianças

Surdas. Periferia, v. 9, n. 1, p. 263-289, 2017. Disponível em: . Acesso: maio, 2019.

OLIVEIRA, M.; REIS, M. (Re) pensando a função social da escola na atualidade. SérieEstudos-Periódico do Programa de Pós-Graduação em Educação da UCDB, v. 22, n. 44,

p. 89-106, 2017. Disponível em: . Acesso: junho, 2019.

OLIVEIRA, S. et al. Construção de jogos e pedagogia visual: mediação da aquisição da

libras como língua materna por crianças surdas. In: III Congresso internacional de educação

inclusiva, 2018. Disponível em:

. Acesso:

junho, 2019

OLIVEIRA, S. et al. Jogos analógicos contextualizados à cultura surda–mediaando a

aquisição da libras como primeira língua por crianças surdas. Brazilian Journal of

Development, v. 5, n. 7, p. 8674-8685, 2019. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

PANTOJA, A.; PEREIRA, L. Gamificação: como jogos e tecnologias podem ajudar no

ensino de idiomas. Estação Científica (UNIFAP), v. 8, n. 1, p. 111-120, 2018. Disponível

em: . Acesso: junho, 2019.

PERLIN, G.; STROBEL, K. Fundamentos da educação de surdos. Florianópolis: UFSC,

PETRY, L. O Conceito Ontológico de Jogos. In: ALVES, Lynn; COUTINHO, Isa (Org.)

Jogos Digitais e Aprendizagem: fundamentos para uma prática baseada em evidências.

Campinas: Papirus, 2016, p. 17-42.

PIVETTA, E.; SAITO, D.; ULBRICHT, V. Surdos e acessibilidade: análise de um ambiente

virtual de ensino e aprendizagem. Revista Brasileira de educação especial, v. 20, n. 1, p.

-162, 2014. Disponível em:

&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso: maio, 2019.

PONSA, P.; GUASCH, D. A human–computer interaction approach for healthcare. Univ

Access Inf Soc, v. 17, n. 1, p. 1-3, 2018. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

QUADROS, R. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão.

Ponto de vista: revista de educação e processos inclusivos, n. 5, p. 81-111, 2003.

Disponível em:

. Acesso:

maio, 2019.

QUEIROZ, D. et al. Manual de xadrez em libras/português para surdos: o xadrez como

ferramenta de letramento bilingue. In: IV Congresso Nacional de Educação, 2017.

Disponível em:

A10_ID6529_10092017224059.pdf>. Acesso: junho, 2019.

RAMOS, D. et al. Jogos digitais na escola e inclusão digital: intervenções para o

aprimoramento da atenção e das condições de aprendizagem. Revista Diálogo Educacional,

v. 18, n. 58, 2018.

REICHERT, J. et al. Suíte Cauê: Jogos para o Letramento de Crianças Surdas. In:

SBGames, Teresina, 2015. Disponível em:

o_de_Criancas_Surdas >. Acesso: junho, 2019.

RIBEIRO, R. et al. Teorias de aprendizagem em jogos digitais educacionais: um panorama

brasileiro. RENOTE, v. 13, n. 1, 2015. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

RODRIGUES, C. A Sala de Aula de Surdos Como Espaço Inclusivo: pensando o outro da

educação atual. In: ALMEIDA, Wolney Gomes (Org.). Educação de surdos: formação,

estratégica e prática docente. Ilhéus (Bahia): SciELO Books, 2017. p. 113-136.

RODRIGUES, L.; MOURA, L.; TESTA, E. O tradicional e o moderno quanto à didática no

ensino superior. Revista Científica do ITPAC, v. 4, n. 3, p. 1-9, 2011. Disponível em:

. Acesso: maio, 2019.

RODRIGUES, P.; ALVES, L. Criar e compartilhar games: novas possibilidades de

letramento digital para crianças surdas. Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 12, n. 2,

Disponível em: . Acesso: junho,

RODRÍGUEZ, V. et al. De la incomunicación sensorial a la bienvenida al mundo: tratamiento

con terapia de juego en un niño con sordera. Revista de Psiquiatría Infanto-Juvenil, v. 32,

n. 4, p. 209-215, 2015. Disponível em:

. Acesso: maio, 2019.

SÁ, N. R. L. Surdos: Qual Escola? Manaus: Editora Valer e Edua, 2011.

SALIÉS, T.; STAROSKY, P. How a deaf boy gamed his way to second-language acquisition:

Tales of intersubjectivity. Simulation & Gaming, v. 39, n. 2, p. 209-239, 2008. Disponível

em: . Acesso: junho,

SÁNCHEZ, Y. La accesibilidad en los videojuegos para el colectivo con problemas

auditivos y visuales. 53f. Dissertação (Mestrado), Máster en Subtitulado y Audiodescrípdón.

Universidad de Las Palmas de Gran Canaria, Las Palmas, Espanha, 2006. Disponível em:

. Acesso:

junho, 2019.

SANTOS, M. et al. A combinação de jogos de tabuleiro com jogos digitais no processo de

aprendizagem. Simpósio Brasileiro de Jogos e Entretenimento Digital (SBGames), 2016.

Disponível em: .

Acesso: julho, 2019.

SAVIDIS, A. et al. Developing inclusive e-learning and e-entertainment to effectively

accommodate learning difficulties. Universal Access in the Information Society, v. 5, n. 4,

p. 401-419, 2007. Disponível em:

-3>. Acesso: maio, 2019.

SCHMIDT, J.; MARCHI, A. Usability evaluation methods for mobile serious games applied

to health: a systematic review. Universal Access in the Information Society, v. 16, n. 4, p.

-928, 2017. Disponível em:

y>. Acesso: junho, 2019.

SILVA, V. A Importância do Lúdico para o Ensino Aprendizagem de Alunos Surdos. Revista

SOMMA, v. 2, n. 2, p. 47-57, 2017. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

TORRES, V.; ALVES, L. Professores e os jogos digitais: um olhar sobre as possibilidades

pedagógicas destas mídias. A Cor das Letras, v. 14, n. 1, p. 163-176, 2017.

VIANA, F.; GOMES, A. Discutindo aspectos metodológicos de ensino e aprendizagem no

atendimento educacional especializado para alunos com surdez. Educação: Teoria e Prática,

v. 27, n. 54, p. 56-73, 2017. Disponível em:

teste.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/11916>. Acesso: maio, 2019.

WAKI, A. et al. Games accessibility for deaf people: evaluating integrated guidelines. In:

International Conference on Universal Access in Human-Computer Interaction. Springer,

Cham, 2015. p. 493-504.

WITKOSKI, S. Surdez e preconceito: a norma da fala e o mito da leitura da palavra falada.

Revista Brasileira de Educação, v. 14, n. 42, p. 565-575, 2009. Disponível em:

. Acesso: julho, 2019.

VASCONCELOS, F.et al. The learning of adolescent students about the disabled person

using board game. Open Journal of Nursing, v. 5, n. 03, p. 173, 2015. Disponível em:

_of_Adolescent_Students_about_the_Disabled_Person_Using_Board_Game/links/5694f21b0

ae820ff074893f.pdf >. Acesso: junho, 2019.

VEGA, S. et al. Juego para el aprendizaje de la Lengua de Señas Colombiana entre

Niños Sordos de 3 años y sus Padres facilitando su comunicación en el hoga. 51f.

Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) – Facultad de Arquitectura y Diseño. Programa de

Diseño Industrial. Bogotá, Colômbia, 2018. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

VYGOTSKY, L. Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar. Linguagem,

desenvolvimento e aprendizagem, v. 10, p. 103-117, 1988. Disponível em:

.

Acesso: maio, 2019.

YEE, C. et al. Juego serio para entrenar habilidades auditivas en niños con discapacidad

auditiva. Revista Colombiana de Computación, v. 19, n. 1, p. 56-68, 2018. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019.

YUAN, B. et al. Game accessibility: a survey. Universal Access in the information Society,

v. 10, n. 1, p. 81-100, 2011. Disponível em:

. Acesso: junho, 2019


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Encantar - Educação, Cultura e Sociedade

____________________________________________________________

Revista Encantar: Educação, Cultura e Sociedade

Pré-avaliação Qualis 2019: B2

Departamento de Ciências Humanas e Tecnologias – DCHT Campus XVII
Universidade do Estado da Bahia - UNEB
revistaencatar@gmail.com.br

 

Licença Creative Commons

Este trabalho está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional